O impasse brasileiro e a geopolítica global

A tentativa contra o governo Dilma e a campanha antipetista só podem ser plenamente entendidos no contexto da conjuntura internacional e, em especial, da ofensiva dos Estados Unidos para garantir, a qualquer custo, a posição de supremacia geopolítica obtida ao final da Guerra Fria....

937 0

A tentativa contra o governo Dilma e a campanha antipetista só podem ser plenamente entendidos no contexto da conjuntura internacional e, em especial, da ofensiva dos Estados Unidos para garantir, a qualquer custo, a posição de supremacia geopolítica obtida ao final da Guerra Fria. Leia o artigo de Igor Fuser

Por Igor Fuser*

Lula e Dilma - ABr(1)

A tentativa contra o governo Dilma e a campanha antipetista só podem ser plenamente entendidos no contexto da conjuntura internacional e, em especial, da ofensiva dos Estados Unidos para garantir, a qualquer custo, a posição de supremacia geopolítica obtida ao final da Guerra Fria.

A estratégia do imperialismo no período que se abriu com a dissolução da União Soviética foi apresentada, de uma forma crua e bruta, por Paul Wolfowitz, alto funcionário do Departamento de Estado que recebeu do presidente George Bush (pai) a tarefa de colocar no papel as linhas mestras da conduta da então única superpotência, a partir das ideias consensuais entre os formuladores de política externa de Washington.

Wolfowitz escreveu, com todas as letras, que o objetivo central da conduta dos EUA é impedir, por todos os meios, inclusive pelo uso da força militar, o surgimento de uma nova potência capaz de ameaçar sua posição de hegemonia global. Ele foi além e deixou claro que esse esforço inclui a adoção de medidas para bloquear, do mesmo modo, a ascensão de potências regionais que possam pôr em risco os interesses dos EUA em qualquer lugar do mundo.

O relatório, que deveria ser mantido em segredo, vazou para o New York Times e causou constrangimento às autoridades de Washington, pois outros governos se sentiram melindrados com a recomendação de Wolfowitz para que fossem tomadas medidas a fim de garantir a submissão dos aliados europeus aos EUA mesmo depois de eliminada a “ameaça soviética”. Engavetou-se o texto, mas suas proposições têm sido seguidas à risca por todos os presidentes nos últimos 25 anos, independente de filiação partidária. E o autor do relatório, que mais tarde se destacou como o mais fervoroso instigador da invasão do Iraque, acabou sendo premiado com o cargo de presidente do Banco Mundial.

A disseminação de governos de esquerda e/ou centro-esquerda na América Latina a partir da eleição de Hugo Chávez na Venezuela, ao final de 1998, veio na contramão dos esforços estratégicos estadunidenses. A maré progressista fez naufragar a Alca e deu margem à primeira tentativa eficaz de transformar o “quintal” dos EUA em um espaço geopolítico soberano, livre do domínio imperialista e articulado a partir de suas próprias instituições, como a Celac, a Unasul, o Mercosul e a Alba. Para coroar a desfeita, articulou-se um movimento do campo geopolítico sul-americano, liderado pelo Brasil, no rumo de uma aproximação com a China e a Rússia, através dos Brics – iniciativa anti-hegemônica impulsionada pelas duas potências que, em aliança cada vez mais estreita entre si, parecem materializar o fantasma imaginado por Wolfowitz no imediato pós-Guerra Fria.

É difícil exagerar o impacto que a virada à esquerda na América Latina (especialmente na América do Sul) provocou entre os estrategistas de Washington. O projeto de uma integração regional sul-americana em termos autônomos, sobre o alicerce de políticas desenvolvimentistas, nacionalistas e em alguns casos até socializantes, significa a perda da posição privilegiada que o Tio Sam vinha exercendo no Hemisfério Ocidental desde o final do século dezenove. Durante mais de um século os países latino-americanos constituíram uma área exclusiva para o exercício da hegemonia dos EUA, em contraste com a situação do imperialismo estadunidense nas demais áreas do planeta, onde sempre foi obrigado a disputar com outros atores poderosos a influência econômica e política. O que o comandante Chávez propunha, ao retomar o projeto de emancipação regional formulado originalmente por Simón Bolívar, era, nada mais, nada menos, que o fim da Doutrina Monroe, pedra angular da dominação estadunidense sobre a América Latina.

Vários fatores deram chances de sucesso ao projeto progressista/autonomista na nossa região. Entre outros, contribuíram para isso o fracasso do modelo econômico neoliberal; a ascensão da China como parceiro comercial alternativo à Europa, Japão e EUA; a valorização do preço das commodities agrícolas e minerais; a posição legalista dos militares, desgastados pelo trauma dos regimes genocidas no Cone Sul.

O imperialismo, em estreita aliança com a burguesia de cada um dos países da região, tratou de reagir, desde o início, com a finalidade de conter a onda progressista e remover cada um dos governos não alinhados com as preferências de Washington. As primeiras tentativas, no período presidencial de George W. Bush, foram um fiasco, como se viu na Venezuela, alvo, em 2002, de duas tentativas golpistas contra o governo de Chávez. Mas seu sucessor, Barack Obama, mostrou mais habilidade, explorando os nossos pontos mais débeis para promover a desestabilização de governos esquerdizantes e sua substituição por dóceis serviçais do imperialismo. Assim vieram os golpes bem-sucedidos em Honduras e, em seguida, no Paraguai – os elos mais fracos da corrente progressista.

A inversão do ciclo econômico, a partir da crise de 2008, foi a senha para a atual ofensiva golpista promovida a partir do centro do império. Com a queda dos preços dos produtos primários, os governos da região se viram fragilizados, já que a onda progressista, apesar de proporcionar inegáveis avanços sociais em benefício das maiorias desfavorecidas, mostrou-se incapaz de levar adiante transformações econômicas estruturais no sentido da superação da dependência.

A nova conjuntura, muito mais difícil, instalou-se justamente no momento em que, por efeito de suas próprias contradições internas, o projeto progressista perdia o vigor inicial e apresentava sinais claros de estagnação. A morte de Chávez, nesse cenário, representou um ponto de virada. Mais do que a perda de um líder insubstituível, essa tragédia foi um fato emblemático do impasse colocado para a continuidade do movimento emancipatório regional, forçado a optar entre o aprofundamento e radicalização das mudanças, mesmo sem que as condições estivessem maduras para esse passo, ou o inevitável declínio, com o risco de uma reversão catastrófica de todas as conquistas. Esse segundo cenário é a ameaça que paira sobre os povos latino-americanos no presente momento.

Temos diante de nós um inimigo que conseguiu aprender com as derrotas da década passada e reformular sua tática, sem abrir mão do objetivo estratégico de esmagar todas as vertentes da esquerda. Nas operações para reverter o rumo progressista – seja pela via eleitoral, como na Argentina, ou pelo golpismo “branco”, ao estilo paraguaio – a mão pesada do imperialismo ianque permanece invisível. Mais inteligente que seu antecessor, Obama (isto é, seus assessores para a política “hemisférica”) terceirizou o golpismo. A influência dos EUA – tanto por atores estatais quanto privados – em apoio às conspirações da direita se faz presente, no caso brasileiro, com o financiamento a grupos que organizam os protestos dos “coxinhas” brasileiros ou o fornecimento de informações sobre a Petrobras obtidas por espionagem aos investigadores da Lava-Jato. Mas o núcleo da atual da ofensiva direitista está situado dentro de cada um dos países. Confiando na vocação da burguesia latino-americana a operar como um fiel lacaio do imperialismo, Washington espera que ela cumpra a tarefa de se livrar do bolivarianismo e das demais vertentes reformistas, como o lulismo.

Enganou-se quem acreditou que, em algum momento, a tolerância de setores das classes dominantes em relação a governantes progressistas fosse mais do que um recurso temporário e interesseiro. A burguesia, apesar de todas as suas diferenças internas, constitui uma única classe social, e é ilusão supor que no atual estágio de globalização do capitalismo uma de suas frações possa se aliar com a classe trabalhadora contra outras frações e contra o imperialismo. Não se encontram, em qualquer país latino-americano, indicadores concretos de um apoio firme de setores burgueses expressivos, com base social concreta, a um projeto político progressista. O que se verifica, sim, especialmente no Brasil e na Argentina, é a atitude de muitos empresários em aproveitar as oportunidades de negócios abertas pelas políticas neodesenvolvimentistas, sem se comprometer estrategicamente com o destino dessas experiências. Enquanto os lucros estavam garantidos, as classes dominantes aceitaram, em alguma medida, a gestão do Estado por atores políticos ligados aos setores populares, enquanto aguardavam pelo melhor momento para virar o jogo.

E essa hora chegou. A burguesia, empoderada pelo contexto de mal-estar econômico a partir de 2010 e também pelas nossas próprias falhas, em particular pela incapacidade de construir uma hegemonia popular no campo das ideias e pela dependência em relação a lideranças personalistas, sujeitas a limites humanos de todos os tipos, entendeu que este é o momento de saltar na nossa jugular. Enfrentamos agora, na defensiva, um inimigo poderoso, sem que tenhamos condições de escolher o terreno dessa disputa, nem as armas, nem o momento. Dessas batalhas, no Brasil, na Venezuela, na Bolívia pós-referendo, na Argentina pós-2015, da nossa capacidade de resistir, de preservar as nossas conquistas, de corrigir nossos erros e de preservar nossa unidade, depende o futuro da América Latina nas próximas décadas.


* Igor Fuser é professor da Universidade Federal do ABC e militante da organização Consulta Popular

Foto de capa: Arquivo/Agência Brasil

No artigo

Comentários