Leia o artigo do escritor Fábio Mandingo sobre o livro #Paremdenosmatar!

*Por Fábio Mandingo Se nossas dores devem ser inventariadas, que sejam pela pena lúcida e elegante de Cidinha da Silva. Ponto....

*Por Fábio Mandingo

Se nossas dores devem ser inventariadas, que sejam pela pena lúcida e elegante de Cidinha da Silva. Ponto.

mandingo 1

No entanto, não vá despreparado ao encontro do mais recente livro da escritora mineira que, em outra brilhante coletânea de crônicas, apresenta desnuda a face mais doentia do Brasil: o racismo profundo. Um racismo tão enorme, que é capaz de abranger no prisma das suas perversidades, a homofobia, o machismo, o extermínio da juventude, o encarceramento em massa, o silenciamento, a estereotipia, o apagamento artístico, o linchamento virtual e físico, entre outras violências que no Brasil, têm o corpo preto como alvo principal.

É um livro que impacta no estômago, que congela a respiração, no qual comungamos dores indizíveis de pessoas reais, de carne e osso e espírito. A destreza estilística de Cidinha é exata como um bom jogo. Angoleira que é. Essa destreza que faz de sua escrita um verbo concreto, de sua lucidez um passo para a loucura.

A escritora Toni Morrison pondera, em seu livro Amor: “Às vezes o corte é tão fundo, que nenhuma história de sofrimento pode dar conta.”

Não seria esse então o caso, quando Cidinha questiona a comoção midiática seletiva internacional, que a um tempo mobiliza as lágrimas e redes sociais do mundo devido a um atentado terrorista na França, enquanto ignora solenemente os massivos assassinatos e seqüestros de jovens meninas nigerianas pelo grupo terrorista Boko Haram?

Não é a própria autora que, após se-nos indignar com a celebração festiva das chacinas do Cabula e do Morro da Lagartixa, grita no título da sua crônica “ Me deixa em paz! Eu não agüento mais!!” ? Qual então o sentido de estilizar tanta dor, quando a mesma escriba inicia uma outra crônica a respeito do assassinato do menino Herinaldo por um policial militar, afirmando que “ não tem forças para lamentar a morte de mais um menino da favela”, mais um entre os “incontáveis invisíveis” que diariamente são massacrados pela máquina de moer gente preta, conhecida como Brasil? Não. Não é o caso.

“…recontar não deixa esquecer e fazê-lo sem sensacionalismo evoca a desmesurada falta de valor marcada a ferro na existência de alguns seres humanos. Lembra que eles foram humanos, um dia. Não permite que sejam soterrados na vala comum dos negros para os quais se naturaliza a morte trágica.”

Se nossas dores devem ser inventariadas, que sejam pela pena lúcida e elegante de Cidinha da Silva. Ponto.

cid2Não é demais afirmar que Cidinha decifra a AméFrica proposta pela campeã preta Lélia Gonzalez.

“a decantada unidade latino-americana pouco ou nada inclui os negros, seja nas obras dos grandes pensadores de América Latina, seja na atuação de ativistas políticos que mostram-se sensíveis ao genocídio indígena nas Américas, mas são blindados quanto ao genocídio negro, de ontem e de hoje.”

Genocídio que nos arrasta no asfalto com Cláudia. Que nos esmaga a cara sob os coturnos da marinha do Brasil com Rosemeire e Edinei. E a conseqüente mudez, depressão, paranóia, rancor, brutalidade, se torna nossa parte integrante. Porque sobrevivemos. Sobrevivi e não vou me matar. Diz Cidinha da Silva.

Sua escrita que honra nossas dores, então, não nos percebe passivos. Aponta sobrevivências, como a dos que trabalham no chão dos carnavais de Salvador e Rio de Janeiro. Celebra a inteligência que desafia a sutileza da segregação moderna, quando dialoga com a sagacidade de um Chris Rock na apresentação do Oscar, obrigando uma platéia racista a rir da própria estupidez. Vislumbra nossas vitórias, quando festeja o desafio dos garis ao descaso do Estado do Rio de Janeiro, ou uma nova dramaturgia preta que desponta em cidades diversas, uma nova música que desafia padrões raciais e sexuais, um novo futebolista que desafia o ‘lugar do negro’ tão caro à casa-grande do futebol brasileiro.

Não nos percebe feios, pelo contrário. Cidinha se faz ritmista numa ode a Lupyta:

“Lupita sambará miudinho
Na cara da sociedade racista
Mais do que uma bela passista
Terá a elegância e a altivez de uma porta-bandeira
Será feita de água tão límpida essa guria
Que transcendente e generosa
Oferecerá mel
Aos que quiserem adoçar o mundo
A capa do mundo é nossa
Com a Lupita
Não há quem possa!”

E na lucidez que em tantos momentos apavora, busca a vida na poesia, fazendo ela mesma uma poesia em prosa:

“Voltei à poesia para continuar viva. Durante a leitura, o previsto aconteceu. A poesia de Lívia Natália sangrou fertilidade e me arrebatou. Arrebentou, também. E fiquei mais lenta. Atenta para reter o pó de ouro abrigado entre um verso e outro. Para não desmanchar a tipografia quando a água tomasse conta de tudo.”

Não se sai ileso das dores contidas em #Parem de Nos Matar. Porque são sofrimentos de carne e osso, com nome , sobrenome e endereço. De amigos, de vizinhos, de familiares que de alguma maneira foram linchados pelo Estado Brasileiro. Serão saudades eternas, serão dores constantes, serão vazios permanentes. E outra vez com as palavras de Lélia Gonzales, buscamos sentido pra essa humanidade que não se rende, para que entre tantas dores nossa poesia não se torne insignificante:

“…não se pode deixar de levar em conta a heróica resistência e a criatividade na luta contra a escravização, o extermínio, a exploração, a opressão e a humilhação. Justamente porque, enquanto descendentes de africanos, a herança africana sempre foi a grande fonte revificadora de nossas forças. Por isso tudo, enquanto amefricanos, temos nossas contribuições específicas ao mundo panafricano.”

É esse o sentido que se depreende, quando em muitos espaços e textos, Cidinha é apresentada como “nossa escritora”, ou “nossa cronista”.

Se nossas dores devem ser inventariadas, que sejam pela pena lúcida e elegante de Cidinha da Silva. Ponto.

*Fábio Mandingo é escritor. Autor de Salvador negro rancor, entre outros.


Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum e recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum, recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa e ganha 1 caneca personalizada da Fórum após 6 meses.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum, recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa, ganha 1 caneca personalizada da Fórum após 6 meses e 1 camiseta personalizada após 1 ano.





Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.



In this article

Join the Conversation