Depois do golpe, o fim das aposentadorias

“Em tempos de crise econômica, é dever do governo estar ao lado da população e não contra ela”. Confira o novo artigo de Alencar Santana Braga  Por Alencar Santana Braga*...

686 0

“Em tempos de crise econômica, é dever do governo estar ao lado da população e não contra ela”. Confira o novo artigo de Alencar Santana Braga 

Por Alencar Santana Braga*

Conta da desoneração vai ser paga por aposentados e trabalhadores? (Antonio Cruz/ABr)

O último dia 15 de março ficará marcado como mais um dia de protestos e paralisações por todo o país.

Em São Paulo, maior cidade brasileira, além de diversas categorias terem aderido ao dia de luta, como metroviários, rodoviários e professores, cerca de 200 mil pessoas caminharam de diversos pontos da cidade até a Avenida Paulista, onde ocorreu grande ato unificado.

A pauta: todos contra a proposta do governo de alterar as regras da previdência pública.

Tais mudanças, em nosso entendimento, bem como no entendimento de economistas, juristas e outros técnicos, pode representar o fim do direito à aposentadoria para milhões de brasileiros e brasileiras, especialmente aos mais jovens e aos mais pobres.

Dentre outros pontos, a proposta que pode ser aprovada pelo Congresso pretende aumentar para 65 anos a idade mínima para aposentadoria e exigir 49 anos, ininterruptos, de trabalho formal e de contribuição para se receber o benefício integral.

Tal medida, prejudicaria a maior parte do povo, deixaria muitos e muitas sem expectativa de se aposentar um dia e atingiria diretamente os jovens que, com a recessão e as altas taxas de desemprego, demoram muito para entrar no mercado formal e correm o risco de não conseguirem chegar vivos aos 49 anos propostos.

Ainda, a tal “reforma da previdência” considera que homens e mulheres devem trabalhar formalmente até a mesma idade, desconsiderando ser o Brasil um país de cultura patriarcal, onde o peso da dupla – ou até tripla – jornada das mulheres não pode ser ignorado.

Também, se aprovada, prejudicaria categorias como a dos professores dos ensinos público e privado e servidores das três esferas e acabaria com a aposentadoria dos pequenos agricultores e camponeses.

Por isso, o povo foi às ruas para dizer a essa “reforma”, que significaria o fim do direito à justa aposentadoria.

Em tempos de crise econômica, é dever do governo estar ao lado da população e não contra ela.

Em tempos de crise, o governo precisa criar formas de gerar emprego, ampliar a renda e não permitir retrocessos.

Em tempos de crise, para garantir seu custeio e o equilíbrio das contas, o governo precisa saber optar em onerar os mais ricos, as elites financeiras, e poupar os mais pobres e o povo trabalhador.

*Alencar Santana Braga é Deputado Estadual (PT-SP)

Os artigos desta seção não refletem necessariamente a opinião da Fórum. Participe, envie seu artigo para redacao@revistaforum.com.br (escreva Fórum Debate no assunto da mensagem).

 


Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum e recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum, recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa e ganha 1 caneca personalizada da Fórum após 6 meses.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum, recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa, ganha 1 caneca personalizada da Fórum após 6 meses e 1 camiseta personalizada após 1 ano.





Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.





No artigo

Comentários