Em apoio a Lula, movimentos sociais preparam ato em frente ao Tribunal de Justiça de São Paulo

O intuito é protestar contra o pedido de prisão preventiva do ex-presidente feito pelo MP-SP. Haverá também vigília em frente ao prédio de Lula, em São Bernardo do Campo (SP), ao longo do final de semana; orientação é que militância evite provocações e não...

1280 0

O intuito é protestar contra o pedido de prisão preventiva do ex-presidente feito pelo MP-SP. Haverá também vigília em frente ao prédio de Lula, em São Bernardo do Campo (SP), ao longo do final de semana; orientação é que militância evite provocações e não vá à avenida Paulista no domingo (13)

Por Ivan Longo

atoapeoesp

Lideranças de sindicatos, movimentos sociais e estudantis que compõem a Frente Brasil Popular reuniram-se, na noite desta quinta-feira (10), na sede do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial de São Paulo (Apeoesp). O encontro foi marcado às pressas por conta da divulgação, no fim da tarde, do pedido de prisão preventiva do ex-presidente Lula que consta na denúncia apresentada por promotores do Ministério Público de São Paulo à Justiça.

“Uma das justificativas é que a prisão preventiva de Lula seria para evitar conflitos. Isso é um pedido inédito na Justiça”, afirmou o presidente do PT, Rui Falcão que compareceu no final do encontro, marcado para discutir mobilizações diante das recentes ações contra o ex-presidente e do protesto contra Lula e o governo marcado para o próximo domingo (13).

“Esse ato entre ontem e hoje dos promotores é para alimentar revistas e aumentar a tensão para domingo”, disse o petista que, minutos antes, estava reunido com Lula em um hotel na região central da capital paulista.

“O MP age de forma política. Tem o objetivo de destruir a imagem do presidente Lula. Os episódios de janeiro e fevereiro mostram as ações de pirotecnia da direita que usa a imprensa, o Ministério Público e o exército de coxinhas para o dia 13 de maio”, disse antes da chegada de Falcão, Douglas Izzo, presidente da Central Única dos Trabalhadores de São Paulo (CUT-SP).

A ideia dos movimentos ali reunidos foi a de estabelecer ações antes do dia 18 – data em que está marcado um ato “contra o golpismo” – já que o dia teria “ficado longe” diante dos acontecimentos desta semana. De acordo com os movimentos, há informações de que a juíza que avaliará o pedido do MP só o fará na segunda-feira (14), mas temem, ainda assim, uma “surpresa” no final de semana.

“Não vamos aceitar essas atitudes arbitrárias. O que está acontecendo nesse país é a ditadura sob o nome de democracia”, disse a presidenta da Apeoesp, Maria Izabel Noronha, a Bebel. Em sua fala, Bebel propôs um ato nesta sexta-feira (11), na Praça da Sé, onde fica a sede do Tribunal de Justiça de São Paulo. A proposta foi aprovada e a concentração será a partir das 11h da manhã.

Também haverá, ao longo de todo o final de semana, uma vigília em frente ao prédio de Lula em São Bernardo do Campo (SP) para, além de prestar solidariedade ao ex-presidente, garantir que não haja qualquer tipo de hostilização ou manifestações de direita como a que já ocorrerá no próximo domingo (13).

A orientação, inclusive, é para que aqueles que defendem o ex-presidente não saiam às ruas no dia da manifestação contra o governo.

“Os coxinhas vão se mobilizar no dia 13. Nós vamos manter nosso calendário. Estamos defendendo o país, estamos com a razão. Nossos diretórios estarão de plantão durante todo o final de semana. Não podemos abaixar a guarda. Não vamos entrar em provocações e vamos manter a nossa mobilização”, disse Rui Falcão, se referindo ao ato do dia 18 marcado pelos movimentos sociais.

Foto: Christian Braga

Leia também

Blog do Rovai: Conserino arrisca tudo e pede prisão preventiva de Lula

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.



No artigo

Comentários