Diretas Já para o povo decidir qual Brasil ele quer

“Mesmo sem aceitar renunciar ao cargo, Temer tem que cair, pois não há mais condições políticas de se sustentar. O golpe começa a ruir”. Leia o novo artigo de Alencar Santana  Por Alencar Santana...

133 0

“Mesmo sem aceitar renunciar ao cargo, Temer tem que cair, pois não há mais condições políticas de se sustentar. O golpe começa a ruir”. Leia o novo artigo de Alencar Santana 

Por Alencar Santana Braga*

O país precisa de uma saída para toda essa crise política e está claro que essa saída é eleição. É Diretas Já.

É direito do povo ter o poder de decisão sobre o futuro e de escolha a respeito de quem deve estar à frente do país nos próximos anos e de qual programa de Governo deve ser implementado, seja no campo da economia, seja no campo social. O povo tem direito de se manifestar e dizer, pelo poder do voto, se concorda ou não concorda com as reformas e a extinção de direitos.

Por isso, não podemos de forma alguma admitir a continuidade do golpe através da escolha indireta, feita por um congresso corrupto, sem moral e sem apoio popular, com sua grande maioria envolvida em diversas irregularidades e investigada por denúncias de corrupção.

Mesmo sem aceitar renunciar ao cargo, Temer tem que cair, pois não há mais condições políticas de se sustentar. O golpe começa a ruir.

Cabe somente ao povo, e não aos banqueiros e à globo e cia, dizer se quer ou não a reforma da previdência, se quer ou não a reforma trabalhista e qual o projeto de desenvolvimento e inclusão social, educação, emprego, renda e saúde ele deseja.

Para isso, devemos fazer o grande debate eleitoral justo, aberto, de forma livre e democrática, para escolhermos quem deve ocupar a Presidência da República e, garantindo o direito de escolha da população, garantir que os derrotados respeitem o resultado do voto popular.

Defendemos eleições diretas, pois sabemos da necessidade de um novo pacto social e popular.

O povo não votou nessas reformas, não votou na terceirização e nem na PEC que condena toda uma geração de jovens e destrói as políticas sociais do Brasil. O povo não votou pelo desemprego.

O Brasil precisa voltar a caminhar, voltar a crescer e fazer justiça social, para os brasileiros e as brasileiras poderem novamente sonhar como sonharam há alguns anos, durante os governos do Presidente Lula, onde puderam experimentar crescimento com distribuição de riqueza e inclusão, de combate à fome e à miséria. Avançando no ponto de vista educacional, cultural e estrutural.

Queremos mais oportunidade e mais emprego, um Brasil justo, para todas e para todos.

Queremos que o Brasil tenha mais obras importantes como foi a transposição do Rio São Francisco.

Queremos ter de volta projetos fundamentais para os estudantes, como o Ciências sem Fronteiras, Prouni e Fies com muito mais abrangência.

Queremos novamente moradias para os pobres, como foi durante os bons tempos do Minha Casa minha Vida.

Queremos novamente o Brasil de uma Petrobrás forte e de uma política internacional independente e que não seja submissa aos Estados Unidos e ao Mercado Financeiro, um Brasil de cabeça erguida.

Nós não queremos esse Brasil de Temer ou de uma eleição indireta feita por esse Congresso.

E só há uma maneira de conseguirmos isso: com eleições diretas para colocar no comando do país alguém que não atue para as grandes corporações, mas sim em defesa do povo.

Fora Temer. Eleições diretas já.

*Alencar Santana Braga é Deputado Estadual e Líder do PT na Alesp









Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.





No artigo

Comentários