Apesar da melhora na economia, iranianos ainda sonham com liberdade e democracia

Entenda o contexto irianiano às vésperas das eleições que definirão o próximo presidente do pais mais populoso do Oriente Médio Por Vinicius Sartorato*, colaborador da Rede Fórum...

151 0

Entenda o contexto irianiano às vésperas das eleições que definirão o próximo presidente do pais mais populoso do Oriente Médio

Por Vinicius Sartorato*, colaborador da Rede Fórum

Com aproximadamente 82 milhões de habitantes, o Irã é o país mais populoso do Oriente-Médio. Terceira maior economia da região, potência energética, tem uma característica mista, com planejamento centralizado e forte presença estatal em áreas como petróleo, gás, mineração, agricultura e manufaturados.

País rico desde a perspectiva histórica – herdeiro do Antigo Império Persa – é o Estado que guarda uma das civilizações mais antigas do mundo, com registros datados em 7000 anos antes de Cristo. Com a queda da monarquia e a consolidação da Revolução Islâmica (1979), o país teve uma guinada política profunda que permanece até os dias atuais.

De monarquia a teocracia autoritária, recentemente, chegou a ser classificado como membro do “Eixo do Mal” e, no governo Obama, firmou um acordo sobre o Programa Nuclear do país, que reduziu as sanções econômicas internacionais que sofria.

Agora, o Irã prepara-se para mais uma eleição presidencial. Agendada para próxima sexta-feira (19), o pleito tem 4 candidatos na reta final, sendo o atual presidente, Hassan Rouhani, candidato à reeleição. Franco favorito nas pesquisas, com aproximadamente 50% das intenções de voto, Rouhani adotou um tom mais conciliador em sua gestão, bem­ diferentemente de seu antecessor, Mahmoud Ahmadinejad (2005-13).

Apesar de também ser um partidário da Revolução Islâmica, o atual presidente é representante do Partido Moderação e Desenvolvimento, que tem uma linha pragmática e de centro-direita – moderada para os termos iranianos.

A aproximação com o ocidente restabeleceu relações com os norte-americanos, britânicos e iraquianos, fatos que levaram a distensão das relações e até sua entrada na lista das 100 personalidades mais influentes do mundo (Revista Time). Entretanto, as relações ainda permanecem tensas com os sauditas, israelenses e turcos.

No plano nacional, a retomada do crescimento positivo acima dos 4% desde 2014 foi decisiva para manutenção de sua popularidade, tal como as ações voltadas para aspectos democráticos e acesso à informação. Fatos que o levou a conquistar o apoio de minorias como os curdos, setores pró-democracia, o conhecido movimento verde, moderados laicos e socialistas, influenciados pelas idéias do 1º ministro deposto por britânicos e norte-americanos em 1953, Mohammad Mossadegh.

O principal concorrente de Rouhani está à sua direita e chama-se Ebrahim Raisi, um clérigo islâmico conservador, doutor em Lei Islâmica, com longa carreira no meio jurídico e político. Raisi lançou sua campanha tendo como eixos principais o discurso de “mudança na administração do país”, bem como “combate à pobreza e corrupção”. Raisi conta com o apoio do prefeito de Tehran, Mohammad Ghalibaf.

O Irã é considerado uma teocracia autoritária (The Economist); está entre os países mais corruptos do mundo (Transparência Internacional) e é ainda um dos países mais criticados pela Anistia Internacional e o Observatório dos Direitos Humanos por cometer graves abusos sobre temas como liberdade de expressão, direitos das mulheres, direito sindical, além de praticar censura sistemática e ser um dos países que mais pratica a pena de morte no mundo.

Em resumo, dentro dos limites da Revolução Islâmica, Rouhani representa certa esperança popular contra o fanatismo religioso e político, entretanto seus críticos argumentam que apesar de seus discursos progressistas, poucas mudanças foram efetivadas.

*Vinicius Sartorato é Sociólogo, Mestre em Políticas de Trabalho e Globalização (Universidade de Kassel, Alemanha)









Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.





No artigo

Comentários