Com candidatura na Câmara, Erundina coloca PT contra a parede nesta quarta-feira

Deputada do PSOL lança única candidatura da esquerda para a presidência da Câmara dos Deputados e transfere as preocupações para o PT, que até o momento cogitou apoiar um candidato do DEM ou do...

6306 1

Deputada do PSOL lança única candidatura da esquerda para a presidência da Câmara dos Deputados e transfere as preocupações para o PT, que até o momento cogitou apoiar um candidato do DEM ou do PMDB

Por Victor Labaki

A deputada Federal Luiza Erundina (PSOL-SP) oficializou sua candidatura para a Presidência da Câmara dos Deputados durante a tarde desta segunda-feira (11). Em uma eleição com mais dez candidatos oficiais, a deputada de 81 anos é a única que foge do tom geral e traz um discurso novo para o comando da Casa.

Com a sua inscrição no pleito, Erundina também pode aproveitar o momento ruim que o Partido dos Trabalhadores está vivendo na Câmara para angariar apoio e, quem sabe, conseguir uma vitória inédita para o PSOL, mesmo que seja para um “mandato-tampão” de sete meses.

O PT está com dificuldades de recompor a força que já teve na Câmara dos Deputados. A legenda não lançou candidato para a eleição desta quarta-feira (13) e chegou a cogitar apoiar o deputado Rodrigo Maia (RJ), do partido Democratas, que votou a favor do processo de impeachment contra a presidenta eleita Dilma Rousseff.

Somente um rumor de um possível apoio gerou um conflito até mesmo dentro do partido. A senadora Gleisi Hofmann (PT-PR) publicou um vídeo no seu Facebook para se posicionar publicamente contra a orientação de voto em Rodrigo Maia.

“Não estou acompanhando de perto as movimentações e articulações sobre a sucessão na Câmara dos Deputados, mas eu não consigo entender e muito menos concordar com o apoio da nossa bancada, dos partidos de esquerda, a uma candidatura do Democratas”, disse.

Gleisi entende que está na hora do PT reafirmar sua identidade e fazer uma composição da esquerda. “Mostrarmos que o que está acontecendo no nosso pais é muito ruim para a democracia, para o Estado Democrático de Direito e para a conquista dos trabalhadores”, completou.

Quem também criticou um eventual apoio do PT ao DEM foi o ex-governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro. Ele escreveu uma carta aberta aos deputados da corrente Mensagem ao Partido pedindo para que eles ponham fim na aliança com golpistas e que adotem um “isolamento digno”, fortalecendo candidaturas de esquerda.

Em uma reunião no fim da tarde desta segunda-feira (11) o PT deliberou que não vai apoiar candidatos que tenham votado a favor do impeachment de Dilma. Segundo a Folha de S.Paulo, o deputado José Guimarães (PT-CE) diz que um dos nomes cogitados é o do ex-ministro da Saúde Marcelo Castro (PMDB), contrário ao impeachment de Dilma. Porém a eleição é amanhã e há pouco tempo para uma articulação com toda a Câmara.

Jean Wyllys (RJ), deputado do PSOL, também publicou um vídeo sobre o lançamento da candidatura de Erundina. Na tarde desta segunda, uma imagem com a mensagem “Jean Wyllys para a presidente da Câmara” começou a circular nas redes sociais e foi replicado por diversas pessoas e veículos de esquerda. Jean agradeceu ao apoio, mas fez questão de dizer que o partido optou pela candidatura de Erundina por ela ser mulher e que a deputada representa integralmente suas propostas.

Erundina frisa que a Câmara dos Deputados nunca foi comandada por uma mulher. “Há mais de 150 anos do Poder Legislativo, nunca uma mulher presidiu esta Casa”, disse a deputada durante uma entrevista coletiva.

Um fato que pesa contra Erundina é que ela também é pré-candidata à Prefeitura de São Paulo nas eleições de outubro deste ano. Suas propostas de campanha para a Câmara dos Deputados são a Reforma Política, Reforma Tributária e uma política econômica diferente do ajuste fiscal em curso. Erundina também cita as minorias, principalmente as mulheres, e a defesa dos direitos humanos como um dos eixos principais de um possível mandato.

Foto: Antonio Augusto / Câmara dos Deputados









Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.





No artigo

Comentários

1 comment

  1. Geraldo Galvão Responder

    Parece que tem muito tempo. Mas foi apenas dois anos atrás: A Erundina coordenou a campanha do PSB (Osmarina), partido que tinha guinado da Centro Esquerda, para a Direita na tentativa de derrotar o PT e Dilma. No segundo turno se aliaram ao Aécio Neves. A Erundina que havia embarcado na aventura da candidatura do Eduardo Campos, defendeu neutralidade no segundo turno, como se não houvesse explicitamente uma candidatura de esquerda, e uma da direita.