Mulheres que escrevem: uma conversa entre escritoras

A literatura, assim como diversos outros espaços, continua majoritariamente masculina. Por isso, o que elas escrevem continua sendo visto como literatura de nicho, algo que interessa somente a mulheres, ou simplesmente uma literatura de menos valor. A escrita feita...

A literatura, assim como diversos outros espaços, continua majoritariamente masculina. Por isso, o que elas escrevem continua sendo visto como literatura de nicho, algo que interessa somente a mulheres, ou simplesmente uma literatura de menos valor. A escrita feita por mulheres não forma uma voz uníssona, somos humanas, justamente por isso, somos diversas. No entanto, a maioria de nós tem um problema em comum: lidar com o machismo e a insegurança que nos envolve por termos sempre que provar nosso valor.

O projeto “Mulheres que escrevem” é uma conversa entre escritoras e mulheres que ainda não se nomeiam assim sobre essa insegurança, sobre processo criativo e o ato de escrever. Começou numa newsletter e hoje também está no Medium, Facebook e até mesmo em eventos presenciais. Por ser colaborativo e por trazer textos que possibilitam uma identificação, ele tem motivado mulheres a se sentirem mais confortáveis a se assumirem como escritoras. Conversei com as criadoras, Taís Bravo e Natasha R. Silva, sobre a origem do projeto e sua continuidade.

Arte: Beatriz Leite

Como surgiu a ideia da newsletter “Mulheres que escrevem”? O que motivou vocês a criarem?

Costumamos dizer que a ideia veio de uma dinâmica que já acontecia na vida real. As angústias e as dúvidas que vêm com o processo de se reconhecer como escritora ficaram registradas nas mesas de bar, mensagens de Whatsapp e nas nossas caixas de e-mail. Com o tempo, observamos que essas inseguranças, inicialmente tratadas como confidências entre amigas, fazem parte de um problema muito maior.

Então, veio a ideia da newsletter. Queríamos envolver mais mulheres nesse processo de compartilhar as angústias e as vitórias, principalmente porque vemos nessa troca uma maneira de não desistir de escrever. O objetivo é esse: apoiar outras mulheres que escrevem, enfrentando assim as desigualdades de gênero e a falta de representatividade feminina que nos afeta diariamente.

Hoje vocês estão também no Medium, tem página no facebook, no twitter e tem encontros presenciais, mas a newsletter segue sendo o “carro-chefe” do projeto, né? Por que vocês escolheram essa ferramenta?

Como duas amigas de longa data, que agora vivem um relacionamento a distância, trocamos muitas mensagens. Às vezes a angústia ou a inspiração são intensas e demandam mais espaço, então, escrevemos emails. Entre as burocracias, compromissos e promoções de nossas caixas de entrada, abrimos espaço para afeto e vontade. Quando resolvemos envolver outras mulheres nessa troca, pareceu uma escolha natural escolher o formato intimista de uma newsletter. Assim, em setembro de 2015, criamos a Mulheres que Escrevem, uma newsletter semanal e colaborativa, feita por muitas mulheres além de nós. Atualmente, também fazemos uso de outras plataformas e formatos em nosso projeto. Contudo, a newsletter ainda é nosso carro-chefe, porque é um espaço mais acolhedor e seguro para conversamos francamente sobre os desafios de nosso trabalho enquanto escritoras.

Como aconteceu a expansão para os encontros presenciais? Como faz para participar? O que são esses encontros?

A decisão de fazer os encontros foi uma evolução natural do projeto. Quando decidimos começar a newsletter e depois passamos para a página no Facebook, tínhamos a certeza de que o objetivo principal do projeto sempre teria que ser construir um espaço de confiança e troca para mulheres, o que, obviamente, também era um lugar confortável para nós mesmas.

A realidade superou os nossos planos e fomos recebidas com um engajamento tão bom nesses espaços que decidimos investir ainda mais nessa iniciativa. Depois de muitos sonhos e alguns ensaios, decidimos que era a hora de nossas conversas ultrapassarem os limites virtuais, então criamos os encontros.

O modelo é simples: convidamos escritoras para conversar sobre diferentes temas relacionados ao processo de criação e nos encontramos em um lugar para, basicamente, trocar ideias e estímulos. A única coisa que pedimos é que as pessoas interessadas preencham um formulário. Isso nos permite conhecer um pouco mais o trabalho e os projetos de outras mulheres e planejar melhor cada encontro.

O projeto construiu um espaço que motiva mulheres que escrevem se definirem como escritoras, se sentirem mais confiantes com seus trabalhos e confortáveis em escrever publicamente. Vocês, como idealizadoras, também sentem mais confiantes nesse aspecto depois de mais de um ano de projeto?

Natasha: Com certeza. Não vou dizer que superei todas as questões com relação a quem sou como escritora porque também não se trata de ter encontrado uma solução milagrosa. Isso não existe. Mas a Mulheres que Escrevem nasceu para ser um espaço de escuta e respeito… E funciona. Como mulheres, nos acostumamos a não ter espaço para levantar a voz, a ser silenciadas diariamente de uma maneira ou de outra. Ser ouvida é libertador e acredito que contribui para fortalecer a identidade de qualquer mulher como escritora.

Taís: Sim! Sendo muito sincera, às vezes parece que a insegurança faz parte do trabalho de ser escritora. Há muitas dúvidas e questões ao longo dessa trajetória profissional. É difícil não se questionar em um mercado tão difícil que sempre desvaloriza esse tipo de ofício. Além disso, autocrítica, em alguma medida, é saúdavel e importante para nos manter em movimento criativamente. Desde que criamos a Mulheres que Escrevem me sinto mais confiante para lidar com essas inseguranças, porque me sinto cercada por companheiras e interlocutoras que me apoiam durante esse processo. Acho que agora consigo reconhecer que as dificuldades fazem parte e me sentir confortável para lidar com elas com mais calma, gentileza e fôlego.

Vocês tem planos de expandir ainda mais?

Sim. Nosso maior objetivo é ser uma iniciativa que promove a partir de curadorias, publicações, oficinas e debates novas possibilidades de produção cultural e literária.

Como temos muitos planos para o futuro, também temos mais gente se juntando ao projeto. Há pouco outras duas escritoras se juntaram a nossa equipe: Estela Rosa e Laura Pires. Com elas, pretendemos potencializar a nossa página do Medium e oferecer mais eventos, sejam eles encontros, oficinas ou debates. Estamos planejando muita coisa para 2017. Tudo isso sem deixar de lado a newsletter, claro, que sem dúvidas só irá melhorar a partir disso.

Por Thaís Campolina


Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum e recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum, recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa e ganha 1 caneca personalizada da Fórum após 6 meses.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum, recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa, ganha 1 caneca personalizada da Fórum após 6 meses e 1 camiseta personalizada após 1 ano.





Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.




Join the Conversation