Dezenas de derrotados do PPS nas últimas eleições ganham cargos no MinC

Roberto Freire garantiu empregos para seus correligionários em assessorias e secretarias estratégicas do Ministério da Cultura, muitos sem qualquer experiência no setor Por Maíra Streit, de Brasília...

1100 0

Roberto Freire garantiu empregos para seus correligionários em assessorias e secretarias estratégicas do Ministério da Cultura, muitos sem qualquer experiência no setor

Por Maíra Streit, de Brasília

Ferrenho crítico do que chama de “aparelhamento” do Estado pelos governos petistas, o atual ministro da Cultura, Roberto Freire, garantiu emprego na pasta para dezenas de candidatos de seu partido, o PPS, derrotados nas últimas eleições.

Seus correligionários ocupam assessorias e secretarias estratégicas do MinC, muitos sem qualquer experiência ou familiaridade com o setor em que atuam. Os conterrâneos também não foram esquecidos, já que boa parte da equipe vem do estado de Pernambuco.

Curiosamente, em 2016, Freire chegou a defender a extinção do Ministério. Em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, no final do ano passado, ele admitiu ter sido o autor da proposta, com o objetivo de “economizar” recursos do governo federal.

No entanto, após a polêmica saída de seu antecessor, Marcelo Calero, foi convocado a assumir o comando da pasta e fez dela uma oportunidade de garantir o lobby político baseado em troca de cargos e favores.

Fábio Sato foi um dos beneficiados (confira lista abaixo). Derrotado na disputa a prefeito de Presidente Prudente (SP) em 2016 pelo PPS, ganhou o cargo de assessor na Secretaria Executiva. O secretário de Articulação e Desenvolvimento Institucional, Adão Cândido, por sua vez, concorreu a vice-governador do Distrito Federal pela legenda, sem sucesso.

Também do PPS, Raimundo Benoni Franco perdeu na corrida pela prefeitura de Salinas (MG), no ano passado. Como consolo, recebeu o título de secretário de Infraestrutura Cultural no Minc comandado por Freire, que se licenciou como presidente nacional do partido para se tornar ministro.

Assim como Franco, o ator Stepan Nercessian foi mais um caso. Após perder no pleito de 2014 para deputado federal, tornou-se o novo presidente da Fundação Nacional de Artes (Funarte). Além desses exemplos, existem vários tanto na sede em Brasília quanto nos escritórios regionais.

Implosão

Pressionado pela opinião pública, o governo de Michel Temer cedeu depois de duas semanas de extinção oficial do MinC. Embora a pasta tenha sido mantida em funcionamento, algumas atitudes mostram que a estratégia do peemedebista é ruir a estrutura internamente.

Prova disso é o boicote a programas da gestão anterior, como o Cultura Viva, responsável por pontos de cultura em todo o território brasileiro, assegurando a democratização do acesso à arte, inclusive, em comunidades indígenas, quilombolas, ribeirinhas e assentamentos rurais. A tentativa de criminalização da Lei Rouanet é outra estratégia bastante utilizada para desqualificar as iniciativas em vigor até então.

O aparelhamento do Ministério tem provocado a paralisia de muitas atividades, uma vez que, entre os indicados, há um grande número que não apresenta qualquer proximidade com a área cultural e é acusada de utilizar o posto como trampolim para novas investidas eleitorais.

Em relação à distribuição de cargos a filiados ao PPS, a assessoria de imprensa do órgão foi procurada pela Fórum e enviou uma nota assinada por Freire que alega que a escolha dos nomes para a equipe “se dá por critérios republicanos”. “Nossa preocupação é com a competência, a experiência, a idoneidade e a conduta ilibada dos funcionários que aqui atuam”, dizia o comunicado.

“Feito o registro a título de esclarecimento, é evidente que não faria o menor sentido a presença de aliados de um governo que sofreu impeachment ocupando cargos de confiança, postos de direção ou definindo as políticas públicas do ministério da nova gestão”, prosseguiu.

Confira abaixo a lista de alguns dos nomes ligados ao PPS que ocupam cargos no Ministério da Cultura.

Alberto Aggio – Assessor Especial do Ministro
Dirigente nacional do Partido Popular Socialista (PPS). Em 2012, chegou a se candidatar a vereador na cidade de Franca (SP), não conseguindo êxito nas urnas.

João Artur de Almeida Pinheiro – Chefe de Gabinete Substituto
Membro do Diretório Regional do PPS no Distrito Federal. Tuca Pinheiro, como é conhecido, era assessor de Roberto Freire na gestão como deputado federal por São Paulo.

João Batista de Andrade – Secretário Executivo
Concorreu ao cargo de vice-prefeito de São Paulo em 2008 ao lado de Soninha Francine, mas não foi eleito.

Fábio César Sato – Assessor na Secretaria Executiva
Candidato derrotado à prefeitura de Presidente Prudente (SP) em 2016.

Adão Cândido – Secretário de Articulação e Desenvolvimento Institucional
Pleiteou o cargo de vice-governador do Distrito Federal nas eleições de 2014.

Débora Albuquerque – Secretária da Cidadania e da Diversidade Cultural
Concorreu a vereadora de Jaboatão dos Guararapes (PE) em 2016, mas não conseguiu se eleger.

Cristiano Vasconcelos da Silva – Chefe de Gabinete
Coordenador da Juventude do PPS em Pernambuco

Aníbal Henrique de Oliveira Macedo – Coordenador-Geral de Acessibilidade e Inclusão
Disputou o cargo de vereador na cidade de Belo Horizonte (MG) em 2016.

Renata Carvalho – Coordenadora-Geral de Cultura e Educação
Atuou como advogada do PPS nas eleições de 2012 e 2014 em Pernambuco.

Raimundo Benoni Franco – Secretário de Infraestrutura Cultural
Perdeu na disputa pela prefeitura de Salinas (MG) em 2016.

Fátima Nieto Soares – Coordenadora Geral na Secretaria de Economia Criativa
Assessora jurídica do PPS em São Paulo

Fabiano Caldeira – Chefe da Assessoria de Comunicação (ASCOM)
Especialista em marketing político filiado ao PPS

José Haddad – Chefe da Representação Regional do MinC no Rio de Janeiro
Presidente do PPS de Niterói (RJ).

Haifa Madi – Chefe da Representação Regional do MinC em São Paulo
Em 2016, foi candidata ao cargo de prefeita de Guarujá (SP). Ficou em segundo lugar.

Maria do Céu – Chefe da Representação Regional do MinC no Nordeste
Tentou o cargo de vereadora de Recife (PE) em 2016.

Stepan Nercessian – Presidente da Funarte
Concorreu à vaga de deputado federal pelo PPS do Rio de Janeiro em 2014, mas perdeu a disputa.

Foto: Lula Marques / AGPT


Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum e recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum, recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa e ganha 1 caneca personalizada da Fórum após 6 meses.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum, recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa, ganha 1 caneca personalizada da Fórum após 6 meses e 1 camiseta personalizada após 1 ano.





Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.





No artigo

Comentários