Hillary sobre Trump: “Totalmente inconsistente. Neutro na Segunda, Pró-Israel na Terça e sabe-se lá o que na Quarta”

Interessante comparar os websites de Donald Trump e Hillary Clinton. O que se lê ou o que se vê na sessão “Issues” (tópicos, assuntos, problemas), em específico o que dizem os candidatos sobre Segurança Nacional, previsivelmente diverge em formato, tom e conteúdo.

Interessante comparar os websites de Donald Trump e Hillary Clinton. O que se lê ou o que se vê na sessão “Issues” (tópicos, assuntos, problemas), em específico o que dizem os candidatos sobre Segurança Nacional, previsivelmente diverge em formato, tom e conteúdo.

Clinton:

cnn

Declara logo de início seus valores:

1. Manter os Estados Unidos em segurança defendendo seus valores básicos e liderando com princípio.
2. Derrotar o grupo ISIS e o terrorismo global e as ideologias que os motivam.
3. Reforçar alianças e nutrir novos relacionamentos para abordar desafios coletivos como o meio ambiente e as mudanças climáticas, ataques cibernéticos e doenças altamente contagiosas.

Em seguida, o texto traz algumas das medidas de Clinton quando participou do governo Obama como Secretária de Estado.

[…] Hillary restaurou a liderança Americana no mundo, depois da erosão dos oito anos da administração Bush e sua política isolacionista. Seu mandato foi marcado por conquistas significantes, da organização de uma coalizão para impor medidas severas contra o Irã, da mediação do cessar fogo em Gaza e da proteção de Israel, e do suporte ao Presidente Obama e sua decisão de fazer justiça com relação a Bin Laden, e muito mais. [1]

Trump:

Em contraste com a sessão “Issues” e “Segurança Nacional” da candidata Hillary Clinton, não há textos no website de Donald Trump. O candidato opta por vídeos curtos. Títulos e subtítulos comunicam a tese central de cada um dos 20 vídeos disponíveis, a maioria deles tendo de 25 a 55 segundos, e apenas dois deles se dedicando diretamente ao tema da “Segurança Nacional”: [2]

1. “O Exército”

“Eu vou tornar o Exército tão grande, tão poderoso e forte que ninguém vai mexer com a gente”.

2. “Israel”

“Eu sou muito pró Israel”

Hillary Clinton está certa ao dizer que Trump é inconsistente, “neutro na Segunda, Pró-Israel na Terça e sabe-se lá o que na Quarta.” [3] O que desconcerta é o apelo que a retórica de Trump tem tido para tantos Republicanos de classe média baixa. Como já apontaram alguns comentaristas [4] [5] [6], a popularidade de Trump parece ser uma reação dos conservadores de baixa renda a algumas investidas específicias do governo Obama: mais direitos e conquistas para imigrantes; uso terapêutico e recreacional de drogas; mais estados americanos discutindo o direito ao aborto; obrigatoriedade do seguro de saúde com o Obamacare; abrandamento da retórica e da prática belicista e isolacionista Americana, dentre outras.

Donald Trump ataca exatamente os pontos acima usando seu mote “Make America Great Again!” (Torne os Estados Unidos grande novamente). Com seu slogan, o candidato provavelmente se refere aos anos em que imigrantes, negros e mulheres dentre outras minorias tinham menos direitos na sociedade americana, quando a economia dos Estados Unidos deslanchava devido à “ajuda” na reconstrução da Europa do pós-guerra, e quando ao mesmo tempo o crescente poder aquisitivo da população aquecia e ampliava o mercado interno para bens de consumo.

Trump gostaria de voltar os Estados Unidos e o mundo para os Anos 50 de Truman e Eisenhower. [7]

[1] https://www.hillaryclinton.com/issues/national-security/, acesso em 17/5/2016.

[2] https://www.donaldjtrump.com/issues/, acesso em 17/5/2016.

[3] http://www.nytimes.com/2016/03/22/us/politics/hillary-clinton-and-donald-trump-vow-to-protect-israel-but-differ-on-means.html, acesso em 17/5/2016.

[4] http://www.theguardian.com/commentisfree/2016/mar/07/donald-trump-why-americans-support, acesso em 17/5/2016.

[5] http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/us-politics/12042218/Why-is-Donald-Trump-so-popular.html, acesso em 17/5/2016.

[6] http://www.nytimes.com/2016/03/02/opinion/campaign-stops/why-trump-now.html, acesso em 17/5/2016.

[7] http://www.nytimes.com/2016/04/26/upshot/when-was-america-greatest.html, acesso em 17/5/2016.

Foto de capa: CNN

Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.




Join the Conversation