Bate em mulher, depois diz que é feminista

Douglas, ex-participante do BBB (já que ontem foi eliminado da casa), declarou que se arrepende por ter esmurrado uma mulher em duas ocasiões, em uma delas deixando-a desacordada após a agressão. O rapaz ficou triste e se sentiu tolo por ter contado...

Douglas, ex-participante do BBB (já que ontem foi eliminado da casa), declarou que se arrepende por ter esmurrado uma mulher em duas ocasiões, em uma delas deixando-a desacordada após a agressão. O rapaz ficou triste e se sentiu tolo por ter contado seu feito de agressão ao vivo e no fundo sabe que a forma como relatou tudo foi parte do que resultou em sua eliminação. Preocupado com as oportunidades perdidas aqui fora, disse que está tão arrependido que hoje é até “feminista”. Ora, que conveniência, não?

Não sou de assistir ou comentar sobre o Big Brother Brasil, principalmente porque o programa já demonstrou, em diversas edições, que só serve para promover misoginia, racismo, homofobia e outros tipos de discriminação. Tal qual a emissora responsável por sua exibição, o programa é uma bela porcaria. De fato, Douglas não é o primeiro e nem será o último misógino a ganhar espaço na televisão; por isso, convido os leitores a fazerem uma análise dessa “masculinidade” sem autocrítica que, quando confrontada, apela para as estratégias mais baixas.

O Feminismo tem tido seu momento de atenção: algumas pautas do movimento social viram manchetes na televisão e matérias de revistas da grande mídia. Mas a verdade é que o fenômeno de homens machistas se declarando feministas não é nenhuma novidade. São muitos os homens que agem de forma machista, ofendem mulheres com insultos machistas, usam paradigmas e clichês machistas, e só enxergam e representam mulheres de maneira objetificada e hipersexualizada. Mas, quando são confrontados, correm para afirmar que as feministas são exageradas e radicais, pois seriam eles defensores dos direitos das mulheres.

Acontece que a observação das atitudes e da “masculinidade” reproduzida por esses indivíduos é essencial. Ser feminista significa se propor a uma reflexão crítica a respeito do próprio comportamento machista; é impossível ser um homem feminista e não ler mulheres feministas, não ouvi-las e não levar em consideração o que dizem sobre o machismo que sofrem. O homem feminista deve se dispor a desconstruir a “masculinidade” que lhe foi ensinada pela sociedade. E deve ir além: precisa aprender a confrontar, em seu círculo de amizades e convívio social, aqueles comportamentos que são machistas.

Há muitos debates dentro do movimento feminista. O que é ótimo, porque estimula um esforço pela inclusão de todos os grupos de mulheres que são marginalizados e não se encaixam na equivocada ideia universal de mulher. Portanto, considero que homens feministas podem, sim, existir. E tais homens podem fazer grande diferença, sobretudo quando confrontam a misoginia de seus pais, irmãos, amigos e colegas de trabalho. Acredito em homens feministas que repudiam a desigualdade e que por isso se esforçam para combater o próprio machismo dentro de si.

As mulheres precisam lutar e levantar a voz contra a misoginia constantemente, mesmo quando sentem medo. Superam as mais difíceis barreiras sociais e institucionais para denunciar a violência que sofrem, encaram o deboche e o descrédito, aguentam as mais sórdidas ameaças e conquistam seus direitos. A verdade é que já conquistamos muita coisa com o movimento de mulheres – e somos boas nisso. Os homens que se identificam como feministas precisam abandonar as velhas reproduções sociais de gênero, onde homens tomam lideranças, espaços e vozes e se sentem injustiçados quando algo não é sobre eles. 

Sim, o Feminismo também toca os homens. Também lhes traz coisas boas e afrouxa os rígidos padrões de “masculinidade”. Mas a parte que lhes toca não implica somente em benefícios, antes de tudo deve implicar em compromisso real de aniquilação do machismo. Por isso, “feministas” como Douglas – que são muitos, infelizmente – podem até tentar ludibriar algumas pessoas, mas suas atitudes violentas e a mentalidade que objetifica a mulher é facilmente identificada pelas feministas. E, como a história prova, as feministas não ficarão caladas diante disso.

Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora e receba em seu endereço!


Join the Conversation