Netanyahu afronta comunidade internacional às vésperas de eleição israelense

A um dia da eleição israelense de 17 de marco de 2015, o primeiro-ministro Benjamim Netanyahu afronta a comunidade internacional ao dizer que “enquanto eu (ele) for o líder não haverá um Estado Palestino”

A um dia da eleição israelense de 17 de marco de 2015, o primeiro-ministro Benjamim Netanyahu afronta a comunidade internacional ao dizer que “enquanto eu (ele) for o líder não haverá um Estado Palestino”. [1] Afronta porque a comunidade internacional continua a apoiar a legitimação de um Estado Palestino. Dentre outros indícios, vale lembrar a vitória de dois anos atrás quando a Palestina ganhou na ONU o status de Estado observador não-membro. Apesar de fortes pressões americanas e israelenses, naquela ocasião, a comunidade internacional votou a favor do Estado Palestino, tendo votado contra apenas o Canadá e a República Tcheca (além da Micronésia, do Nauru, do Panamá e das Ilhas Maurício). Além disso, boa parte da opinião pública americana apoia a solução de dois Estados, ou ainda a resolução dos conflitos através de um Estado onde coexistiriam judeus e palestinos. [2] Dito isso, como é que Netanyahu ainda consegue boa margem de apoio político dentre os israelenses e americanos conservadores?

Em parte o fenômeno se explica por duas causas. Em primeiro lugar, pelo que o cientista politico Norman Finkelstein chamou de “Indústria do Holocausto”. Neste trabalho, Finkelstein argumenta que o Estado de Israel consegue legitimar seu belicismo e a ocupação dos territórios palestinos ao acusar de antissemitas aqueles que se opõem à politica externa de Israel. Nas palavras de Finkelstein, “o Estado de Israel usa o Holocausto e o antissemitismo sempre que enfrenta internacionalmente algum problema de relações públicas. É impossível atacar a política externa israelense ou provar que o Holocausto foi explorado para ganhos pessoais sem que se seja acusado de ser antissemita.” [3] Outra explicação para a popularidade de Netanyahu é a crescente propaganda sobre a periculosidade dos programas nucleares do Irã. A histeria provocada rende votos e torna mais eloquente a retórica belicista do primeiro-ministro, especialmente para ouvidos da extrema direita. Em recente entrevista dada por Barak Obama à Reuters [4][5], o presidente americano desfaz as mistificações de Netanyahu, e, de forma sensata, argumenta que o melhor a fazer é tornar transparente e paralisar o programa nuclear iraniano em troca do alívio de sanções econômicas.

netanyahu-bomb

Como se sabe, o Congresso Americano é formado por maioria republicana. Não é de se estranhar que a recente visita de Netanyahu aos EUA tenha servido de comício para o israelense, aumentando sua popularidade dias antes das eleições em Israel. Boa sorte para Issac Herzog, líder e candidato da oposição, que até pouco tempo era um mero desconhecido internacionalmente, mas que ainda assim poderá retomar o diálogo com outros países que não sejam os tradicionais aliados de Israel. [6]

 

Para informações relacionadas às afirmações deste texto, ver os artigos abaixo:

[1] http://www.haaretz.com/news/israel-election-2015/1.647212, acesso em 15/3/2015.

[2] http://www.brookings.edu/~/media/research/files/reports/2014/12/05-american-opinion-poll-israeli-palestinian-conflict-telhami/israel_palestine_key_findings_telhami_final.pdf, acesso em 15/3/2015.

[3] http://www.revistaforum.com.br/frivoloeprofundo/2013/08/05/norman-finkelstein-uma-gangue-de-malandros-e-canalhas-se-enriqueceu-usando-o-sofrimento-o-martirio-e-a-morte-de-milhares-de-judeus/, acesso em 15/3/2015.

[4] https://www.youtube.com/watch?v=qrJGNBFDs0g, acesso em 15/3/2015.

[5] http://www.reuters.com/article/2015/03/02/us-usa-obama-transcript-idUSKBN0LY2J820150302, acesso em 15/3/2015.

[6] http://www.prospectmagazine.co.uk/world/israeli-elections-what-happens-if-herzog-wins, acesso em 15/3/2015.

 

 

Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.




Join the Conversation