Lula no velório de Marisa Lula da Silva

Por Cidinha da Cidinha A política tradicional exige coisas para as quais não tenho estômago, por exemplo, não sei como Lula conseguiu receber “condolências” de Temer, o usurpador. Também as mensagens de pêsames de Aécio Neves, Renan Calheiros e José Serra, entre outros, enviadas a...

Por Cidinha da Cidinha

A política tradicional exige coisas para as quais não tenho estômago, por exemplo, não sei como Lula conseguiu receber “condolências” de Temer, o usurpador. Também as mensagens de pêsames de Aécio Neves, Renan Calheiros e José Serra, entre outros, enviadas a Lula e sua família para publicação. Porque essa é a ideia, mandar uma mensagem para ter o nome publicizado como alguém que se irmana nas dores humanas para além das disputas políticas. E a assessoria de Lula cumpre a etiqueta, publica os nomes. Não. Não tenho estômago.

marisa

Eu que não sou isentona, tenho lado e procuro me manter lúcida nas posições que tomo, não agiria como Lula no discurso que encerrou o velório da esposa.

Por simples questão de temperamento e falta de habilidade para a política tradicional, eu encerraria o tema logo. Não receberia os crápulas, os facínoras e seus representantes. Não aceitaria condolências como uma pessoa civilizada. Então, isso eliminaria a necessidade de voltar à guerra no momento prévio à cerimônia de cremação porque antes, não teria feito política ao receber os cumprimentos de Temer, o cínico. Ele que, obviamente, cumprimentou Lula de olhos baixos. Não poderia olhá-lo nos olhos, sob pena de cair morto, fulminado pela ira que o Presidente se obrigava a conter.

Existe uma guerra midiática em curso, uma guerra de construção de narrativas na disputa do país e Lula está imerso nela, talvez até chafurde nela, porque ele não tem um canal de televisão a seu serviço. Porque rema contra a corrente hegemônica da mídia completamente aparelhada pela direita e pelas elites para destruí-lo e a seu projeto de país. Porque Lula está em guerra mas precisa fazer política. Porque sabe a força que tem, mas por responsabilidade política não pode usá-la para incendiar a sociedade (precisa ratificar que é o Lulinha paz e amor) e, como é muito emotivo, como é forte, mas não é de ferro, às vezes escapa do lugar de refém que a própria política o colocou e dá nome aos bois.

Na guerra, quando não se pode atingir o grande alvo, os inimigos se acercam das pessoas próximas e as ameaçam, fragilizam, torturam, violentam com o simples objetivo de destabilizar o grande alvo, de caracterizar sua impotência frente aos ardis da máquina que quer destroçá-lo.

Convenhamos, isentões e isentonas de plantão, críticos fundamentados e críticos insanos de Lula, o vazamento de conversas de Marisa Lula da Silva com o filho, na qual falou palavrão; o sequestro do smartphone dos netos, a intimidação das crianças pela Polícia Federal; o clima de pânico e desamparo criado na casa dos filhos; a condução coercitiva de Lula para depor, tudo isso em contraponto ao tratamento dado a Eduardo Cunha e sua família, aos políticos do PSDB, a Temer, a Renan Calheiros, aos ministros e artífices do golpe parlamentar, dezenas de vezes delatados, faz todo sentido para um lado da história.

Isso tudo somado à morte misteriosa do Ministro do STF, arquivo-vivo das acusações ao PSDB, são motivos suficientes para fragilizar e agravar a situação de saúde de alguém (Marisa Lula da Silva) colocada no olho do furacão.

Convenhamos, senhores e senhoras, principalmente os que têm uma concepção mais holística da vida, o estado de exceção em que vivemos (vivemos num estado de exceção, certo?) atingiu em cheio a ex-primeira dama e agravou seu estado de saúde. E seu marido, o grande alvo, diretamente ferido, mortalmente ferido, tem o direito de, em algum momento de sua dor, dar nome aos abutres, vermes e hienas.

Foto: Ricardo Stuckert


Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum e recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum, recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa e ganha 1 caneca personalizada da Fórum após 6 meses.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum, recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa, ganha 1 caneca personalizada da Fórum após 6 meses e 1 camiseta personalizada após 1 ano.





Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.



In this article

Join the Conversation