É o simbólico, estúpido!

Por que PT não deve compor com golpistas para participar da mesa da Câmara e do Senado Julian Rodrigues* Pegou fogo nos últimos dias o debate sobre a posição das bancadas do PT no Congresso na eleição das novas mesas diretoras. A discussão extrapolou, em...

Por que PT não deve compor com golpistas para participar da mesa da Câmara e do Senado
Julian Rodrigues*

Pegou fogo nos últimos dias o debate sobre a posição das bancadas do PT no Congresso na eleição das novas mesas diretoras.
A discussão extrapolou, em muito, as instâncias burocráticas ou “internas” do Partido e se espalhou pelas redes sociais e pela militância de esquerda.
Prova da vitalidade do Partido dos Trabalhadores. Prova da importância do PT no campo democrático-popular, na luta contra o golpe, pela democracia e por transformações estruturais.
Reparem que o PCdoB informou que votará em Rodrigo Maia, o atual presidente da Câmara, que se compromete a acelerar as reformas golpistas, destruindo os direitos sociais e trabalhistas. Tal posição quase não repercutiu É como se a militância já esperasse isso do PCdoB, notável por seu pragmatismo.
Já a possibilidade do PT apoiar Rodrigo Maia ou Jovair Arantes (relator do “impeachment” de Dilma) gerou revolta na base petista e no ativismo de esquerda, em todos os níveis.
O argumento de parte dos parlamentares (e dirigentes) petistas é que o PT não pode abdicar de influenciar o Congresso na medida de seu tamanho e de sua representatividade. E, como grande partido deve se fazer presente nas mesas diretoras e comissões.
Um argumento válido e respeitável, caso estivéssemos em CNTP (condições normais de temperatura e pressão).
Mas, não! Houve um golpe parlamentar-judiciário-midiático. Fomos apeados do governo federal e isolados na sociedade e no parlamento.
Quem resistiu ao golpe? Os movimentos sociais e a base militante da esquerda brasileira.
Existe uma enorme crítica, desilusão, questionamento à estratégia geral de conciliação do período Lula e às medidas neoliberais do governo Dilma, bem como à burocratização do PT.
E como o Partido responde a esse cenário? Abrindo um debate real sobre o balanço do período? Pensando uma nova estratégia? Se reaproximado dos movimentos sociais? Adotando uma postura radical de enfrentamento ao governo Temer?
O que pode parecer “radical” hoje é apenas uma demarcação necessária para o atual período histórico. Fomos derrotados. Devemos assumir essa condição e atuar de outra maneira.
Chega de conchavos, de carguinhos, de discurso ambíguo, de relação cordial com golpistas neoliberais inimigos do povo. É hora de guerra. É hora de reconquistar credibilidade nos setores populares e também junto ao povo.
Um partido que compõe com seus algozes para garantir espacinhos no parlamento não será visto como possuidor de estatura política para liderar a reorganização da esquerda brasileira.
Nossos deputados, senadores e a maioria dos dirigentes deveriam dialogar com a base do PT e com a militância progressista, principalmente com os movimentos sociais.
Saiam um pouco dos ambientes de sempre, experimentem outros pontos de vista, que não a lógica da máquina burocrática.
O Brasil precisa do PT.
E o PT só vai ser relevante se conseguir reconstruir-se como uma ferramenta de mudanças profundas na sociedade brasileira. Para isso, vai precisar da confiança e do apoio da militância de esquerda, começando pelos próprios petistas.
Votar em Rodrigo Maia (ou Jovair) na Câmara e em Eunício (PMDB do Temer) do Senado é desmoralizante em um nível que só o cretinismo parlamentar não enxerga.

capa pt

*Julian Rodrigues é professor, jornalista, ativista LGBT e dos direitos humanos e militante do PT-SP


Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum e recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum, recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa e ganha 1 caneca personalizada da Fórum após 6 meses.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum, recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa, ganha 1 caneca personalizada da Fórum após 6 meses e 1 camiseta personalizada após 1 ano.





Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.




Join the Conversation