Federação dos agentes da PF critica postura de delegado da “Carne Fraca”

A Fenapef (Federação Nacional dos Policiais Federais) criticou nesta segunda-feira 20, em nota, a postura dos agentes da corporação na Operação Carne Fraca, especialmente Maurício Moscardi Grillo, que coordenou a operação; o presidente da entidade, Luís Bourdens, defendeu o que chamou de “atuação irrepreensível”...

962 0

A Fenapef (Federação Nacional dos Policiais Federais) criticou nesta segunda-feira 20, em nota, a postura dos agentes da corporação na Operação Carne Fraca, especialmente Maurício Moscardi Grillo, que coordenou a operação; o presidente da entidade, Luís Bourdens, defendeu o que chamou de “atuação irrepreensível” dos policiais

Por Brasil 247

A Fenapef (Federação Nacional dos Policiais Federais) criticou nesta segunda-feira 20, em nota, a postura dos agentes da corporação no âmbito da Operação Carne Fraca, deflagrada na sexta-feira 17.

O presidente da entidade, Luís Bourdens, defendeu o que chamou de “atuação irrepreensível” dos policiais. Ele destaca que os agentes que trabalham nas investigações não participam nem da divulgação nem da comunicação após o fim das operações — “prática, muitas vezes, com caráter somente midiático, que vem sendo adotada apenas pelos delegados federais”.

“Maurício Moscardi, por exemplo, não tem a menor condição de ser apresentado como coordenador de qualquer operação. Seu tempo na PF por si só já justifica sua inexperiência para tratar de assuntos delicados como o eventual abalo econômico advindo de uma grande operação como a Carne Fraca”, observa.

Ele defendeu a importância da operação no combate à corrupção, mas ponderou que “o trabalho técnico investigativo não pode ser maculado por eventual interpretação dissociada da verdade dos fatos”.









Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.





No artigo

Comentários