Considerações sobre a marvada

Redação
Por Redação janeiro 11, 2011 04:49

O que melhorou no Brasil nos últimos anos?

Não, não estou falando do governo Lula. É de bem antes, de mais ou menos 1970 para cá. E o que estou pensando mesmo são nas bebidas. Sem dúvida elas melhoraram muito no Brasil neste período. Inclusive a cachaça, que muita gente pensa que antes era melhor.

Naquele tempo, nos bares de São Paulo, a considerada melhor era a Velho Barreiro. Em Minas e em alambiques do interior paulista tinha cachaças melhores, mas elas nem chegavam aqui. Eu tinha em casa porque trazia de Minas.

Nos botecos daqui havia quase só beberagens como Tatuzinho, Rio Pedrense, por aí… Lembro-me que no inverno de 1979, quando o Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo estava no auge da agitação, eu ia lá fazer matéria para o jornal Em Tempo, e para rebater o frio tinha que tomar umas cachaças. E o que a gente tomava?

Eram essas já citadas. Quem tomava 51 era chamado de burguês pela turma do Lula… Veja só.

A cachaça era desprestigiada, considerada bebida de pobre. E com o preconceito existente, também bebida de negro. Pegava mal tomar cachaça, a não ser sob a forma de caipirinha. Até em cidades do Nordeste encontrei bares que tinham preconceito contra ela. Muitos deles não vendiam pinga pura.

Cito como exemplo a primeira vez que fui à Paraíba, em janeiro de 1978, com um bando de estudantes amigos.

Depois de uns dias no interior, fomos para João Pessoa. Nessa época, a cidade era bem menor e praticamente não havia prédios de apartamentos na orla.

Fomos a um bar em Tambaú, com amigos paraibanos, algumas pessoas pediram cerveja, outras pediram caipirinha e eu pedi cachaça e cerveja.

O garçom disse que não “trabalhavam” com cachaça.

— Uai… Pediram caipirinha e você disse que tem — protestei.

— Caipirinha é diferente — respondeu ele, na maior cara de pau.

Olhei sério pra ele e pedi:

— Então me traga uma caipirinha sem gelo, sem açúcar e sem limão.

Ele trouxe!

Comentários

Comentários

Redação
Por Redação janeiro 11, 2011 04:49
Escrever um comentário

10 Comentários

  1. Caco Bisol janeiro 11, 07:23

    Amigo não deveria ser o primeiro a comentar: parece que foi combinado.
    Mas fui conhecer um boa cachaça pela sua obra e graça nas madrugadas do Brasil Agora. Quase não trabalhei…
    Viva a (boa) cachaça.
    Aliás, vou comer uns mariscos na casca (mexilhão, para os não sulistas) acompanhados de uma Boazinha.Pode não ser a melhor, mas é boazinha.
    Um panelão, que acabamos de cozinhar.
    Grande abraço, guru.
    Caco, do Canto Grande, Bombinhas, SC/Brasil.

    Reply to this comment
    • Mouzar janeiro 13, 05:09

      Oi, Caco,
      Quem diria que eu teria saudade do Brasil Agora…
      E esse negócio de ficar em Bombinhas tomando cachaça com mexilhão é pra dar inveja?

      Reply to this comment
  2. Yara Achôa janeiro 11, 10:18

    Grande Mouzar! Texto brilhante. Parece que estou ouvindo você contar a história :)
    Beijo,
    Yara

    Reply to this comment
  3. Lurdinha janeiro 11, 16:48

    Velho Mouzar!
    Uma delícia ler seus causos!
    E de cachaça você tem muitos, né? Por puro exercício do jornalismo…
    Bração!
    Lurdinha.

    Reply to this comment
  4. Estela Cauri janeiro 12, 06:15

    Já vou providenciar a Rainha da Lavoura e a Palmelinha, ambas de Varginha, pra você. Dizem que são boas. Eu não sei ao certo porque só tomo como caipirinha. Sou burguesa, sô!

    Reply to this comment
  5. Heládio janeiro 12, 06:47

    Meu caro Mouzar

    Gostei.
    Taí meu amigo exercendo o melhor de seu métier jornalistico: contar causos e falar de cachaça.
    Grande abraço

    Heládio

    Reply to this comment
    • Mouzar janeiro 13, 05:15

      Heládio,
      Melhor do que contar causos por escrito e falar de cachaça é contar ao vivo, tomando umas, claro.

      Reply to this comment
Visualizar Comentários

Escrever um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.
Campos obrigatórios estão marcados com*

Buscar no blog

Fórum Semanal

Publicidade

Sobre o autor

Mouzar Benedito, mineiro de Nova Resende, é geógrafo, jornalista e também sócio fundador da Sociedade dos Observadores de Saci (Sosaci).

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade