A propina de São Paulo vai para o “santo”

Em documentos apreendidos pela Lava Jato de um executivo da Odebrecht, que sugerem a formação de cartel em obra do governador Geraldo Alckmin (PSDB) em 2002, uma anotação indica o pagamento de propina ao “santo”; governo de SP não vai se pronunciar Por Redação*...

878 0

Em documentos apreendidos pela Lava Jato de um executivo da Odebrecht, que sugerem a formação de cartel em obra do governador Geraldo Alckmin (PSDB) em 2002, uma anotação indica o pagamento de propina ao “santo”; governo de SP não vai se pronunciar

Por Redação*

alll

Na mais nova fase da operação Lava Jato, a “Acarajé”, foram apreendidos pela Polícia Federal documentos que estavam em posse de Benedicto Barbosa da Silva Jr, executivo da Odebrecht. Nos papéis, que para a PF sugerem a formação de um cartel na obra de duplicação da rodovia Mogi-Dutra (SP), em 2002 , há uma anotação que indicaria o pagamento de propina.

Depois de uma menção à “acomodação de mercado” para incluir empreiteiras que perderam a licitação da obra, há a indicação de 5% do valor do contrato para o “santo” – o que, para os investigadores, é o pagamento de propina.

O documento especifica ainda detalhadamente qual seria o valor da suposta propina. Logo abaixo do nome da estrada, há o “valor da obra: R$68.730.000,00” e, logo depois, “custos c/ santo: R$3.436.500,00”.

Na época, a licitação da obra administrada pelo governo do estado (Geraldo Alckmin – PSDB) foi vencida pela construtora Queiroz Galvão por um valor menor do que o que constava nas anotações da Odebrecht: R$68.678.651,60.

Por meio de nota, a assessoria do governador Geraldo Alckmin informou que não se pronunciará sobre o caso e que “quem tem que se pronunciar sobre as anotações é quem as fez”. Além disso, informou que os documentos foram enviados para a Corregedoria Geral da Administração para análise.

*Com informações da Folha de S. Paulo

 

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.



No artigo

Comentários