Quem virá a ser o Podemos ou o Syriza do Brasil? - Blog do Rovai

Quem virá a ser o Podemos ou o Syriza do Brasil?

A crise política e econômica que reorganizou a representação partidária na Espanha e na Grécia ainda não chegou ao Brasil, mas isso não quer dizer que não virá

podemos1

A crise política e econômica que reorganizou a representação partidária na Espanha e na Grécia ainda não chegou ao Brasil, mas isso não quer dizer que não virá. Há muitos elementos indicando que o ciclo PT x PSDB liderando frentes mais à esquerda e mais à direita, que se iniciou em 1994, está em crise. E que há espaço para novos partidos com projetos conectados às novas demandas de participação.

Na Espanha, essa renovação não veio apenas pela esquerda, com o Podemos, mas também mais à direita, com o Ciudadanos. Somados esses dois partidos tiveram quase 35% dos votos dos Espanhóis na recente eleição presidencial. O PP e o PSOE, que antes tinham mais de 80%, ficaram com 51%.

O Podemos, porém, foi a grande novidade. Teve 5,2 milhões de votos contra 5,5 milhões do PSOE, indicando que está prestes a tomar da mais que centenária sigla socialista, que foi fundada em 1879, a hegemonia no campo da esquerda.

E por que o Podemos conseguiu ir tão longe, como também o Syrisa na Grécia?

Fundamentalmente porque as siglas tradicionais de esquerda e centro-esquerda desses países se distanciaram de suas bases populares, optando por fazer política de forma tradicional e ignarando demandas de participação que tocam principalmente a juventude.

E o PT no Brasil está seguindo pelo mesmo caminho.

A presidenta Dilma, por exemplo, coloca como meta a idade mínima na previdência sem tomar o cuidado de conversar com a base sindical que lhe garantiu virar o jogo nas manifestações pró e contra o impeachment de dezembro.

A direção do PT por seu lado, ao invés de fazer um amplo debate sobre a crise que vive para construir novos rumos prefere alardear que tem recebido mais filiações nos últimos meses.

Lula, que ainda é disparado a maior liderança do país e que poderia dar uma virada de mesa para renovar o partido, não parece ter ânimo para fazê-lo. Prefere os profissionais de sempre a arriscar com gente que poderia tirar a sigla dos vícios que estão lhe desmoralizando em praça pública.

Neste cenário, há um estrada livre para que partidos como o PSoL e a Rede viessem a crescer. Ou ainda para que movimentos que estão se iniciando, como a Raíz, ocupassem mais espaços. Mas ao que parece esse crescimento irá acontecer, mas não ameaçará, nesta eleição, a hegemonia do PT no bloco político mais à esquerda.

Com exceção do Rio de Janeiro, onde se tornou um partido mais conectado a bases populares, principalmente de movimentos de juventude, o PSoL no resto do país ainda é muito burocratizado e refém de grupos de esquerda com baixa representação e um excesso de radicalidade pouco produtivo. Isso acaba impedindo que pessoas que gostariam de fazer parte de um novo projeto não enxerguem no PsoL um caminho. O PSOL está mais para a Esquerda Unida do que para o Podemos. E por isso tende a não ocupar espaços institucionais como o Podemos conseguiu na Espanha.

Já em relação a Rede, o buraco é mais em cima. Não é a base do partido que assusta alguns movimentos que hoje já estão descontentes com o PT, mas o excesso de personalismo de Marina, que até ouve muito, mas que, segundo seus próprios aliados, costuma decidir tudo sozinha.

Marina, aliás, tinha como seu grande interlocutor na última eleição o ex-deputado tucano Walter Feldmann. Hoje, Feldmann é secretário-geral da sacrossanta CBF. Marina ouvia muito mais ele do que aqueles que tinham sonhado com ela os primeiros caminhos desde sua saída do PT.

Ou seja, enquanto a Rede for mais Marina do que Rede, ela não será um caminho de muitos.

Quanto a Raíz, que tem na deputada Luíza Erundina e em Célio Turino seus principais mobilizadores e entusiastas, ainda é  cedo para dizer algo. A despeito de Erundina ser uma das pessoas mais queridas pelas bases de esquerda, para que um partido se consolide ele precisa mobilizar a juventude e ter forte base social. E a Raíz ainda não sinaliza essas potencialidades.

O PT ainda pode se renovar e voltar a reencantar?

É muito difícil, mas seria possível se viesse a entregar todas as suas direções aos movimentos. Ao invés de ser um partido de mandatos, voltar a ser um partido dirigido pelas bases.

Isso é algo quase impossível. Mas seria o único movimento que lhe daria um novo fôlego. Se sindicalistas, líderes de habitação, educação, de bases agrárias, de coletivos culturais e de jovens tivessem de fato poder em todas as instâncias.

E se os parlamentares, prefeitos, governadores e mesmo a presidenta tivessem de voltar a construir seus mandatos a partir das bases.  E se os mandatos dessa nova burocracia só pudessem ser renovados por uma única vez na direção, independente do cargo.

Isso poderia tirar o PT do estado atual, mas muito dificilmente virá a ocorrer.

E por esse motivo, há um espaço aberto para um novo projeto político no Brasil. Que pode vir a ser incorporado tanto pela Rede, quanto pelo PSOL, Raízes ou até vir a fazer parte da reinvenção do PT. Mas ao que tudo indica ainda está por ser gestado. E ocorrendo  pode incorporar muito de tudo o que já está por aí de novas ideias e novas formas de militância.

Este novo projeto para ser de fato popular terá de vir de baixo. Ser construído não em acordos institucionais, mas a partir de movimentos reais da sociedade.

Se isso vier a acontecer pela esquerda, certamente acontecerá também pela direita. Que hoje já tem novas caras que não fazem parte do baralho partidário vigente.

Ou seja, quem estiver apostando em um 2018 parecido com 2014 pode quebrar a cara. Ainda há muita água para rolar por debaixo da ponte das futuras disputas eleitorais.

In this article

Join the Conversation

9 comments

  1. Sérgio Ferreira Reply

    Enquanto isso a novidade syriza, com ampla maioria no congresso grego, capitula às exigências da banca e da UE
    Não tem a dignidade de entregar suas cadeiras, preferindo ser mais um partido muderninho a gerenciar a crise para os poderosos
    E o PODEMOS enfrentará agora a vida parlamentar minoritária (a não ser que em breve venham novas eleições que podem aumentar seus votos): vamos aguardar.
    A crise mundial é do parlamento, as populações percebem que deputados e presidentes não apitam nada, ainda que representem de fato a alguém.
    Alguém acredita que um partido, por mais muderninho que seja é capaz de alterar a realidade?

  2. ÉLIO Reply

    PSOL e REDE são franquias do PT,assim como outros
    parasitas.Como pode um país como BRASIL funcionar
    com 35 partidos politicos(que levam do Fundo Partida-
    rio 1 bilhão de reais,nosso dinherio suado),mais de 30
    ministerios,mais de 22mil cargos comissionados.
    Nunca seremos um país decente,enquanto não tivermos uma guinada de leme contundente,com fôrça
    e moral cívica,entenderam.
    LULA e FHC devem ser lembrados como ex-presiden-
    tes,e irem para seus sítios criar galinhas,e não dar en-
    trevistas e palpites,enchendo o saco dos brasileiros.

  3. Jorge Luiz Boemeke Reply

    Está sendo construída a UP – Unidade Popular
    pelo socialismo. O que vocês acham ?

  4. Laurindo Reply

    Uma vertente que o Raízes pode e deve buscar, tendo em vista a trajetória de sua líder, a Erundina, é o formado pelo pessoal das artes, como atores, diretores, compositores, alguns consagrados como Chico e Gil, além de políticos do estilo Cristovam Buarque, Chico Alencar e dezenas de outros com essa linha de atuação: coerência, honestidade e idealismo. Por quê? Porque ela, Erundina, tem o perfil adequado aos anseios dessas figuras.

  5. Maria Reply

    Qual a percentagem de negros? Qual a percentagem de negros nas câmaras, assembleias e congresso?
    Bem, a falta de negros nesses lugares ocorre porque os negros não se juntam em torno de candidatos poucos. Pulverizam os votos e os brancos ganham. (Obvio que têm Menos dinheiro e tempo que os brancos)
    Assim será a esquerda briguenta, que teria quantos milhões de votos no total? Muitos. Mas nao se une. E as possiveis candidaturas sao lamentaveis. (Nem falo do PT que é um partido grande e tem todas as possibilidades sozinho, mas possibilidade é uma cousa…)

  6. mineiro Reply

    eu fui simpatizante desse pt a vida inteira e confesso que tomei nojo desse partido. tudo por causa dessa eleiçao passada, que movimentos sociais e o povo de maneira geral ate correndo risco de vida , abraçou a eleiçao dessa salafraria maldita desse poste de pres. para receber em troca o leviano dos banqueiros e o assalto nos direitos trabalhista. para min esse partido ja era,depois dessa eleiçao eu vi que esse pt se tucanizou ate o ultimo fio de cabelo. eu tambem concordo com o texto , desse partido traidor nao sai mais nada , a tendencia de pt é virar mesmo de verdade os demonios tucanos. esse poste de pres. ta acabando com o resto do partido e ninguem ta vendo isso , desde o primeiro mandato dessa asquerosa traidora , ela ta destruindo o partido. so nao ve quem nao quer.

  7. mineiro Reply

    essa rede com a lacraia falante nao sai nada , essa mulher nao ta nem ai para ninguem. eu acredito mais nesse raiz , que nao sabia que existia ate agora. ate pode , mas se seguir o mesmo caminho do psol , ja era.

  8. duilio ribeiro tunes Reply

    O PSOL parece ser o partido mais comprometido com os movimentos sociais e não procura submeter os movimentos a burocracia partidária; pelo menos aparentemente apreendeu com a História e espero que não cometa os mesmos erros do PT.

  9. duilio ribeiro tunes Reply

    O PSOL é sem dúvida nenhuma o partido capaz de congregar as aspirações do movimento popular e com a vantagem de não criar uma burocracia inibidora dos movimentos legítimos tais como o MPL, MST, e etc..