Pablo Villaça: falar mal do Brasil é habito de colonizado

Aplaudir a virtude alheia e vaiar os tropeços domésticos é um hábito de colonizado, não de sofisticação Por Pablo Villaça em sua página do Facebook...

Aplaudir a virtude alheia e vaiar os tropeços domésticos é um hábito de colonizado, não de sofisticação

Por Pablo Villaça em sua página do Facebook

09/02/2015

O brasileiro no exterior é um ser em constante estado de admiração pelo prosaico. Um engarrafamento ganha o charme de ocorrer em pistas de direções opostas às nossas; o frio que enrijece as mãos é europeu, não vindo do vento das montanhas mineiras; a grosseria do atendente é divertida por ser em francês.

Apreciamos a pontualidade dos trens britânicos e invejamos sua organização – e nos esquecemos de que não possuem nosso calor humano ou algo como a Baía de Guanabara, o encontro do Rio Negro e do Solimões ou o pôr-do-sol visto do Mercado Modelo. Babamos diante de seus ídolos pop e esquecemos de nossos Hermetos, de nossas Cássias e de nossos Emicidas. (Mas não nos culpemos: até Seu Jorge se esqueceu de nossos Seus Jorges.)

Não se trata, claro, de ser ufanista ou de fechar os olhos para nossos desalinhos, mas apenas de reconhecer o óbvio: todos os países possuem seus charmes e seus problemas. Aplaudir a virtude alheia e vaiar os tropeços domésticos é um hábito de colonizado, não de sofisticação. O verdadeiro “cidadão do mundo” é aquele que, por muito viajar, percebe que somos todos os mesmos.

Em quinze dias fora do Brasil, por exemplo, fiquei preso no avião em Gotemburgo quando alguém se esqueceu de solicitar os ônibus que deveriam buscar os passageiros na pista; vi metade da frota de ônibus parada em greve em Londres; fui destratado gratuitamente por diversos funcionários de marcos turísticos franceses e vi pedintes mendigando sob o frio nos três países. Li manchetes sobre um escândalo de nove milhões de libras (36 milhões de reais) envolvendo o prefeito londrino, escutei guias turísticos apontando obras que deveriam ter ficado prontas paras as Olimpíadas de 2012 e que permanecem inacabadas e ouvi relatos de corrupção em toda a Europa.

E, a cada experiência destas, podia imaginar inúmeros “só no Brasil” ditos com um tom de autodesprezo por quem mal pisou além de nossas fronteiras.

Pois o fato é que não há um “só no Brasil” – para o bem ou para o mal. Há apenas humanos tentando fazer seu melhor e cometendo atrocidades indizíveis movidas por ganância e fome de poder em todos os cantos do planeta.

Ou melhor: há, sim, um “só no Brasil”. É só aqui que você e eu vivemos e construímos nossas trajetórias.

Então, o mais inteligente a fazer é aprender a perceber que somos lindos e feios como todo o resto. Mas também aprender a amar o fato de sermos brasileiros. Com tudo o que isso significa.

O que nos falta é enxergar que nosso prosaico também pode ser belo.


14 comments

  1. Ana Maria Cesar Barreiro Responder

    Não concordo totalmente pq o país, BRASIL ,é lindo e maravilhoso, amado por quem é patriota.Algumas pessoas, por serem ignorantes e se achando sábias, querem dizer que aqui acontece de tudo.Só que esse tudo, violência, roubalheira, serviços inadequados, etc, etc, acontecem em todos os lugares.A diferença é o tipo de cobrança, a punição ou a impunidade…Aqui no Brasil, está acontecendo esse momento difícil de ser engolido.É uma sensação de que tudo pode e nada acontece.Claro que é sabido q não é de hj, mas agora, “entornou o caldo” geral.E fazer o quê, senão protestar contra pessoas, e não contra o país.

    1. VALTER ALVES SILVERIO Responder

      Como “agora o caldo entornou”? Não existia isso? E, se estamos sabendo, foi graças a quê? Algum “bonzinho” foi lá e denunciou (raridade), ou foi a PF INSTITUCIONAL que apurou e investigou? Acordaaaa….

    2. nat Responder

      Olha… Eu to morando em Roma e posso dizer que a máfia literalmente governa. Uma parte deles se tornou o equivalente á deputados, vereadores, lobistas e empresários que prestam serviços estatais. Enfim… Impunidade, infelizmente, não é exclusividade brasileira.

      E outra coisa, depois de morar fora percebi que nossas leis trabalhistas são muito melhores que em muitas partes do mundo.

  2. Maria José Responder

    Não existe civismo e menos ainda, sentimento de brasilidade, aprendemos que é sinal de inteligência e politização denegrir o Brasil. Junta-se a essa causa atávica a manipulação da mídia, o terrorismo e pessimismo plantado pelo oligopólio da mídia na cabeça do cidadão comum. O cidadão contaminado pelo desalento e pelo medo é facilmente marionetado!

  3. larissa Responder

    Ouço com frequencia a frase “aqui é brasil”, “so no brasil que tem essas coisas”.
    As pessoas gostam de reclamar mais não fazem a sua parte, pois essa mesma pessoa sonega impostos, dirige alcoolizado, reclama da “industria da multa” mais dirige acima do limite de velocidade.
    O que mais me incomoda é a hipocrisia das pessoas, que querem que tudo mude, desde que eles não tenham que mudar

    1. Oliveira Responder

      Concordo com vc Larissa!Ouço isso todos os dias e quando vc não concorda com estas pessoas é uma enxurrada de impropérios que não adianta argumentar eles não ouvem…só falam, falam e falam.

  4. Maria Madalena de Figueiredo Responder

    Pela primeira vez no Brasil estamos vendo uma PF atuante. Já conseguiram até prender alguns bandidos, mas ainda faltam muitos. Espero que seja o começo do cumprimento da justiça, também para a “nata”,e assim, sairmos da cultura, CASA GRANDE E SENZALA e construirmos a cidadania.

    1. Maria Frô Responder

      Maria Madalena não é a primeira vez, desde 2003 além do aumento do efetivo da polícia federal, de recursos e de autonomia a polícia federal já fez milhares de operações, uma pena que a Justiça quase nunca faz a sua parte e temos Dantas solto, Cachoeira Solto e tantos outros.

  5. Fabio Responder

    Essa eh uma visao completamente distorcida da realidade. Eh uma sanha megalomaniaca que o brasileiro medio tem.
    Se acha o ser mais simpatico do mundo, o mais acolhedor, que mora no lugar do mundo com as paisagens mais bonitas, que tem as mulheres mais maravilhosas….
    O mundo eh um lugar imenso, tantos lugares pra se conhecer, tanto a se viver, tanto a se descobrir.
    Nao somos melhores nem piores que ninguem.
    No entanto, o jeito que pais vem sendo tratado, tanto pela sua populacao quanto pela sua classe politica, nao tem mais lugar nesse momento da Historia. As pessoas discutem e tratam politica no Brasil como se estivessem falando do time de futebol do coracao. Qualquer deslize cometido pelo partido de um, eh justificativa para que o candidato do outro faca o mesmo. Sejamos mais racionais.
    Nao somos o melhor povo do mundo, nao pq somos os piores, mas simplesmente pq nao existe melhor povo do mundo.
    Nao temos as paisagens mais bonitas, simplesmente pq o mundo eh muito grande e cada lugar tem sua beleza.

  6. fabio Responder

    O que falta no Brasil é educação. … educação moral e principalmente cívica!
    O que vejo atualmente é um povo frio, arrogante e sem cultura!

  7. edna saldanha Responder

    O pior dos escândalos é o que nos acostumamos a ele Simone de Beauvoir

  8. Luiz de paula oliveira Responder

    Amo ser brasileiro, conheço uns poucos países e acho o nosso ainda melhor, só que para ficarmos bons messssmo, teremos que matar 90% dos pulhas que se dizem políticos e que só pensam Neles mesmos, e no nosso dinheiro e o da petrobrás, o resto, por natureza somo os melhores.

  9. Luiz Carlos Responder

    Outro dia estive debatendo sobre filosofia e conceitos. Vocês sabiam que “sofisticado” vem de Sofistas?
    Sofisticado é aquele que é “enganado com sofismas”.
    Só não encontrei a explicação de como esse adjetivo se tornou sinônimo de “culto”.

  10. Fulop Responder

    O Brasil não é, como qualquer outro, é um país que cansou de jogar fora inumeras oportunidades de se tornar desenvolvido apesar das tão decantadas riquezas e recursos , é o eterno país do futuro cada vez mais distante, Chegar nos nossos aeroportos depois de uma temporada lá fora é uma experiência deprimente e este sentimento é legítimo, a verdade não pode se esconder como se tapa o sol com a peneira, dói mas tem que ser dita.