Ações de empresas brasileiras desabam na Bolsa de NY

Após delação de Joesley Batista, presidente da JBS, sobre Michel Temer ter concordado com pagamento de propina ao ex-deputado Eduardo Cunha, mercado tem grande baixa

93 0

Após delação de Joesley Batista, presidente da JBS, sobre Michel Temer ter concordado com pagamento de propina ao ex-deputado Eduardo Cunha, mercado tem grande baixa

Da Redação

As ações de empresas brasileiras despencaram nesta manhã de quinta-feira (18), após a gravação de Temer dando aval para o silêncio de Eduardo Cunha.

Economistas estão prevendo impacto muito negativo. “O país é jogado em um caos político, que impacta diretamente nas ADRs e na bolsa. Uma queda de quase 11% foi produzida em poucos minutos”, analisa Alexandre Wolwacz, da empresa de mercado financeiro L&S.

Segundo informações do Valor, “ADRs lastreados em Petrobras ON recuavam por volta de 21h30 (de Brasília) 11,08%, na liderança da lista de perdas. Os recibos com lastro em Ambev ON recuavam 10,11%, Itau Unibanco ON perdiam 7,42%, Gerdau ON tinham baixa de 7,21, Vale ON apresentavam queda de 7,14%, Banco Santander Brasil Unit caíam 4,98% e Embraer ON declinavam 4,97%”.

Analistas chegam a falar em Circuit Breaker, quando as negociações são paralisadas. É um mecanismo previsto no Ibovespa, quando há quedas superiores a 10%.

O Banco Central divulgou nota onde diz que está monitorando o impacto da delação da JBS e que “atuará para manter a plena funcionalidade dos mercados”.

Foto: Rafael Neddermeyer









Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.





No artigo

Comentários