#MulheresNoFutebol: a invisibilidade que ainda persiste

Texto por Francine Malessa, convidada especial. Abra uma janela de pesquisa na internet e digite “técnica da Seleção Brasileira”. Não se assuste, vai aparecer justamente a foto do Tite no lugar da Emily Lima e, sim, o Tite é o técnico da Seleção Brasileira –...

Texto por Francine Malessa, convidada especial.

Abra uma janela de pesquisa na internet e digite “técnica da Seleção Brasileira”. Não se assuste, vai aparecer justamente a foto do Tite no lugar da Emily Lima e, sim, o Tite é o técnico da Seleção Brasileira – Masculina. Enquanto isto, a técnica da Seleção Feminina aparece em terceiro lugar entre os resultados. Isto sem falar de alguns corretores que não reconhecem a palavra “treinadora”, sempre indicando a normativa masculina.

Agora faça outra experiência. Busque por “árbitra de futebol no Brasil”. Em primeiro lugar está a listagem de árbitros da CBF seguido por “Bandeirinha mais bonita do Brasil ganha destaque na mídia” e “7 árbitras e bandeirinhas que batem um bolão”. Mas não vamos ser pessimistas ou começar com “mimimi” e vamos tentar pesquisar por “torcedoras”. Além das imagens de mulheres vestidas com roupas sensuais, o termo “bela” domina nas chamadas dos resultados sugeridos. Já podemos declarar mais um “7×1” para as mulheres no futebol.

Provavelmente dois argumentos passaram pela cabeça de algumas pessoas como o “PageRank”, a medida de importância de uma página, e o clássico “mas elas aceitaram aparecer assim”. Desta forma é bom lembrar que o sistema é quem está errado e não elas. O mesmo sistema que não as reconhecem em uma pesquisa ou as enquadra em estereótipos. Ninguém tem culpa em se sujeitar a padrões já impostos pelos hábitos que nos enquadram desde que nascemos. E é justamente para reivindicar um espaço mais igualitário para as mulheres no futebol, sem as reduzirem à sua beleza como um simples bibelô na arquibancada ou nos gramados, que a ação #MulheresNoFutebol surgiu.

O objetivo da campanha é dar espaço para as mulheres que convivem neste universo ainda predominantemente masculino e que as coloca em um aspecto de invisibilidade compartilhar suas histórias. Não é mentira que hoje elas participam mais, mas a que custo? Sob quais condições? As mulheres estão nos estádios, mas ainda são alvo de comentários machistas. Elas estão na arbitragem, mas somente são reconhecidas pela sua beleza e não pela capacidade técnica. As atletas vivem em condições muitas vezes precárias devido à falta de incentivo dos clubes, até mesmo aquelas que vestem a camisa verde e amarela. Já as treinadoras não podem errar uma escalação (como a maioria dos treinadores faz), que serão julgadas e expurgadas da casamata. Comentaristas pouco se vê, e as jornalistas que cobrem o esporte precisam provar duas vezes o seu conhecimento e capacidade profissional, ou então consideram que estão ali apenas para se exibir. Mas é claro que nem só de aspectos negativos vivem as #MulheresNoFutebol. Há muitas histórias bonitas, de amor ao time, de resistência, de reconhecimento. E nós queremos saber de todas elas. Portanto, hoje é dia de visibilidade para, quem sabe, figurarmos entre os “melhores resultados para você”.

 

Leia também:

#MulheresNoFutebol: vamos ouvir o que elas tem a dizer?

#MulheresNoFutebol: uma história a ser contada.

Mulheres no futebol: Campanha na internet quer mostrar que mulher entende, e MUITO, do esporte.

 

 

 









Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.




Comentários

2 comments

  1. H.de F. Responder

    Olá! Fiz agora uma pesquisa no Google pelo meu nome completo, e para minha surpresa vi meu nome aparecer na seção de comentários de um post antigo de vocês, tratando de um desrespeito a mulheres. Parece que foi algo que minha ex postou, usando minha conta no Google, que deixei aberta. Desrespeito a mulheres é algo que me incomoda muito e que não gostaria de ver vinculado a meu nome. Seria possível remover meu nome da seção de comentários do post? Contato pelo e-mail indicado abaixo. Agradeço antecipadamente.

    1. redacao Responder

      Com tantos textos e duas hospedagens diferentes, é impossível que a gente encontre esse comentário. Se o comentário foi feito pelo seu perfil, você mesmo consegue apagá-lo.