A segregação racial, o encarceramento e o livre mercado

Por Dennis de Oliveira

A jurista norte-americana Michele Alexander, na sua obra The New Jim Crown: mass incarceration in colorblindness age, defende a ideia de que está em curso nos EUA uma nova política de segregação racial mas revestida de um daltonismo (não menção explícita da raça): a segregação pelo encarceramento em massa.

Segundo os dados de 2008, um em cada 21 negros estava preso nos Estados Unidos, contra um em cada 138 brancos. O encarceramento em massa cumpre um papel de segregar no sistema prisional quase 5% da população afro-americana e com a “vantagem” de se revestir de uma normalidade legal e criminal. Esta é a expressão do racismo na era do daltonismo, um racismo sem racistas, como bem define Eduardo Bonilla-Silva na obra Racism without racists.

Um racismo que se insere dentro da lógica do atual modelo de produção e consumo em que as tecnologias possibilitaram um aumento extraordinário da produtividade (reduzindo, portanto, a necessidade de mão de obra a ser empregada) e que se direciona para um consumo customizado, não massivo e restrito (reduzindo a necessidade de mercados consumidores massivos).

No Brasil, o crescimento do encarceramento nos últimos anos levou o país a ter a quarta maior população carcerária do mundo, atrás apenas de EUA, Rússia e China. Em termos relativos, a população carcerária brasileira é maior que a da China: aqui há 300 presos para cada 100 mil habitantes, lá são 190.

(Foto: Stéfany Seixas/Secom AM)

No Brasil, 61,6% dos presos são negros segundo dados do Infopen (Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias) de 2016. Um dado que mostra a perversidade deste sistema: mais de 40% dos presos estão na condição de provisórios, ou seja, não foram condenados em definitivo e aguardam o julgamento. O tráfico de drogas é o crime que mais encarcera.

Uma série de questões pode ser tirada desta situação. A redução das possibilidades de inclusão social no atual modelo capitalista – e agravadas pelo desmonte das políticas públicas feita pelo governo golpista – leva a exclusão estrutural, no qual a variável racial é o principal elemento definidor. E é desta exclusão estrutural com corte racial que se criam as condições objetivas para a implantação de políticas de encarceramento em massa, movida pela chamada guerra às drogas.

O campo conservador articula tanto os seus “intelectuais orgânicos” que defendem as medidas de desregulação neoliberais (como as reformas trabalhista e previdenciária) com o campo dos defensores mais radicais da violência policial (a chamada “Bancada da Bala”) e as narrativas salvacionistas de cunho religioso expressas na Bancada da Bíblia que disseminam a ideia de uma luta do bem contra o mal. Disto ainda emerge a ideologia da meritocracia que ataca a construção de redes de proteção social e benefícios de assistência, bem como as ações afirmativas. Enfim, racismo e liberalismo estão de mãos dadas.

 









Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.



No artigo

Comentários