A decisão de Waldir Maranhão

A decisão de Waldir Maranhão (PP-MA), que anulou várias sessões do julgamento do Impeachment na Câmara dos Deputados, foi motivada após o afastamento de Eduardo...

Presidente-Eduardo-Cunha-e-vice-presidente-Waldir-Maranhão

A decisão de Waldir Maranhão (PP-MA), que anulou várias sessões do julgamento do Impeachment na Câmara dos Deputados, foi motivada após o afastamento de Eduardo Cunha pelo Supremo Tribunal Federal.

Semana passada, aqui mesmo na Fórum, já alertei de que essa anulação seria possível, tendo em vista o duríssimo julgamento feito pelo Supremo Tribunal Federal ao afastar Eduardo Cunha.

Segundo relatos, Cunha deixou de apreciar um pedido feito pela Advocacia Geral da União – AGU, em defesa de Dilma Rousseff, o que foi atendido apenas agora por Maranhão, que substitui Eduardo Cunha.

Mesmo que o Senado dê continuidade à votação – como pede a oposição e parte da mídia – fica mais claro que todo o Processo tem pontos questionáveis juridicamente. Seja desde a ausência de crime de responsabilidade nos termos da Constituição Federal, seja agora ao se perceber que Eduardo Cunha não reunia condições de presidir um julgamento tão importante.

A sessão do fatídico dia 17 de abril passado, aliás, revelou-se um roteiro surreal, onde ficou patente a falta de sustentáculo jurídico ao julgamento político na Câmara dos Deputados. A decisão de Maranhão talvez recomponha um pouco esse processo, ao corrigir eventuais vícios.

Se não fosse trágico, seria cômico testemunhar aliados de Michel Temer falando que a decisão seria um “golpe”, justamente quando já contavam como certo o afastamento de Dilma na próxima quarta-feira.

Caso Renan Calheiros não decida dar continuidade ao julgamento no Senado antes de uma definição, a pressão recairá no Supremo e o seu “tempo” imprevisível.

Apenas uma coisa é certa: uma – aparentemente breve – pausa no Processo desnuda qualquer roupagem: para muita gente, democracia boa é aquela que atende aos seus (deles) interesses.

Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.




Join the Conversation