O depoimento de Lula à PF na íntegra e em detalhes - Blog do Rovai

O depoimento de Lula à PF na íntegra e em detalhes

O arquivo do depoimento do ex-presidente Lula aos delegados da PF na sexta-feira (3/3) já está disponível e pode ser lido na integra aqui. Tem coisas engraçadas e outras bizarras, que demonstram o nível de perseguição política a que o ex-presidente tem sido...

O arquivo do depoimento do ex-presidente Lula aos delegados da PF na sexta-feira (3/3) já está disponível e pode ser lido na integra aqui.

Tem coisas engraçadas e outras bizarras, que demonstram o nível de perseguição política a que o ex-presidente tem sido submetido.

EX-PR LULA e JORNALISTAS 10

Destaco alguns trechos que dão o tom geral do interrogatório.

Vale a pena ler.

 

“Quem  tirou  tanta  gente  da  miséria  tem  direito  a  comer também”

Declarante:­ Se quiser continuar, pode continuar, eu sei falar de boca cheia.

Delegado da Polícia Federal:­ Não, não, eu só não quero atrapalhar o seu café.

Declarante:­ Na fábrica a gente trabalhava em horário corrido, você tinha tinha meia hora para comer, então era uma desgraça, você comia falando, então…

Defesa:­  Quem  tirou  tanta  gente  da  miséria  tem  direito  a  comer também.

 

Conserino e mentira da Veja

Declarante:­ O senhor deveria estar entrevistando o Ministério Público, trazer o Conserino aqui e fazer pergunta para ele, para ele dizer que é meu, para ele dizer que o apartamento é meu, para ele dizer que eu paguei o apartamento, ele que tem que dizer, não eu.

Delegado da Polícia Federal:­ O que interessa para nós…

Declarante:­ Que o cidadão conta uma mentira e eu sou obrigado a ficar respondendo a mentira dele.

Delegado da Polícia Federal:­ Mas se o senhor não responder quem vai responder?

Declarante:­ Um cidadão que é membro do Ministério Público, que fica a serviço da Globo, do Jornal Globo, da Revista Veja, fazendo insinuações e eu tenho que responder? Ele que diga, ele que prove, no dia que ele provar que o apartamento é meu alguém vai me dar o apartamento, ou o Ministério Público vai me comprar o apartamento ou a Globo me compra o apartamento, ou a Veja me compra o apartamento, ou sei lá quem vai me comprar o apartamento, o que não é possível é que a gente trabalhe tanto para criar uma instituição forte nesse país e dentro dessas instituições pessoas que não merecem estar nessa instituição estejam a serviço de degradar a imagem de pessoas, não sou eu que tenho que provar que o apartamento é meu, ele é que vai ter que provar que é meu, ele vai ter, eu espero que ele tenha dinheiro para depois pagar e me dar o apartamento, eu já estou de saco cheio disso, essa é a verdade, estão gravando aqui para ficar registrado. Eu estou de saco cheio de ficar respondendo bobagens.

 

“O senhor se cansa nas viagens?”

Delegado da Polícia Federal:­ Mas o que cansa mais, estar fora do país ou viajar para aquele país?

Declarante:­ Eu acho que o que cansa mais é o avião mesmo, é desgastante.

Delegado da Polícia Federal:­ Quantas viagens por semana o senhor aguentaria fazer por mês de avião para outro país, para não ter tanto desgaste, dentro do suportável, quantas viagens?

Declarante:­ Ah, eu viajei muito, eu viajei, eu fui o presidente que mais viajou na história do Brasil, se você pegar da proclamação da república até a minha chegada à presidência e você somar todas, eles não viajaram o tanto que eu viajei.

 

A diária para a PF e o frango no cofre

Delegado da Polícia Federal:­ A sua segurança é a atual, que vai junto nas palestras, mesmo sendo noutro país?

Declarante:­ Hein?

Delegado da Polícia Federal:­ A segurança?

Declarante:­ A segurança vai, a segurança é permanente.

Delegado da Polícia Federal:­ Mas ela não recebe da LILS. Ela é sempre remunerada pelo…

Declarante:­ Não, as coisas dela são as coisas oficiais.

Delegado da Polícia Federal:­ Certo. Declarante:­ O salário deles é o salário que eles ganhavam das forças, não sei se é das forças armadas, ou seja, a… Delegado da Polícia Federal:­ A diária também.

Declarante:­ Não, a viagem deles é paga, eles vão de avião de carreira antes, e a viagem deles é paga pelo esquema da presidência, no meu tempo era bem pouquinho, devia ser uns cem reais, ou seja, querido, eu vou lhe contar uma coisa, eu quando vejo denúncia de corrupção, eu vejo e acho que tem muita, eu devo lhe contar uma história, deputado Paulo, a primeira viagem que eu fiz para a ONU, 23 de setembro de 2003, os companheiros que levam a bagagem, alguns companheiros de segurança levaram, eu vou até, porque está filmando aqui, eu vou falar que tive utilidade um dia na vida, levaram frango com farinha, chegaram no hotel, aqui no hotel que todo mundo acha que é chic, o Waldorf Astoria, não tem?

Delegado da Polícia Federal:­ Sim.

Declarante:­ Eles imaginaram que o cofre era o micro­ondas e colocaram o frango lá dentro, e não conseguiram abrir o cofre, acho que o frango deve estar lá até hoje ou o cara do hotel encontrou o frango. O pessoal comia, o pessoal da presidência comia coisa que levava, às vezes cozinhava no quarto, porque a diária não dava para pagar nada. Delegado da Polícia Federal:­ Ainda hoje é assim no poder executivo.

Declarante:­ Não, nós depois, depois das duas CPI’s, nós criamos um mecanismo que valorizou um pouco a diária, mas era uma vergonha, o ministro de estado aqui no Brasil, o Roberto, se viesse um ministro da Espanha aqui ele não podia convidar para jantar porque ele não podia pagar, não tinha verba para pagar, e é uma vergonha porque você viaja para qualquer lugar do mundo, você vai jantar, as pessoas nem, você não tem nem que olhar se vem nota ou não porque alguém já foi pagar, aqui no Brasil você é obrigado a pagar do teu bolso ou você é obrigado a falar para o cara “Olha, dá para você contribuir, repartir aqui?”, agora melhorou um pouquinho, mas era uma miséria, era uma miséria. Então, eu…

Delegado da Polícia Federal:­ Mas continua não sendo possível pagar um hotel decente, eu acho que a diária do poder executivo ainda continua…

Declarante:­ Não, eu acho que continua pequena ainda, pequena, mas melhorou um pouco, era bem pior, você não tem noção do que era isso.

Delegado da Polícia Federal:­ Eu tenho, eu viajei muito ganhando 59 reais e 60 centavos de diária, eu viajei para fazer combate ao crime organizado, contra tráfico de drogas na fronteira, crime organizado, tive que ficar 6 meses ganhando 59 reais e 60 centavos, isso…

Declarante:­ Mas a partir do meu governo melhorou.

Delegado da Polícia Federal:­ Isso em 2006. Declarante:­ A partir daí melhorou. Eu acho, não, era uma vergonha isso, o poder executivo brasileiro.

 

O sitio e o acervo de tralhas

Delegado da Polícia Federal:­ Quando que os seus amigos compraram o sítio para o senhor usar para descanso ou pra qualquer outra atividade?

Declarante:­ Eu sei que eles deram sinal, depois pagaram, e foi dividido, e eu fiquei sabendo no dia 13 de janeiro de 2011 e fui conhecer o local dia 15 de janeiro. Sei também, dito pelo companheiro Fernando, pelo Jacó Bittar e pelo Jonas, de que uma das ideias deles era, não só que eu tivesse um lugar pra descansar, mas também que tivesse alguma coisa pra guardar as tralhas de Brasília, que é muita tralha que a gente ganha.

Delegado da Polícia Federal:­ E o senhor conseguiu fazer isso?

Declarante:­ Está lá.

Delegado da Polícia Federal:­ Tudo?

Declarante:­ Uma parte, pequena coisa.

Delegado da Polícia Federal:­ Onde é que está o resto?

Declarante:­ Hein? Delegado da Polícia Federal:­ Onde está o resto que saiu de Brasília?

 

(Percebam que aqui Lula vai falar que há coisas no Sindicato e num banco. Diferente do que a imprensa disse, isso não foi descoberto na apuração da PF. Foi Lula quem disse no seu próprio depoimento.)

 

Declarante:­ Uma parte deve estar no sindicato, porque tem várias coisas, tem coisas de valor…

Delegado da Polícia Federal:­ Qual sindicato?

Declarante:­ Hein?

Delegado da Polícia Federal:­ Qual sindicato?

Declarante:­ Acho que é no sindicato nosso, dos metalúrgicos. Tem coisa de valor que deve estar guardada em banco, tem coisa… Eu já tomei uma decisão, terminada essa porra desse processo, eu vou entregar isso para o Ministério Público, vou levar lá e vou falar “Janot, está aqui, olha, isso aqui te incomodou? Um picareta de Manaus entrou com um processo pra você investigar as coisas que eu ganhei, então você toma conta”

 

Pedalinho

Defesa:­ Doutor, o senhor me permita uma intervenção, se a linha de investigação é que o sítio é do presidente e não dos reais proprietários, isso é prova documental, ou seja, o senhor tem aí a escritura, o senhor tem o cheque que comprou o sítio. O fato de frequentar, de ter pedalinho, de ter barco? Nós somos profissionais do direito, isso não transfere propriedade, isso a imprensa pode explorar, mas nós, operadores do direito, não podemos explorar isso.

Delegado da Polícia Federal:­ Eu preciso dar oportunidade ao investigado pra que ele esclareça…

Defesa:­ Qual seria o crime que o senhor estaria investigando por ter um barco e um pedalinho?

Delegado da Polícia Federal:­ O mesmo que eu falei desde o início, que apura o registro da propriedade do sítio, e aqui o ex-­presidente está esclarecendo…

Declarante:­ Eu fico, acho que não é legal, eu fico constrangido de você me perguntar de pedalinho e de me perguntar de um barco de 3 mil reais, sinceramente eu fico…

Defesa:­ Há uma questão muito importante nessa resposta agora, delegado.

Declarante:­ Eu acho que depõe contra, não sei, depõe contra mim. Fica bem pra Veja, mas desde então…

(…)

Delegado da Polícia Federal:­ Sim, sim. Mas esse é o momento para a gente esclarecer. E os senhores têm toda a liberdade de pedir pra que seja esclarecido.

Declarante:­ Eu fico chateado de ver um Delegado de Polícia Federal se preocupar com pedalinho (ininteligível).

Delegado da Polícia Federal:­ Eu só tenho uma preocupação aqui, é lhe dar oportunidade para o senhor responder isso. Declarante:­ É o pedalinho.

 

Apê no Guarujá

Declarante:­ Foi depois dessa primeira visita.

Delegado da Polícia Federal:­ Qual era a intenção dessa segunda visita?

Declarante:­ Hein? Delegado da Polícia Federal:­ Qual era a intenção da segunda visita? Declarante:­ Quando eu fui a primeira vez, eu disse ao Léo que o prédio era inadequado porque além de ser pequeno, um triplex de 215 metros é um triplex “Minha Casa, Minha Vida”, era pequeno.

Delegado da Polícia Federal:­ Isso é bom ou é ruim?

Declarante:­ Hein? Delegado da Polícia Federal:­ Isso é bom ou é ruim?

Declarante:­ Era muito pequeno, os quartos, era a escada muito, muito… Eu falei “Léo, é inadequado, para um velho como eu, é inadequado.” O Léo falou “Eu vou tentar pensar um projeto pra cá.” Quando a Marisa voltou lá não tinha sido feito nada ainda. Aí eu falei pra Marisa: “Olhe, vou tomar a decisão de não fazer, eu não quero” Uma das razões é porque eu cheguei à conclusão que seria inútil pra mim um apartamento na praia, eu só poderia frequentar a praia dia de finados, se tivesse chovendo. Então eu tomei a decisão de não ficar com o apartamento.

Delegado da Polícia Federal:­ Quanto tempo essa segunda visita da dona Marisa na…

Declarante:­ Eu acho que eu estou participando do caso mais complicado da história jurídica do Brasil, porque tenho um apartamento que não é meu, eu não paguei, estou querendo receber o dinheiro que eu paguei, um procurador disse que é meu, a revista Veja diz que é meu, a Folha diz que é meu, a Polícia Federal inventa a história do triplex que foi uma sacanagem homérica, inventa história de triplex, inventa a história de uma off­shore do Panamá que veio pra cá, que tinha vendido o prédio, toda uma história pra tentar me ligar à Lava Jato, toda uma história pra me ligar à Lava Jato, porque foi essa a história do triplex. Ou seja, aí passado alguns dias descobrem que a empresa off­shore, não era dona do triplex, que dizem que é meu, mas era dono do triplex da Globo, era dono do helicóptero da Globo. Aí desaparece o noticiário da empresa de off­shore. A empresária panamenha é solta rapidamente, nem chegou a esquentar o banco da cadeia já foi solta porque não era dona do Solaris que dizem que é do Lula, ela é dona do Solaris que dizem que é do Roberto Marinho, lá em Parati. E desapareceu do noticiário. E eu fico aqui que nem um babaca respondendo coisas de um procurador, sabe, que não deve estar de boa fé, quando pega a revista Veja a pedido de um Deputado do PSDB do Acre e faz uma denúncia. Então eu não posso me conformar. Como cidadão brasileiro, eu não posso me conformar com esse gesto de leviandade.

Delegado da Polícia Federal:­ Eu, pessoalmente, presidente, eu estou atrás da verdade pessoalmente. Ouvi todos os colaboradores…

Declarante:­ Se você está atrás da verdade, você mande prender um cidadão do Ministério Público, que diz que o apartamento é meu, mande prendê­-lo.

Foto de capa: Foto: Heinrich Aikawa/Instituto Lula

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

In this article

Join the Conversation

5 comments

  1. Alan Kevedo Responder

    Cadê a pergunta mais importante? O SENHOR APROVA VENDA DE CRAQUE PARA A CHINA COMUNISTA?

  2. felipe puxirum Responder

    o capitalismo é a própria corrupção, e, só ou burrice ou má fé pode levar um ser dotado de cérebro como o nós, a corroborar com tal sistema, pois é exploração do humano pelo humano e demais animais, então, não devo reconhecer honestidade em relações de dominação e destruição, de que, aliás, nenhum outro modo de vida (ou de morte!) foi e continua sendo capaz!

    e dentro deste estado de coisas capitalista, não há solução para os de baixo…

  3. O depoimento de Lula à PF na ínte... Responder

    […] O arquivo do depoimento do ex-presidente Lula aos delegados da PF na sexta-feira (3/3) já está disponível e pode ser lido na integra aqui.  […]

  4. Soleci Responder

    Só no Brasil isso acontece!!

  5. Messias Franca de Macedo Responder

    ALGUNS EXCERTOS MEMORÁVEIS

    Delegado da Polícia Federal:¬ Ok. Vou mudar agora um pouco do tema da investigação, vamos tratar um pouquinho da Petrobras, como eu falei no início, em relação às construtoras. O senhor tem algum relacionamento… Qual o relacionamento que o senhor tinha com a Petrobras à época do mandato presidencial?

    Declarante [presidente Lula]:¬ Não… deixa…

    Delegado da Polícia Federal:¬ Vamos, deixa eu avançar, deixa eu avançar porque está muito genérico.

    (…)

    Declarante [presidente Lula]:¬ Não, não tinha sido feito [as tais reformas no tríplex que nunca foi do presidente Lula – adendo nosso], porque, como a insinuação da imprensa era de que estava sendo feito, o que o Instituto quis dizer na nota é que se fosse feito eu teria que pagar a diferença.

    Delegado da Polícia Federal:¬ Certo, certo, ok.

    Defesa: – Se fosse comprado.

    Declarante [presidente Lula]: – É, porque se você compra uma galinha e ela vale dois contos e quando você vai ela está com três pintinhos, ela vai valer mais.