Brasil passa vergonha nas Nações Unidas na reunião de direitos humanos

No dia 5 de maio, em Genebra, o Conselho de Direitos Humanos da ONU cobrou do Brasil a consolidação e evolução nas suas políticas de direitos humanos. O país passou vergonha. A reunião da ONU foi para realizar a chamada RPU (Revisão de Políticas Universais de Direitos Humanos). E aí mais de cem intervenções de membros do conselho apontaram diversos aspectos problemáticos no país.

Por Dennis de Oliveira*

No dia 5 de maio, em Genebra, o Conselho de Direitos Humanos da ONU cobrou do Brasil a consolidação e evolução nas suas políticas de direitos humanos. O país passou vergonha. A reunião da ONU foi para realizar a chamada RPU (Revisão de Políticas Universais de Direitos Humanos). E aí mais de cem intervenções de membros do conselho apontaram quatro aspectos problemáticos no país:

1-) A situação dos indígenas no Brasil – a preocupação das Nações Unidas é com a violência e morte de lideranças indígenas na luta pela demarcação das suas terras.

2-) Crescimento das mortes de defensores de direitos humanos – foram 69 no ano passado e 21 somente nestes quatro meses de 2017;

3-) Sistema prisional – o Brasil será julgado pela Corte Interamericana pelas mortes nos presídios no ano passado; o país tem a quarta maior população carcerária do mundo; na apresentação a ministra dos Direitos Humanos disse que a meta do governo é reduzir em 10% a população carcerária. Esta medida foi considerada pura demagogia, pois os planos de segurança pública discutidos no governo vão justamente no sentido contrário, de ampliar o encarceramento.

4-) Autonomia administrativa e financeira do Conselho de direitos humanos para que se possa garantir a plena implantação das políticas de direitos humanos no país.

As reformas e o ajuste fiscal também forem questionados pelos conselheiros da ONU, uma vez que o princípio básico de direitos humanos é a progressividade nos direitos econômicos, sociais e culturais. O ajuste fiscal vai na contramão.

Não é a primeira vez que as políticas de ajuste fiscal são criticadas pelos defensores dos direitos humanos nos fóruns internacionais.

A ministra LoislindaValois não ficou no encontro com as organizações não governamentais brasileiras que também participaram da reunião. A ministra apenas saudou a presença e depois se retirou, demonstrando o desrespeito do governo com a sociedade civil.

Por isto, notícias como a publicada hoje no jornal “Folha de S. Paulo” de aumento da violência no Rio de Janeiro, infelizmente tendem a ser mais comuns em um país que retrocede rapidamente nas políticas de direitos humanos.

*Dennis de Oliveira, professor da Universidade de São Paulo, coordenador do Centro de Estudos Latino-Americanos sobre Cultura e Comunicação (Celacc) e membro do Núcleo de Pesquisas e Estudos Interdisciplinares sobre o Negro Brasileiro (Neinb). E-mail: dennisol@usp.br

Foto:  ONU – CREATIVE COMMONS – CC BY 3.0









Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.



No artigo

Comentários

1 comment

  1. Carlos Responder

    Acabei de visualizar bandido queimando vitimas vivas depois de um assalto na região em qual trabalho. Os direitos humanos estão preocupados com eles.