Quando os discípulos suplantam o Mestre: uma resposta a Leandro Karnal

Republico a nota do Centro Acadêmico de Ciências Humanas – UNICAMP em resposta ao professor Leandro Karnal sobre seu comentário no Facebook em relação ao #OcupaBrasÍlia #DiretasPorDireitos. RESPOSTA AO PROFESSOR LEANDRO KARNAL OU “Conversas com um velho professor”...

Republico a nota do Centro Acadêmico de Ciências Humanas – UNICAMP em resposta ao professor Leandro Karnal sobre seu comentário no Facebook em relação ao #OcupaBrasÍlia #DiretasPorDireitos.

RESPOSTA AO PROFESSOR LEANDRO KARNAL OU “Conversas com um velho professor”

No final da tarde de ontem, o Professor Leandro Karnal, do departamento de História do IFCH, publicou o seguinte comentário em sua página no facebook: “Por vezes a história atravessa o caminho do historiador. Cruzei a Esplanada dos Ministérios em meio a chamas e caos. Uma pena que manifestaçōes degenerem em agressōes e depredação. Esvazia-se a pauta dos manifestantes que, hoje, conseguiram reforçar o gov Temer como alternativa à desordem. Será que era o objetivo deles? Saindo de Brasília ainda temendo as calendas de março…”

O Centro Acadêmico de Ciências Humanas lamenta profundamente que um professor de História da universidade dita como uma das mais “conceituadas” desse país possa ter uma compreensão tão rasa do desenrolar da crise política que vivemos. Ouvimos sobre o comentário do professor ainda com os olhos ardendo por causa do gás lacrimogêneo da repressão policial, ao final da manifestação.

Não basta uma mera oposição entre paz e violência para compreender o porquê da manifestação de ontem em Brasília ter se transformado em um verdadeiro cenário de guerra. É preciso entender o processo de impeachment da presidente Dilma como um golpe com o objetivo de acelerar a implementação das reformas para recompor os lucros do capital imperialista em crise. É preciso entender que diferentes campos burgueses hoje disputam a saída da classe dominante para a crise (e a melhor forma de implementar as reformas). É preciso entender como a greve geral do dia 28 de abril de 2017 colocou a classe trabalhadora organizada em campo para esta disputa, e como isso ameaça toda a saída pactuada e a aplicação do ajuste.

A disputa em curso em nosso país hoje não é pura e simplesmente pela “manutenção da ordem”. A disputa em curso é pela aplicação de um ajuste em favor dos ricos e poderosos. Neste processo estão em jogo nossos direitos trabalhistas, a previdência, o investimento público em saúde e educação e, mais do que isso, ficou provado ontem que nossas liberdades democráticas básicas também estão em jogo. Temer convocou as forças armadas para reprimir uma manifestação em Brasília, coisa que não ocorria desde a ditadura militar. Fomos atingidos por bombas de gás arremessadas de helicópteros, a polícia utilizou armas de fogo. A paz não foi uma opção que nos foi dada, seja pelos ataques aos nossos direitos, seja pela repressão brutal que sofremos. Chegar até o Congresso Nacional era nosso direito.

Nos comentários a essa publicação do professor, foi feita a pergunta: “A paz interessa a quem?”, ao que o professor respondeu “a quem odeia mortes”. O professor também analisou a Tomada da Bastilha como um “banho de sangue imenso” ao qual se seguiu a “ditadura de Napoleão”. Como fica claro, “paz”, para o professor Leandro, é não desafiar a ordem imposta, a violência do Estado, a inconstitucionalidade dos corruptos: é silenciar. Pedir pelo silêncio dos que se manifestam e resumir a manifestação em Brasília de ontem como uma degeneração esvaziada de pauta é um uso lamentável de sua visibilidade enquanto intelectual no Brasil, que o coloca no lugar de um comentarista virtual desqualificado de argumentos articulados ou, ainda, de um intelectual que, cínico, só acessa a realidade através das pequenas janelas das altas e distantes cátedras universitárias. Gostaríamos que o professor refletisse a respeito de dois pequenos trechos de Brecht, o primeiro retirado do poema “Deutsche Kriegsfibel” (“Cartilha de Guerra Alemã”) e o segundo, do poema “De que serve a bondade?”:

“Os de cima dizem: guerra e paz
São de substância diferente
Mas a sua guerra e a sua paz
São como tempestade e vento.
A guerra nasce da sua paz
Como a criança da mãe
Ela tem
Os mesmo traços terríveis.
A sua guerra mata
O que a sua paz
Deixou de resto.
No muro estava escrito com giz:
Eles querem a guerra.
Quem escreveu
Já caiu.
Os de cima
Juntaram-se em uma reunião.
Homem da rua
Deixa de esperança.
Os governos
Assinam pactos de não-agressão.
Homem da rua
Assina teu testamento.
Quando os de cima falam de paz
A gente pequena
Sabe que haverá guerra.
Quando os de cima amaldiçoam a guerra
As ordens de alistamento já estão preenchidas.”
“1
De que serve a bondade
Quando os bondosos são logo abatidos, ou são abatidos
Aqueles para quem foram bondosos?
De que serve a liberdade
Quando os livres têm que viver entre os não-livres?
De que serve a razão
Quando só a sem-razão arranja a comida de que cada um precisa?
2
Em vez de serdes só bondosos, esforçai-vos
Por criar uma situação que torne possível a bondade, e melhor,
A faça supérflua!
Em vez de serdes só livres, esforçai-vos
Por criar uma situação que a todos liberte
E também o amor da liberdade
Faça supérfluo!
Em vez de serdes só razoáveis, esforçai-vos
Por criar uma situação que faça da sem-razão dos indivíduos
Um mau negócio!”
Por fim, dizer que o ato de ontem em Brasília fortaleceu o governo é uma afirmação que carece de nexo.

O CACH esteve presente ontem, ocupou Brasília e seguirá lutando junto à juventude, aos trabalhadores, centrais sindicais e movimentos sociais pela manutenção dos nossos direitos. Reivindicamos o chamado de uma nova greve geral, para derrubar Temer e suas reformas!

#GreveGeral
#ForaTemer
#MelhoreKarnal

—————-

PS. Conheço Leandro Karnal há algumas décadas. O professor Karnal fez a belíssima e contundente apresentação de minha coleção didática de História em co-autoria com a professora Carla Miucci, publicada pela Ática, Prêmio Jabuti em 2008 e única coleção da área a receber  Ótimo em todos os critérios da avaliação do PNLD em 2008.

No episódio da polêmica criada pela foto de Karnal com Moro em jantar de negócios fiz um breve comentário. O professor pode jantar com ele bem entender, só não pode ignorar as ações do juiz de primeira instância de Curitiba e as consequências para o país. Não pode ignorar que Dona Marisa mesmo morta segue processada e a esposa de Eduardo Cunha absolvida. Não pode ignorar que não basta não ter provas alguma contra você, o lugar de classe ainda tem sido decisivo para Justiça no Brasil.

Karnal politicamente é moderado e sempre busca o caminho do meio. Infelizmente em pleno governo golpista não há caminho do meio. Seus alunos mostram isso nessa bela nota que o gentleman  Karnal certamente vai reconhecer que os discípulos superaram o mestre.


9 comments

  1. ronaldo Responder

    Não tive oportunidade de conhecer Karnal com a proximidade que a autora revela. Ao divergir, de forma brilhante dele, aplaudo com veemência o artigo.

    Ao ver ou ler Karnal, lembro que em anos idos, Leonel Brizola referia-se a um político e jurista gaúcho como ele, apesar de adversário da ditadura militar, era apenas um liberal, que no Rio Grande do Sul, era conhecido como “Ruy Barbosa em compotas”.

    Para mim, Karnal é filosofia e história em compotas. Já no campo político, jamais reconheci um mínimo de conhecimento substantivo, cujas opiniões, em teor mais elevado, caberiam em frascos bem menores que compotas. Mas, a mídia, mais uma vez discorda de mim. Graças.

  2. Iurutaí Responder

    Procurar o caminho do meio é bem diferente de buscar um meio para se autopromover. Celebridade acadêmica? A melhor maneira de neutralizá-los é o silêncio quanto às suas declarações; afinal qual a importância da opinião desse senhor sobre qualquer coisa? A importância que se dá a esta opinião. E só.

  3. Sem nome de puta Responder

    Dois pensamento equívocos…

    O primeiro pensa do alto de seu ar aristotélico, e equivocado está, em pensar que sem as armas conquistamos a paz.

    O segundo na sua Certeza de que os confrontos são a solução para nossos problemas…

    Consideremos errado os dois pensamento e posicionamento…se partimos do ponto que os dois estão errados teremos um terceiro ponto de vista que deve ser analisado e julgado…cada um terá em seu íntimo um terceiro ponto de vista que não deve ser visto como único e verdadeiro.

    O meu terceiro ponto de vista defende sim que os brasileiros, com suas armas em mãos vá até às ruas e lute pelos seus ideais…porém para tal, estes ideais devem ser definidos e não jogados no meio do charco. Sim devemos intimar da multidão um novo líder, aquele a quem as estratagemas de confronto sejam atribuídas…

    Nenhuma batalha teve vitorioso um exército sem comandante…quem é o guia nessa batalha?…pequenos grupos com seus ideais sem integração com os ideais da grande maioria?…

    Não sejamos hipócritas em defender um ataque terrorista, onde um bando de mimados, baderneiros e desocupados destruíram patrimônio público e privado somente para mostrar que vagabundos estão acabando com patrimônio público e privado, será que você leitor percebeu a falácia!?!?…

    Bem, este ato terrorista, acabou com documentos de prédios públicos, documentos estes que poderia exercer forte impacto na condenação destes criminosos de terno e gravata… portanto sim em seu falar “austríaco”, karnal está correto em afirmar que os ataques apenas fortaleceram o governo…diria até que os ataques podem ter sido perpetrados e orientados por uma ação de contra inteligência, onde usou da força de manobra para “queimar arquivos”…

    Quantos veículos dos corruptos foram estragados nesta manifestação?

    Quanto dinheiro de corrupção foi restituído aos cofres?

    Devemos sim sair às ruas, caçar os corruptos, mostrar que o filho desta pátria não foge a luta…se a batalha tiver um líder legítimo, com uma estratégia real de confronto, até minha arma vai para a luta, enquanto nossa nação não tiver um líder real seremos escravizados…

    1. Conceição Oliveira Responder

      Terrorista é um governo que saqueia direitos e bota exército contra o seu povo

  4. Gerson Responder

    Karnal : Homem, professor, e nos instantes vagos procura fazer e refazer-se. Um imenso espelho para a reflexão. Que bom !

  5. federico tignoso Responder

    Bertolt Brecht fue asesinado por los servicios secretos de la RDA. Es un excelente ejemplo de porqué NO debemos luchar por el comunismo, él dedicó toda su vida a esa idelogía y esa ideología lo mató.

    1. Conceição Oliveira Responder

      virou moda o revisionismo?

  6. Ze´ev Hashalom Responder

    “[…] Seus alunos mostram isso nessa bela nota que o gentleman Karnal certamente vai reconhecer que os discípulos superaram o mestre” …. ——-> Aluninhos e aluninhas que ainda adotam as perspectividades unilaterais pelo vovozão Marx e Max Weber revisitadas pelo Marxismo Cultural da Escolinha de Frankfurt & outras Amebas do academicismo criticável lá da Europa tão decadente são hilários demais em suas alucinações !!!

    [ Socorroooooo !!! ]

    Z H P L K S II .

    1. Conceição Oliveira Responder

      vivemos a era em que os estúpidos são arrogantes e adoram exibir sua imbecilidade na rede mundial de computadores, incrível.