#AtivismodeSofáResponde: e a reforma da previdência?

Por Kel Campos e Thaís Campolina. Há duas reformas em trâmite no Congresso Nacional que, se aprovadas, afetarão em cheio a todos, especialmente a classe trabalhadora. Junto com a já aprovada “PEC do Teto”, a reforma trabalhista e da Previdência Social representam um pacote de...

Por Kel Campos e Thaís Campolina.

Há duas reformas em trâmite no Congresso Nacional que, se aprovadas, afetarão em cheio a todos, especialmente a classe trabalhadora. Junto com a já aprovada “PEC do Teto”, a reforma trabalhista e da Previdência Social representam um pacote de austeridade. O texto focará em comentar alguns pontos da reforma da previdência.

O que é previdência? O que é seguridade social?
A Previdência Social é um seguro público que busca garantir uma renda para o trabalhador em momentos em que ele não se encontra com capacidade para trabalhar (de forma permanente ou não) por causa de doença, invalidez, idade avançada, morte e gravidez. Cabe lembrar, a previdência é um direito social e um dos componentes da Seguridade Social. A Seguridade Social compreende ações do Estado e da sociedade com objetivo de assegurar os direitos à saúde, assistência social e previdência social. Lembrando que a saúde é um direito de todos, independente de contribuição, a assistência social é um direito para quem dela necessitar e a previdência social tem caráter contributivo e natureza obrigatória.

Quais as principais mudanças que a reforma da previdência trará, se aprovada?
O que mais se destaca na proposta é que, a partir dela, o tempo mínimo de contribuição será de 25 anos, só que para conseguir a aposentadoria integral, será necessário 49 anos contribuindo nos casos que não envolvam incapacidade real (aposentadoria por invalidez) e a idade mínima para se aposentar será de 65 anos e igual entre homens e mulheres. Haverá também o fim das aposentadorias diferenciadas dos trabalhadores rurais e professores, o que ocasionará, por exemplo, que trabalhadores rurais tenham que trabalhar a mesma quantidade de tempo que os trabalhadores urbanos para poder se aposentar, o que ignora que o trabalhador rural se desgasta mais e que as condições de trabalho no campo são bem diferentes das presentes na cidade.

O que quer dizer isso de poder se aposentar aos 65, mas ter que ter 49 anos de tempo mínimo para conseguir a aposentadoria integral?

A regra prevista permite que você se aposente aos 65 anos, desde que você tenha 25 anos de contribuição, só que se você fizer isso, você receberá 76% da soma chamada salário de benefício. Para você receber 100%, você terá que ter 49 anos de tempo de contribuição. Nesse ponto, é preciso destacar que projeto prevê ainda que a idade pode variar de acordo com as tábuas de sobrevida elaboradas pelo IBGE. Ou seja, em algum momento pode ser exigida a idade de 66, 67, 68 anos…

Quais grupos de pessoas seriam os principais afetados caso a reforma da previdência aconteça?

Com a igualação de idade mínima entre homens e mulheres, as mulheres serão as mais afetadas caso a Reforma da Previdência seja aprovada, já que o tempo diferenciado era uma forma de tentar compensar as desigualdades no mercado de trabalho e a dupla/tripla jornada que são problemas decorrentes do machismo que nos afeta. Entre elas, as mais prejudicadas serão as mulheres negras e pobres, já que as desigualdades no mercado de trabalho que as afetam são ainda mais intensas por envolver poucas oportunidades e no caso das negras, racismo. Além delas, destaca-se também a população rural e os professores por causa da equiparação proposta, os homens negros, que também sofrem desigualdades no mercado de trabalho por causa do racismo e a população mais pobre num todo que não conseguirá pagar por uma previdência privada.

É preciso ressaltar que se a reforma trabalhista também for aprovada, os vínculos trabalhistas se tornarão ainda mais fáceis de serem desfeitos, o que piorará a situação para todos, especialmente para os grupos mais vulneráveis já citados.

Como a reforma afetaria as mulheres?

Igualar os requisitos mínimos para se aposentar entre homens e mulheres ignora que ainda hoje o trabalho doméstico e o cuidado dos filhos é visto como uma responsabilidade feminina, o que faz com que a maioria das mulheres trabalhe fora e em casa. As estatísticas apontam que a mulher soma 26,6 horas de trabalho em casa, em comparação às 10,5 horas de trabalho desempenhado pelo homem. É mais que o dobro. Além disso, mesmo após a aposentadoria, elas continuam com essas responsabilidades, o que, na prática, significa que elas continuam a trabalhar, enquanto os homens realmente param.

O problema vai além da dupla/tripla jornada, já que mulheres são maioria no trabalho informal, sofrem discriminação por poderem engravidar/ter filhos, tem maior dificuldade de se reinserirem no mercado de trabalho e de quebra, ainda há a disparidade salarial e a dificuldade de obter promoções. No Brasil, mulheres brancas recebem menos que homens brancos e as mulheres negras recebem menos que homens, brancos e negros, e mulheres brancas.

As consequências das mulheres serem maioria no trabalho informal e terem tamanha dificuldade de se reinserirem no mercado de trabalho formal é que para elas atingirem os 49 anos para a aposentadoria integral será ainda mais difícil, já que esses pontos dificultam que elas continuem contribuindo de forma ininterrupta.

Destaca-se também que a equiparação das aposentadorias de professores e trabalhadores rurais com os demais afeta também as mulheres, já que elas também trabalham no campo e são a maioria do corpo docente não universitário. Na educação básica, elas representam 80% dos professores.

Outra questão que atinge muitas mulheres é a pensão por morte. Mulheres recebem menos, tem maior dificuldade de contribuir de forma ininterrupta e de provar que trabalharam o tempo previsto por serem maioria do mercado informal, sendo assim, para muitas a aposentadoria não se tornará realidade e dependerão da pensão por morte, caso tenham direito. Tal qual a Lei Orgânica da Previdência Social, da década de 50, a reforma propõe que volte a ter uma cota fixa (de 50%) e cotas variáveis (10%) de acordo com o número de dependentes. Nunca ultrapassando a soma de 100%. E, pasmem, o valor poderá ser inferior ao salário mínimo e além disso, o projeto prevê a vedação do acúmulo da pensão por morte com a aposentadoria, podendo a pessoa escolher pelo mais vantajoso.

Ainda dentro da Seguridade Social, mas fora do âmbito da Previdência Social, é preciso destacar que muitas mulheres dependerão do Benefício de Prestação Continuada. Esse pagamento é assistencial, não tem 13º salário, é personalíssimo (não gera direito à pensão por morte dos dependentes). Contudo, a idade mínima para a concessão do benefício ao idoso é de 65 anos hoje. A proposta é passar para os 70 anos. E com pagamento inferior ao salário mínimo. Essa mudança com certeza diminuirá a qualidade de vida de todos os idosos, mas a escolha de destacá-lo na parte do que afeta mulheres se deu porque são elas que geralmente tem mais dificuldade de comprovar os requisitos para se aposentar e recebem menos, o que torna o benefício ainda mais necessário para elas. Além disso, elas tem maior expectativa de vida.

Ainda faz sentido a idade mínima prevista para mulheres se aposentarem ser menor do que dos homens?

As regras da Previdência Social devem ser pensadas de acordo com a realidade que ainda é desfavorável às mulheres. Conforme foi destacado na questão anterior, mulheres ainda são responsáveis pelo trabalho doméstico e cuidado dos filhos, além de sofrer com disparidade salarial, trabalhos informais, discriminação e dificuldade de reinserção no mercado de trabalho. Sendo assim, igualar agora é ignora as desigualdades ainda existentes, o que as acentua, já que não haverá nenhum paliativo para compensar as mulheres por trabalharem mais.

Antes de propor a equiparação, é preciso que as mudanças que a gente almeja tanto já estejam, ao menos, encaminhadas. Igualar só pode entrar em discussão quando houver creches públicas para todos, licença paternidade e licença maternidade mais avançadas e discussões sobre machismo em todos os espaços, incluindo a escola.

Por mais que Rodrigo Maia e outros deputados afirmem que a equiparação seria uma correção de uma distorção, vimos com a declaração de Temer no dia internacional da mulher que ele, assim como parte da sociedade, ainda vê o trabalho doméstico e o cuidado dos filhos como algo exclusivamente feminino. Só que a declaração dele ignorou completamente que essas tarefas consideradas femininas são trabalho e que mulheres trabalham além da casa. A visão de Temer, Rodrigo Maia e outros da mulher brasileira é machista, por isso a proposta da Reforma da Previdência ignora a divisão sexual do trabalho e a discriminação que sofremos no mercado.

Como a Reforma da Previdência afetaria o mercado de trabalho?

O mercado de trabalho já não absorve trabalhadores com idades mais avançadas. E sequer os mais jovens. Além dos prejuízos aos beneficiários estamos falando de um colapso de desemprego muito superior ao que vemos hoje. Pessoas buscarão trabalhar mais, mas não encontrarão empregos, o que tornará praticamente impossível se aposentar recebendo o valor integral. O que prejudica não só a pessoa em questão, mas muitas vezes toda uma família que depende da aposentadoria de seus entes mais velhos para manter o alimento na mesa, o estudo das crianças, tratamentos médicos e afins.

A equiparação da idade mínima do trabalhador rural com o urbano poderá afetar a permanência deles no campo. Afinal, a reforma não leva em conta as dificuldades específicas e o desgaste do trabalho que o trabalhador rural sofre, o que pode fazer com que eles busquem vir para as cidades. Se esse êxodo rural acontecer, a produção de alimentos será prejudicada, logo a economia num todo.

E a economia?

Se o mercado de trabalho será afetado, logo a economia também. Com um possível aumento da pobreza com a diminuição do valor dos benefícios previdenciários e o aumento do desemprego, o poder de compra da população vai diminuir. Além disso, é preciso destacar novamente que a Reforma da Previdência não veio sozinha, ela faz parte de um pacote de austeridade que envolve também a Reforma Trabalhista e a “Pec do Teto”, essa última já aprovada e análise deve levar em conta isso também.

Num país tão desigual, o dinheiro recebido por causa de benefícios previdenciários não só garantem a dignidade da pessoa humana, mas também apresentam um impacto na economia, especialmente de municípios pobres e pequenos. Como a aposentadoria integral se tornará quase impossível de ser conquistada, o valor do principal benefício previdenciário vai cair, o que afetará o poder de compra dos beneficiados e os pequenos negócios.

Essa reforma fortalece a previdência privada?

A Reforma Previdenciária proposta pode ser considerada um desmonte da previdência publica no Brasil, já que torna praticamente impossível se aposentar recebendo o valor integral do benefício. Esse desmonte fortalece a previdência privada, já que quem pode pagar vai buscá-la para tentar garantir uma renda a mais na hora de aposentar-se.

Observação final: Se a reforma for aprovada, essas regras valerão integralmente para homens com menos de 50 anos e mulheres com menos de 45 anos.


 

Fonte dos dados citados: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Censos do IBGE e números oficiais do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Kel Campos fez um vídeo em nossa página falando sobre a reforma, confira aqui.

Indicações de leitura:

“Reforma da Previdência prejudica mais as mulheres e beneficia bancos”

Acompanhe também a página Auditoria Cidadã da Dívida.

 

 









Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.




Comentários