Quer saber o que é opressão adultista?

Ser criança é ser gente pequena num mundo pensado e feito para gente grande. Ser...

crushing-boot-melphick

Ser criança é ser gente pequena num mundo pensado e feito para gente grande.

Ser criança é ser uma pessoa fraca num mundo em que impera a lei do mais forte. Democracia só existe entre adultes, da porta para fora de casa.

Ser criança é não ter controle sobre nada, nem mesmo seu próprio corpo. À maioria das crianças não é dado sequer o direito de escolher o quanto ou quando comer, ou o que vestir.

Ser criança é ter que respeitar mesmo não sendo respeitade. Que pessoa adulta, por exemplo, receberia o tratamento que recebe uma criança quando comete algum erro?

Ser criança é as pessoas implicarem com você o tempo todo sob o pretexto de te educar.

Ser criança é ter seus sentimentos constantemente relevados ou ridicularizados, ou ainda feridos por esporte, porque é “tão bonitinho” quando você fica triste, com raiva, etc.

Ser criança é não te levarem a sério mesmo em assuntos em que você sabe mais do que quem fala com você.

Ser criança é seu comportamento natural ser transformado numa patologia para que as pessoas possam sedar você a fim de que sua convivência seja mais cômoda para elas.

Ser criança é ter necessidades suas – de atenção, de brincadeira, de movimento livre, de vocalização e verbalização – tratadas como capricho e postas em segundo plano.

Ser criança é ter que ouvir que não gostam de você, ou mesmo te odeiam, sem nem te conhecer, e isso não ser considerado ofensivo.

Ser criança é estar completamente à mercê de quem cuida de você. É não ter como fugir e depender de e amar quem te atormenta. E as pessoas não te socorrerem porque ninguém quer “se meter”.

Ser criança é se transformar num saco de pancadas emocional ou físico num estalar de dedos, é ser uma tela em branco em que se projetam os desejos mais sórdidos e os medos mais terríveis dos adultos. Ser vítima de violência e te culparem pela violência que você sofreu.

Ser criança é ser frágil, vulnerável e sem voz.


5 comments

  1. Clarissa Menezes Homsi Responder

    teu blog tá incrível Letícia! Muito bom! Vc escreve super bem e tem muito a dizer. To impressionada com qta coisa nova e de sustância que vc trás. A começar pelo revolução gramatical! beijo

    1. Letícia Penteado Responder

      Obrigada, Clarissa!
      Eu vi o seu blog também e adorei o texto do pedestal. Faz dias que estou para comentar com você. =)

  2. Monalisa Responder

    Gostei mt do teu texto, só fiquei intrigada com esse link da ritalina, eh um site bizarro que tem até uma suastica…

    1. Letícia Penteado Responder

      Que horror, Monalisa! E eu dando audiência para isso? Vou procurar a publicação em outro lugar e trocar. Acho que acabei me confundindo na hora de fazer o link.
      Obrigada!

      ***

      Nossa, meu, obrigada mesmo! Fui ver agora e acho que eu estava com esse link aberto junto com os outros e acabei colocando o errado no texto. Vacilo.
      Beijo