O dia que ameaçaram encher minha cabeça de bala

A foto no meu perfil do Facebook  traz a adesão a uma campanha: Democracia Sim, Golpe Não. Qualquer um que tenha contas nas redes sociais pode aderir, basta acessar o link...

A foto no meu perfil do Facebook  traz a adesão a uma campanha: Democracia Sim, Golpe Não.

Qualquer um que tenha contas nas redes sociais pode aderir, basta acessar o link da campanha no twitbbon.

A foto já estava lá há um bom tempo e até dia 1 de setembro nada de novo havia ocorrido. Eis que na noite do dia primeiro recebo notificação de comentário na minha foto do Facebook e vou olhar. Surpreendo-me com uma mensagem agressiva de um perfil com a foto de um adolescente. Respondo o que responderia para muito de meus alunos que jamais se comportaram assim nem no mundo online nem no offline:  estude.

O garoto não se deu por satisfeito com a primeira mensagem agressiva e por mim apagada e resolveu ser ainda mais explícito: 

democraciasim2

Como é possível ver no print da página, uma leitora que faz parte de minha rede, Andrea Meira, também se pronunciou educadamente e também foi alvo de repostas agressivas:

democraciasim4

O que será que os pais de Thiago Igor F, seus professores e os adultos que o rodeiam pensam de seu comportamento na rede?

O que faz um adolescente que não nos conhece se sentir no direito de fazer ameaças explícitas de morte, num discurso confuso, mal escrito, repleto de palavrões? O que dá a esse jovem a sensação de liberdade para desqualificar e agredir nas redes sociais?

Além de advogados tucanos fazendo vídeos ameaçando de morte a presidenta, sem receber qualquer punição, atribuo o responsabilidade também ao Facebook, rede na qual os racistas, homofóbicos, transfóbicos, sexistas, neonazistas podem agir livremente sob tutela dessa empresa. Vejamos: alguém ameaça de morte duas pessoas, tem uma página onde só expõem barbáries preconceituosas e que ferem os direitos humanos e essas práticas não são consideradas pelo Facebook algo que firam os padrões da comunidade. A resposta abaixo foi enviada pelo Facebook diante da denúncia de Andrea.

democraciasim5

Quanto a mim, printei as ameaças e fiz denúncias no MPF e na Polícia Federal, nem perco mais o meu tempo denunciando barbáries no Facebook, este só se incomoda com a exposição de seios, mesmo que seja uma foto histórica que registe uma mulher indígena numa página oficial do Ministério da Cultura. Neste caso o Facebook acha que os padrões da ‘comunidade’ foram feridos.

ATUALIZAÇÃO:

Outro jovem, de classe média alta, 20 anos, residente em Mato Grosso que assina Thiago Carlos Gonçalves comentou no perfil da minha foto e não satisfeito me mandou as seguintes mensagens in box:

thiago2 thiago3thiago1

Mais uma vez, pergunto: o que faz um jovem com todos os recursos, com capacidade de avaliar suas ações, dirigir-se a uma senhora que tem a idade de ser a sua mãe e sentir-se no direito de tamanhas ofensas? É a completa certeza de impunidade?

Sua página é misógina, cheia de ataques às mulheres, e como a do outro Thiago repleta de mensagens que ferem os direitos humanos.

Esse jovem nunca irá procurar um trabalho, não tem nenhuma preocupação em relação à sua imagem pública ou ele acha correto agredir pessoas que ele não conhece e considera que terá apoio social, que em sua faculdade, em seu trabalho xingar mulheres em uma rede social e uma atitude louvável?


3 comments

  1. DENIS Responder

    Ao contrário de outros(posso estar errado) blogueiros, vc não tem uma rede. Vc faz muito pelo coletivo e recebe pouco em troca. Se tiver alguma sugestão para algo coletivo que possa ser feito contra o FB, ou pelo menos algo que desestimule estas atitudes, diga-nos. Eu encampo.

    1. Maria Frô Responder

      obrigada, Dennis, terça-feira vou falar com o MPF e volto com informações.

  2. Moira Responder

    Tipos como este são comuns desde o início da internet, muitos valem do anonimato e alguns pela impunidade mesmo, menciono isso devido várias comunidades de ódio no Orkut e que colocou um fim nesta rede social e o Facebook caso continue assim terá o mesmo desfecho, Geralmente são blogs, vídeos no Youtube no mesmo nível, fora fakes ou quem se esconde atrás de fotos de atores, avatares para ofender ou ameaçar, mesmo sem o conteúdo de ódio pregado por estes tipos. Infelizmente tipos como este ficam soltos e só investigam quando o conteúdo de suas mensagens, vídeos ou blogs tem pornografia pesada ou pedofilia, menciono isso porque um dos mentores do massacre do Realengo ainda está a solta, claro que ele não puxou o gatilho, mas incentivou, persuadiu o Wellington a cometer aquele massacre, o mesmo era assíduo em blogs ou comunidades de ódio, porém ninguém faz nada devido falta de provas e quem está por trás disso trabalha com tecnologia da informação e tem bons conhecimentos, cometem crimes digitais, persuadem, incitam violência e ódio, porém saem impunes por não deixar vestígios.