STJ mantém condenação de “Japonês da Federal” por corrupção passiva

Acusado de fazer parte de uma quadrilha que facilitava o contrabando em Foz do Iguaçu, Newton Hidenori Ishii ficou conhecido por escoltar os presos da “Operação Lava Jato”

11406 0

Acusado de fazer parte de uma quadrilha que facilitava o contrabando em Foz do Iguaçu, Newton Hidenori Ishii ficou conhecido por escoltar os presos da “Operação Lava Jato”

Da Redação

Foto: GGN

O ministro Felix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou um recurso especial e manteve a condenação de Newton Hidenori Ishii e outros dois policiais federais acusados de fazer parte de uma quadrilha que facilitava o contrabando via Foz do Iguaçu, cidade do Paraná que faz fronteira com o Paraguai e a Argentina.

Ishii ficou conhecido como o “Japonês da Federal” por ser visto constantemente na escolta dos presos da Operação Lava Jato. Ele é apontado como suspeito de ser um dos possíveis responsáveis por vazamentos sobre as investigações, depois que conversas entre o senador Delcídio Amaral (PT-MS) e assessores fizeram menção ao “japonês bonzinho”.

O agente, que atualmente goza da confiança do comando da Polícia Federal no Paraná, chegou a ser preso e expulso da corporação em razão dos processos que responde, fruto da Operação Sucuri, responsável pela prisão de outros 22 agentes da Polícia Federal, sete auditores da Receita Federal e três Policiais Rodoviários Federais suspeitos de participarem do esquema.

Além do inquérito criminal, Ishii responde um processo administrativo e outro por improbidade administrativa relacionados ao mesmo caso. Ele foi condenado em primeira instância em 2009 e, desde então, recorre aos tribunais da punição. No recurso, os réus questionavam a legalidade das provas obtidas via interceptação telefônica e a determinação da Justiça de perda dos cargos.

Cabe recurso da decisão à turma, já que a decisão foi monocrática, e também ao pleno do STJ. O caso corre em segredo de Justiça.

Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora e receba em seu endereço!



No artigo

Comentários