Próximo capítulo da Lava Jato pode quebrar bancos nacionais

Com bancos quebrando, haverá uma convulsão política sem precedentes. O que se viu até agora será café pequeno.

Há alguns dias uma fonte bem informada deste blogue garantiu que o setor dos frigoríficos não resistiria a investigação da Lava Jato e que os sócios da JBS já negociavam uma delação.

A mesma fonte também disse que o governo Temer poderia ir à tona com essa delação, mas que isso não era o fim da crise.

A crise maior estaria reservada para o capítulo seguinte, as delações que atingiriam o setor financeiro.

Já haveria um imenso mal estar no mercado com as informações que estariam circulando de delações contra o setor. E que um banco de investimentos teria, inclusive, sido salvo pelos grandes bancos nacionais para não quebrar há coisa de alguns dias.

O setor financeiro seria a bala de prata da Lava Jato para acabar com o sistema político brasileiro e criar um clima de desespero que levaria Carmem Lúcia à presidência. Com amplos poderes.

A Globo construiria a narrativa do fim do mundo e ao mesmo tempo a da salvação pelo judiciário.

Se isso vier a acontecer, não se pode descartar uma crise com impactos gravíssimos na economia. E com imensas proporções do ponto de vista social.

Se essa narrativa estiver correta, o país não resistirá. Com bancos quebrando, haverá uma convulsão política sem precedentes. O que se viu até agora será café pequeno.

O alerta máximo não está apenas ligado nos gabinetes de Brasília, mas também nos centros de operações financeiras.









Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.



No artigo

Comentários

2 comments

  1. Tonho Vieira Responder

    Bancos quebrando onde? E como?

  2. Zeno Bocardo Pereira Responder

    Rovai, como eu queira que você estivesse errado! Isso pro Brasil será o meteoro dos dinossauros!