Manifesto do Cinema e Audiovisual pela Democracia já reúne mais de 2 mil assinaturas

Luis Carlos Barreto, Anna Muylaert, Pablo Villaça, Wagner Moura, Leticia Sabatella e Matheus Natchergale estão entre os milhares de cineastas, roteiristas, atores, críticos e profissionais da área no Brasil e no exterior que se posicionam contra o impeachment da presidenta Dilma. “Como construtores...

4348 0

Luis Carlos Barreto, Anna Muylaert, Pablo Villaça, Wagner Moura, Leticia Sabatella e Matheus Natchergale estão entre os milhares de cineastas, roteiristas, atores, críticos e profissionais da área no Brasil e no exterior que se posicionam contra o impeachment da presidenta Dilma. “Como construtores de narrativas, estamos atentos à manipulação de notícias e irresponsável divulgação de escutas ilegais pelos concessionários das redes de comunicação”, diz trecho do manifesto. Leia

Por Redação

audiovisual

Lançado na última quarta-feira (23), o manifesto “Cinema e Audiovisual pela Democracia” atingiu, neste sábado (26), a marca de mais de 2 mil assinaturas.

Produzido de forma coletiva, com reuniões em diversas cidades brasileiras, o manifesto é um posicionamento de cineastas, roteiristas, atores, produtores, distribuidores, críticos, professores e todos os profissionais da área contra o impeachment da presidenta Dilma Rousseff.

“Nos manifestamos para defender a democracia ameaçada pela tentativa de impeachment da Presidenta Dilma Rousseff. Entendemos que nossa jovem democracia, duramente reconquistada após a ditadura militar, é o maior patrimônio de nossa sociedade. Sem ela, não teríamos obtido os avanços sociais, econômicos e culturais das últimas décadas”, diz trecho do texto, que foi assinado por nomes de destaque do setor, como os produtores Luis Carlos Barreto e Sara Silveira, os cineastas Orlando Senna, Jorge Furtado e Anna Muylaert, os críticos Jean-Claude Bernadet e Pablo Villaça ou ainda atores como Wagner Moura, Gregorio Duvivier, Leticia Sabatella, Matheus Natchergale e Dira Paes.

De acordo com a cineasta Dandara Ferreira, que contribuiu com a elaboração do manifesto – diferentemente do que foi noticiado pela Folha de S. Paulo, de que ela que teria “encabeçado” a ideia -, o documento foi produzido por dezenas de profissionais de todo o país e as assinaturas já chegaram às  27 unidades federativas e até mesmo a outros países, como Alemanha, França, Itália, Reino Unido e Estados Unidos.

No texto, os profissionais do cinema e do audiovisual criticam a falta de base jurídica no processo de impeachment, a arbitrariedade de setores da Justiça e expressaram “indignação diante de meios de comunicação que fomentam o açodamento ideológico e criminalizam a política”.

“Como construtores de narrativas, estamos atentos à manipulação de notícias e irresponsável divulgação de escutas ilegais pelos concessionários das redes de comunicação. Televisões, revistas e jornais, formadores de opinião, criaram uma obra distorcida, colaborando para aumentar a crise que o país atravessa, insuflando a sociedade e alimentando a ideia do impeachment com o objetivo de devolver o poder a seus aliados’, escreveram.

Confira abaixo a íntegra do manifesto.

MANIFESTO: Cinema e Audiovisual pela Democracia

Nós, cineastas, roteiristas, atores, produtores, distribuidores, críticos, professores, pesquisadores e técnicos do audiovisual brasileiro, nos manifestamos para defender a democracia ameaçada pela tentativa de impeachment da Presidenta Dilma Rousseff. Entendemos que nossa jovem democracia, duramente reconquistada após a ditadura militar, é o maior patrimônio de nossa sociedade. Sem ela, não teríamos obtido os avanços sociais, econômicos e culturais das últimas décadas. Sem ela, não haveria liberdade para expressarmos nossas distintas convicções, pensamentos e ideologias. Sem ela, não poderíamos denunciar o muito que falta para o país ser uma nação socialmente mais justa. Por isso, nos colocamos em alerta diante do grave momento que ora atravessamos, pois só a democracia plena garante a liberdade sem a qual nenhum povo pode se desenvolver e construir um mundo melhor.
Como nutrimos diferentes preferências políticas ou partidárias, o que nos une aqui é a defesa da democracia e da legalidade, que deve ser igual para todos. Somos frontalmente contra qualquer forma de corrupção e aplaudimos o esforço para eliminar práticas corruptas em todos os níveis das relações profissionais, empresariais e pessoais.
Nesse sentido, denunciamos aqui o risco iminente da interrupção da ordem democrática pela imposição de um impeachment sem base jurídica e provas concretas, levado a cabo por um Congresso contaminado por políticos comprovadamente corruptos ou sob forte suspeição, a começar pelo presidente da casa, o deputado federal Eduardo Cunha.
Manifestamos a nossa indignação diante das arbitrariedades promovidas por setores da Justiça, dos quais espera-se equilíbrio e apartidarismo. Da mesma forma, expressamos indignação diante de meios de comunicação que fomentam o açodamento ideológico e criminalizam a política. Estas atitudes colocam em xeque a convivência, o respeito à diferença e a paz social.
Repudiamos a deturpação das funções do Ministério Público, com a violação sistemática de garantias individuais, prisões preventivas, conduções coercitivas, delações premiadas forçadas, grampos e vazamentos de conversas íntimas, reconhecidas como ilegais por membros do próprio STF. Repudiamos a contaminação da justiça pela política, quando esta desequilibra sua balança a favor de partidos ou interesses de classes ou grupos sociais.
Nos posicionamos firmemente a favor do estado de direito e do respeito à Constituição Brasileira de 1988. Somos contrários à irracionalidade, ao ódio de classe e à intolerância.
Como construtores de narrativas, estamos atentos à manipulação de notícias e irresponsável divulgação de escutas ilegais pelos concessionários das redes de comunicação.
Televisões, revistas e jornais, formadores de opinião, criaram uma obra distorcida, colaborando para aumentar a crise que o país atravessa, insuflando a sociedade e alimentando a ideia do impeachment com o objetivo de devolver o poder a seus aliados. Tal agenda envolve desqualificar as empresas nacionais estratégicas, entre as quais se insere a emergente indústria do audiovisual.
Por todos esses motivos, nos sentimos no dever de denunciar essa enganosa narrativa e de alertar nossos pares do audiovisual em outros países sobre este assombroso momento que vivemos.
Usaremos todos os instrumentos legais à nossa disposição para impedir um retrocesso em nossa frágil democracia.

Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora e receba em seu endereço!



No artigo

Comentários