Cinco montadoras do ABC paradas, 60 mil trabalhadores em greve

Greve tem adesão de 60 mil trabalhadores na base dos Metalúrgicos do ABC Movimento parou as cinco montadoras de São Bernardo Por: Patrícia de Paula (Assessora de Imprensa)...

Greve tem adesão de 60 mil trabalhadores na base dos Metalúrgicos do ABC
Movimento parou as cinco montadoras de São Bernardo
Por: Patrícia de Paula (Assessora de Imprensa)

Trabalhadores metalúrgicos de São Bernardo do Campo, Diadema, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra aderiram em massa à Greve Geral contra as reformas da Previdência e Trabalhista e a terceirização indiscriminada. Com mais de 60 mil trabalhadores parados, o que representa cerca de 90% da categoria, não houve produção nas fábricas da base do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, incluindo as cinco montadoras – Volks, Ford, Mercedes-Benz, Scania e Toyota.
Na avaliação de Rafael Marques, presidente da entidade, a greve de hoje teve grande sucesso. “Nenhuma peça entrou ou saiu das fábricas da nossa base. Os trabalhadores entenderam que o momento pelo qual o Brasil passa é muito grave. Sabem que esse governo e esse parlamento não têm a mínima condição de conduzir as reformas. Estão votando no sonho de recolocar a classe empresarial massacrando a classe trabalhadora”.
Para o dirigente, os trabalhadores deixaram clara sua posição, em todo o País. “A Greve Geral está sendo forte no Brasil inteiro. É um recado de que não vamos aceitar calados o que está acontecendo. As reformas não vão resolver o problema de nenhuma empresa brasileira e muito menos criar empregos, com tem sido dito de maneira mentirosa, só vão aumentar a exploração a quem trabalha. Essa é a intenção daqueles que querem rasgar a CLT e acabar com a Previdência, mas não vão conseguir porque os brasileiros têm capacidade e unidade para enfrentar os desafios impostos”, ressalta.

São Bernardo do Campo, 28 de abril de 2017

Legenda da Foto: Sindicalistas na portaria da Ford, empresa em que não houve produção nesta sexta-feira / Crédito: Adonis Guerra