Leandro Seawright: Sugestão de carta de renúncia para Temer

Após a crise instalada com a delação do presidente da JBS, Joesley Batista, colunista da Fórum ajuda o presidente e divulga uma sugestão de carta, veja a seguir.

145 0

Após a crise instalada com a delação do presidente da JBS, Joesley Batista, colunista da Fórum ajuda o presidente e divulga uma sugestão de carta, veja a seguir.

Por Leandro Seawright*

Sugestão de Carta de Renúncia (em caso de sinceridade, preencha, imprima e assine). Modelo simplificado.

Brasília, dia 18 de maio de 2017 (8h01 da manhã).

Eu, Michel Miguel Elias Temer Lulia, brasileiro, casado, advogado, professor universitário, portador do CPF número _____________________ do da cédula de identidade número ________________ e, até aqui, “presidente provisório” do Brasil, residente e domiciliado no Palácio do Jaburu, venho por meio desta renunciar à Presidência da República Federativa do Brasil pelas razões abaixo elencadas:

a) Cheguei ao poder por meio de uma “ruptura” da “ordem democrática” brasileira (afinal, fui eleito para ser vice-presidente e para apoiar integralmente a ex-presidente da República – sem articulações ardilosas ou armações) e, por meio de uma “estratégia golpista” –, de bastidores –, envolvendo parlamentares de baixíssima reputação, envolvi-me com o evangélico e presidiário Eduardo Cunha, entre outros.

b) Fui favorecido pela elite brasileira, e, portanto, beneficiado por meio de “acordos escusos”, não revelados; lances de bastidores. Tenho uma dívida maior com os representantes do capital do que a minha possibilidade de pagá-la; mas, pagá-la-ei. Não pensarei em crise, trabalharei sempre;

c) Detesto a “classe trabalhadora” (tenho horror a pobre, a sindicatos e a mulheres que não sejam “belas”, “recatas” e do “lar”), pois ela tem privilégios em demasia: férias, 13º salário, horário de almoço de uma hora (que absurdo!..), entre tantos outros; não obstante, querem se aposentar (que afronta!); sou favorável às “modernizações” para as quais “o país não está inteiramente preparado”, tais como o avanço intensificado do “neoliberalismo econômico” e a supressão de direitos conquistados na década de 1940. Preciso honrar os patrões de todos, os grandes empreendedores e o capital internacional (além de ver se as contas do supermercado estão em dia);

d) Não tenho mais do que 9% da aprovação popular (para ser otimista) e jamais venceria uma eleição presidencial – até porque não tenho condições de competir;

e) Eduardo Cunha e suas “hostes” sabem (quase) tudo de mim…;

f) Abdico de outras justificativas (são tantas…), para recordar-me de ontem, dia 17 de maio de 2017: sem alternativas, o Globo (gente do bem como eu…), vazou certos “escandalozinhos” (coisa “pequena” do dono da JBS). Fiquei sem condições mínimas para governar e parece que não tenho autoridade moral para conduzir o país;

g) Contratei uma babá (vocês sabem como…);

h) Tem tanta coisa para falar (entre patos, CBF’s, “frotas” e “vampirismo governista” – nem cabe no papel), mas, se me lembrar, falá-las-ei posteriormente.

 Atenciosamente,

Com gratidão pelas orações recebidas,

_____________________________________

Michel Miguel Elias Temer Lulia

 

* Leandro Seawright é historiador e professor universitário. Pós-doutorando e doutor em História Social pela FFLCH/USP. Foi pesquisador da Comissão Nacional da Verdade  (CNV). É autor de diversos artigos acadêmicos e livros, entre eles “Ritos da Oralidade: a tradição messiânica de protestantes no Regime Militar Brasileiro”.

 

(Foto: Marcos Corrêa/PR)









Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.





No artigo

Comentários