Dayse Arruda é um símbolo da luta contra o machismo?

Dayse Arruda

 

 

 

 

A narrativa do sacrifício que vale a pena tem força na população brasileira. Tem uma forte conotação cristã, da resignação, de um estoicismo, sempre em busca de uma compensação futura.

As elites no poder usam e abusam disto para impor as suas vontades. Na defesa das propostas de redução de direitos sociais, trabalhistas e previdenciários, sempre a ladainha de que é preciso fazer sacrifícios para lá na frente ter os resultados.

Por isto, os meios de comunicação hegemônicos nos seus programas de entretenimento sempre dão peso a histórias de pessoas que passaram por privações e as venceram não por resistir ou lutar contra as opressões, mas por saber se resignar para colher frutos futuros.

Esta foi a tônica da narrativa midiática que ungiu Dayse Papparotto como a preferida da opinião pública e vencedora do Master Chef Profissionais, reality show apresentado pela TV Bandeirantes.

Aparece como vitória do Davi contra Golias.

Da menina pobre que teve que tomar tapa na cara do seu chef, trabalhar sem ganhar salário, sofrer toda a sorte de agressão machista durante a competição para levar o troféu. E diz ainda que aprendeu que na cozinha, tem que agradar o cliente mesmo que tenha cortado o seu dedo – continue cozinhando.

Não se trata de luta contra a opressão e sim de superar adversidades. Como uma jornada de herói.

Jornada que passa pela performance de autoritarismo feita pelos avaliadores durante a competição. Olhares autoritários ante a olhares submissos dos competidores. É preciso passar por isto para se chegar ao topo.

A opressão do machismo se transforma em adversidade. A agressão e o assédio moral do trabalho viram adversidades. Heroína é ela que soube superar tudo com resignação.

Em “Personalidade Autoritária”, Adorno fala que autoritário não é só aquele que manda, mas também que se submete docilmente à autoridade. Autoritarismo não é só uma prática de poder, mas um tipo de relação.

Dayse deu a resposta com a vitória? Pode-se dizer que sim. Mas quantas outras Dayses passam por isto todo dia e não ganham troféu nenhum?

 

Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.




Join the Conversation