Alzheimer, impeachment e outras sacanagens na praça Benedito Calixto

No final de dezembro, lancei o romance “Alzheimer, impeachment e outras sacanagens”, que tem como personagem central um velho de 80 anos, de esquerda, que tem alzheimer e tem crises quando lê ou ouve...

No final de dezembro, lancei o romance “Alzheimer, impeachment e outras sacanagens”, que tem como personagem central um velho de 80 anos, de esquerda, que tem alzheimer e tem crises quando lê ou ouve notícias do processo de impeachment de Dilma Rousseff. Ele tem duas cuidadoras, que chama de “acompanhantes”, para dar um tom mais safado. Ele só fala sacanagens para elas. E canta musiquinhas com letras safadas também.

Na mesma data, lancei uma nova edição do meu primeiro livro, “Santa Rita Velha Safada”, de causos.

Agora vou relançar os mesmos livros na feira da praça Benedito Calixto. Vai ser no próximo sábado, dia 20, a partir das 14h30.

Mas não será um evento só “meu”. Ignácio de Loyola Brandão, Paulo Nicolau e Cleuza Pinheiro também estarão lá. Apareçam.

Abaixo, segue o release feito pelo Edson, responsável pelo projeto “O Autor na Praça”, que completa 18 anos.

O Autor na Praça com Ignácio de Loyola Brandão, Mouzar Benedito e convidados.

 

No terceiro evento comemorativo dos 18 anos do projeto O Autor na Praça, no próximo sábado, dia 20, vamos receber dois escritores de muita importância na história do projeto: Ignácio de Loyola Brandão, assim como Plínio Marcos, também é considerado padrinho do projeto, ao participar do 1º aniversário em 2000 e Mouzar Benedito idealizador e um dos fundadores de O Autor na Praça, também contaremos com a participação de dois escritores convidados: Paulo Nicolau e Cleuza Pinheiro. Eles estarão no Espaço no Espaço Plínio Marcos (tenda na Feira de Artes da Praça Benedito Calixto, em Pinheiros – SP), com dedicatórias em seus livros: “Se For Pra Chorar Que Seja de Alegria” e “Solidão no fundo da agulha” (Ignácio de Loyola); “Alzheimer, Impeachment e outras sacanagens” e nova edição de “Santa Rita Velha Safada” (Mouzar Benedito); “Tietê se o rio pudesse falar: uma aventura do sapo Lelé pelo rio” (Cleuza Pinheiro); e “Salvem o Sagui” (Paulo Lima), haverá leituras e um bate papo informal. Participação especial do cartunista Paulo Stocker – também fundador do projeto – realizando caricaturas. Mais informações sobre os livros e os autores abaixo.

Serviço

O Autor na Praça com Ignácio de Loyola Brandão, Mouzar Benedito e convidados.

Dia 20 de maio, sábado, das 15h às 18h, no Espaço Plínio Marcos (Tenda na Feira de Artes, da Praça Benedito Calixto, em Pinheiros – SP) – Grátis (Evento em espaço aberto ao público)

Informações: Edson Lima – 3739 0208 / 95786 5577. Realização: Edson Lima & AAPBC Apoio: Max Design e O Cantinho Português (Barraca de comida portuguesa na Feira de Artes da Praça Benedito Calixto). Assessoria de Imprensa: Manu Vergamini.

Sobre Ignácio de Loyola Brandão – Nascido em Araraquara, interior de São Paulo, é um contista, romancista e jornalista brasileiro. Possui uma vasta produção literária, tendo sido traduzido para diversas línguas. Filho de um ferroviário, seu primeiro trabalho informal de jornalismo foi em uma crítica de cinema no jornal A Folha Ferroviária, em 1952, mas, desde pequeno, Loyola sonhava conquistar o mundo com sua literatura; se não, pelo menos voltar vitorioso para sua cidade natal. Sua carreira começou em 1965 com o lançamento de Depois do Sol, livro de contos no qual o autor já se mostrava um observador curioso da vida na cidade grande, bem como de seus personagens. Trabalhou como editor da Revista Planeta entre 1972 e 1976. Dono de um “realismo feroz”, segundo Antonio Candido, seu romance Zero foi publicado inicialmente em tradução italiana. Quando saiu no Brasil, em 1975, foi proibido pela censura, que só o liberou em 1979. Além do italiano esse livro foi traduzido para o alemão, coreano, espanhol, húngaro e inglês. Recebeu Prêmio da APCA – Associação Paulista dos Críticos de arte em 1975 e 1987. Em 2005, virou cronista do jornal “O Estado de S. Paulo”. Em 2008, o romance O Menino que Vendia Palavras, publicado pela editora Objetiva, ganhou o Prêmio Jabuti de melhor livro de ficção do ano. Em 2016 foi agraciado pela Academia Brasileira de Letras com o Prêmio Machado de Assis pelo conjunto de sua obra. (Wiki) Para celebrar os seus 80 anos, lançou em 2016 os livros “Se For Pra Chorar Que Seja de Alegria” e “Solidão no fundo da agulha”. Veja aqui trecho de “Desta terra não vai sobrar nada, a não ser o vento que sopra sobre ela”, romance inédito de Ignácio.

Sobre Mouzar Benedito – jornalista, nasceu em Nova Resende (MG) em 1946, o quinto entre dez filhos de um barbeiro. Trabalhou em vários jornais alternativos (Versus, Pasquim, Em Tempo, Movimento, Jornal dos Bairros – MG, Brasil Mulher). Estudou Geografia na USP e Jornalismo na Cásper Líbero, em São Paulo. É autor de muitos livros, dentre os quais destacamos “João do Rio, 45” (2009, Limiar Editora), “O anuário do Saci” (2009, Publisher Brasil), “O tropeiro que não era aranha nem caranguejo” (2008, com ilustrações de Bira Dantas, Limiar Editora), “1968, Por ai… Memórias Burlescas da Ditadura” (2008, Publisher Brasil), “Saci, o Guardião da Floresta” (2007, co-autoria com Ohi, Editora Salesianas), “Barão de Itararé” (2007, Expressão Popular), “Luiz Gama” (2006, Expressão Popular), “Ousar Lutar” (2000, em co-autoria com José Roberto Rezende, Boitempo Editorial) e “Pequena enciclopédia sanitária” (1996, Boitempo Editorial).

Sobre Paulo Nicolau – jornalista, tem mais de 25 anos de experiência em telejornalismo. Nicolau estudou jornalismo na PUCAMP, trabalhou na EPTV Campinas e foi diretor nacional de jornalismo do SBT. É vencedor do prêmio Esso, autor do livro “Telejornalismo na Prática” e conselheiro da ACI – Associação Campineira de Imprensa.

Sobre Cleuza Pinheiro – Escritora, autora do livro infantil “Tietê se o rio pudesse falar: uma aventura do sapo Lelé pelo rio”.