AIDS também é questão de machismo

Hoje é o Dia Mundial de Combate à AIDS, uma excelente oportunidade para disseminar informações e conscientizar a população a respeito da doença e sua...

Hoje é o Dia Mundial de Combate à AIDS, uma excelente oportunidade para disseminar informações e conscientizar a população a respeito da doença e sua prevenção. Além da utilização de preservativos e da Profilaxia Pós-Exposição como métodos preventivos, a desconstrução do machismo pode auxiliar muito nessa luta. O machismo enraizado culturalmente gera diversos prejuízos nas vidas das pessoas – especialmente das mulheres. Pode-se dizer que a AIDS e outras doenças sexualmente transmissíveis fazem parte desses prejuízos, pois estão relacionadas ao comportamento sexual humano e, portanto, também habitam em contextos de abuso, coação e omissão.

É provável que você conheça algum casal que não usa camisinha, talvez porque a mulher já faça uso de outros métodos contraceptivos, tais como as pílulas ou injeções anticoncepcionais. Muitos casais não compreendem que a gravidez indesejada não é a única coisa com que devem se preocupar em evitar: várias DSTs, como a AIDS, só podem ser evitadas com o uso de preservativo. Mas nem tudo se deve ao mero “esquecimento” ou rejeição da camisinha: enquanto isso pode acontecer devido à simples negligência de ambos, também pode ser algo imposto e demarcado pela violência de gênero.

Há diversos relatos de mulheres que compreendem a importância do preservativo e desejam sua utilização, mas que não conseguem sequer dialogar com os parceiros a respeito porque são tratadas com misoginia. São homens que se sentem ultrajados pela sugestão da camisinha e insinuam que o único motivo por que uma mulher utilizaria um preservativo seria por estar transando com outras pessoas; afinal, se não traísse, não se preocuparia com isso. Outros afirmam que o sexo é mais prazeroso sem o uso da camisinha. Essas mulheres muitas vezes se sentem intimidadas e amedrontadas, possivelmente até porque já possuem a autoestima fragilizada ou porque estão em uma situação de dependência financeira, em que não é tão simples dar um fim ao relacionamento.

Se o parceiro demonstra ser perigoso também em relação às agressões físicas, as mulheres encontram mais dificuldades para estabelecer o uso da camisinha como condição para manter o relacionamento. Em uma sociedade que reproduz forças tão desiguais no campo do gênero, é importante ter consciência de que muitas mulheres ainda estão em situação de violência e são roubadas de qualquer autonomia.

Por isso, é preciso pensar seriamente nas estruturas machistas de poder e tomar medidas educativas para que mulheres e homens compreendam a importância da prevenção, sem que caiam em equívocos machistas tão comuns. Aos homens, é necessário conscientizá-los de que a prevenção contra DSTs é importante para a saúde de todos, seja em um relacionamento hetero ou homossexual, e que isso não pode ser negligenciado com base em ideias machistas. Exigir o uso da camisinha do parceiro não significa que a outra pessoa está fazendo sexo com mais gente e indo contra o acordo específico do casal. É preciso ensinar os homens a ter uma visão humanizada do corpo feminino e do seu direito de escolha. Às mulheres, que também devem romper tabus e preconceitos, devemos garantir redes de acolhimento e conscientização, para que saibam seguramente dos seus direitos e consigam terminar relacionamentos abusivos.

Negar cuidados básicos, negligenciar o cuidado com a saúde e expor a mulher a doenças sexualmente transmissíveis também é violência de gênero. Somente com a compreensão dessa realidade o combate à AIDS poderá avançar com eficiência.

Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora e receba em seu endereço!


Join the Conversation

1 comment

  1. Machista Opressor Reply

    Ri pra krl com essa merda, foda-se a questão de gênero parem de sexismo