Artista holandês diz que pato da Fiesp símbolo do impeachment é plágio de uma obra sua

Rubber duck, de Florentjn Hofman, foi exposto na capital paulista em 2008; empresa que produziu ambos patos diz que a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo entregou uma foto do trabalho do holandês como referência

1355 0

Rubber duck, de Florentjn Hofman, foi exposto na capital paulista em 2008; empresa que produziu ambos patos diz que a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo entregou uma foto do trabalho do holandês como referência

Da Redação

pato_plágio_fiesp

O pato escolhido pela Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) como símbolo da campanha que a entidade protagoniza em favor do impeachment pode ser um plágio. Pelo menos essa é a acusação feita pelo artista holandês Florentjn Hofman, em entrevista concedida à BBC Brasil.

Ele é o autor de Rubber duck, obra exposta em São Paulo e em outras cidades do mundo em 2008. A equipe do artista afirmou que a Fiesp transformou o projeto artístico original em uma “paródia política” e que o uso do desenho é “ilegal” e “infringe direitos autorais”. “Se você estudar e entender esta obra, verá que é feita para ser um projeto não político. É isso que enfatizamos e esperamos que você perceba que eles mataram o espírito da obra”, disse Hofman ao serviço brasileiro da estatal britânica.

Uma fábrica em Guarulhos reconheceu ter produzido tanto o pato de Hofman como o da Fiesp e admitiu que a entidade usou uma foto da obra do holandês como referência. Ainda assim, seu proprietário garante que o símbolo usado pela Fiesp para defender o impeachment é um projeto novo.

A Fiesp negou, à BBC Brasil, as acusações de plágio e afirmou que a inspiração para os patos foram “patinhos de banheira”, sem confirmar se enviou ou não o projeto holandês como referência

Com informações da BBC Brasil

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.



No artigo

Comentários