Professor branco diz que obra de Carolina Maria de Jesus não é literatura e provoca embate no RJ

Em homenagem à escritora Carolina Maria de Jesus, tida como uma das maiores referências da literatura negra e periférica, professor disse que ela não faz literatura. Sua obra, “Quarto de Despejo”, é leitura obrigatória para o vestibular da Unicamp Por Redação...

123 0

Em homenagem à escritora Carolina Maria de Jesus, tida como uma das maiores referências da literatura negra e periférica, professor disse que ela não faz literatura. Sua obra, “Quarto de Despejo”, é leitura obrigatória para o vestibular da Unicamp

Por Redação

A Academia Carioca de Letras promoveu, na última segunda-feira (17), uma homenagem a Carolina Maria de Jesus, ex-catadora, moradora de favela, que na década de 60 ficou conhecida mundialmente ao lançar o livro “Quarto de despejo”.

O que era para ser uma homenagem, no entanto, tomou contornos de embate por conta da fala do aclamado professor de literatura Ivan Cavalcanti Proença, que disse que a obra de Carolina não pode ser considerada literatura.

Em sua fala, Proença argumenta que a obra de Carolina Maria de Jesus tinha mais características de um diário e que, o diário que não é ficcional, não carrega literatura. “É o relato natural e espontâneo de uma pessoa que não tinha condições de existir por completo”, afirmou. Ele ainda completou: “Ouvi de muitos intelectuais paulistas: ‘Se essa mulher escreve, qualquer um pode escrever'”.

Na homenagem, estava presente a poeta negra Elisa Lucinda, que protestou.

“Desculpe, Ivan, mas é literatura sim! Eu não gosto de música sertaneja, mas não posso dizer que não é música”, afirmou, usando ainda trechos da obra de Carolina para comprovar a literatura presente em suas palavras. “Diga ao povo brasileiro que eu queria ser escritora, mas não tinha dinheiro para comprar um editor” e “Quem inventou a fome são os que comem” foram os trechos citados.

Carolina Maria de Jesus é tida como uma das maiores referências da literatura negra e periférica do país. “Ela é a mais necessária e visceral flor do lodo”, escreveu, sobre Carolina, Carlos Drummond de Andrade. Quem também enxergava literatura na ex-catadora era Clarice Lispector, que foi ao lançamento de seu livro. Para Clarice, Carolina escrevia “de verdade”.

No início deste mês a Unicamp anunciou que “Quarto de despejo”, de Carolina Maria de Jesus, será leitura obrigatória no vestibular de 2018.

 

 


Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum e recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum, recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa e ganha 1 caneca personalizada da Fórum após 6 meses.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum, recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa, ganha 1 caneca personalizada da Fórum após 6 meses e 1 camiseta personalizada após 1 ano.





Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.





No artigo

Comentários