Globo e tucanos tentam criar um clima de "já era" para envolver o país; mas impeachment poder ser barrado com Lula e povo na rua - Escrevinhador

Globo e tucanos tentam criar um clima de “já era” para envolver o país; mas impeachment poder ser barrado com Lula e povo na rua

por Rodrigo Vianna   A tentativa da máquina midiática a serviço do impeachment é criar um clima de “inevitabilidade”. Cerca de 30% do país está disposto a...

por Rodrigo Vianna

 

renan-e-lula-almocaram-em-brasilia-e-conversaram-sobre-terceirizacao-e-f

A tentativa da máquina midiática a serviço do impeachment é criar um clima de “inevitabilidade”.

Cerca de 30% do país está disposto a fazer qualquer coisa para tirar Dilma do cargo e prender Lula. É a turma do ódio! Há mais 10% ou 20% disposto a ir até o fim para defender Dilma e Lula.

Mas há uma imensa maioria de brasileiros (metade do país, talvez) que assiste a essa guerra , manifestando já algum cansaço. Já ouvi de muita gente que não é “coxinha” nem raivosa: “ah, acho que agora é melhor esse governo sair”; ou “o Lula tá sendo perseguido, ok; mas acho que agora pegaram o Lula, não vai ter jeito”.

Essa narrativa tem crescido rapidamente. É resultado da ampla campanha midiática – a mais dura desde que Vargas foi levado ao suicídio em 1954. E é contra essa narrativa que se movem as forças que vão às ruas neste dia 18.

A ideia de que é melhor encerrar logo a crise, ainda que com um impeachment sem base legal, nesse momento pode ser abraçada por empresários e por gente do povo que está cansada dessa guerra.

A tarefa central do governo é vencer essa etapa. Não será possível construir agora uma nova maioria a favor do governo e do projeto de centro-esquerda. Mas é possível sim fechar uma frente que garanta um terço do país (e da Câmara) contra o golpe parlamentar.

Quem vive em São Paulo ou Brasília tem a impressão, muitas vezes, de que o jogo já está jogado. “Não tem jeito”.Será?

Muita gente na rua, no dia 18 e no dia 31, e mais uma base reduzida (porém coesa) no Congresso são suficientes para barrar o avanço da direita – como numa espécie de Batalha de Stalingrado, em que a resistência quase impossível se transforma depois numa contra-ofensiva.

O que quer dizer isso?

Se o governo resistir ao impeachment, o cansaço com a guerra passará a jogar contra a oposição na etapa seguinte.

A maioria silenciosa do povo, a partir de junho ou julho, poderá ser conquistada para a ideia de que “ok, não rolou impeachment, então agora deixemos a Dilma e o Lula reconstruírem minimamente as bases econômicas do país”.

Pra isso, é tarefa absolutamente central a posse de Lula. A direita está obstinadamente tentando barrar a ida de Lula ao governo, porque sabe que ele pode sim segurar uma parte do PMDB, do PSD e talvez do PR e PP. Isso será o suficiente pra barrar o impeachment.

Por isso, a ordem das coisas é:

1 – Lula no governo e povo na rua;

2 – reunir uma tropa coesa (175 votos, em 500, bastam pra isso) pra barrar o impeachment na Câmara;

3 – na sequência, reconquistar o povo pra tese de que, se a guerra cansou, a oposição é que deve ser isolada, e deixar o governo trabalhar.

Fundamental também é refazer a frente de governadores que em dezembro havia divulgado a nota (que reproduzo abaixo) claramente contra o impeachment.

É preciso costurar a base de apoio popular no Nordeste, Minas, Rio. E manter de pé os movimentos sociais para combater o fascismo em São Paulo, Brasilia e no sul do país.

No curto prazo, não seremos maioria. Basta ser uma minoria coesa, com 30 por cento do país e dos votos na Câmara.

É esse o jogo do momento: não aceitar a tese de que “já era”.

A situação é difícil. Mas os abusos da Lava-Jato começam a favorecer a criação de uma base de “centro” que pode não embarcar na aventura de um impeachment que fará a profundar-se a quebra de legalidade promovida pela Lava-Jato.

É esse o jogo.

===

Nota Governadores do Nordeste (publicada em dezembro)

“Diante da decisão do Presidente da Câmara dos Deputados de abrir processo de impeachment contra a Exma Presidenta da República, Dilma Roussef, os Governadores do Nordeste manifestam seu repúdio a essa absurda tentativa de jogar a Nação em tumultos derivados de um indesejado retrocesso institucional.

Gerações lutaram para que tivéssemos plena democracia política, com eleições livres e periódicas, que devem ser respeitadas. O processo de impeachment, por sua excepcionalidade, depende da caracterização de crime de responsabilidade tipificado na Constituição, praticado dolosamente pelo Presidente da República. Isso inexiste no atual momento brasileiro.

Na verdade, a decisão de abrir o tal processo de impeachment decorreu de propósitos puramente pessoais, em claro e evidente desvio de finalidade. Diante desse panorama, os Governadores do Nordeste anunciam sua posição contrária ao impeachment nos termos apresentados, e estarão mobilizados para que a serenidade e o bom senso prevaleçam. Em vez de golpismos, o Brasil precisa de união, diálogo e de decisões capazes de retomar o crescimento econômico, com distribuição de renda.”

Robinson Farias (PSD – Rio Grande do Norte)
Flavio Dino (PCdoB – Maranhão)
Ricardo Coutinho (PSB – Paraiba)
Camilo Santana (PT – Ceara)
Rui Costa (PT – Bahia)
Paulo Câmara (PSB – Pernambuco)
Wellington Dias (PT – Piaui)
Jackson Barreto ( PMDB – Sergipe)
Renan Filho (PMDB – Alagoas)

 

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.


Join the Conversation

1 comment

  1. maria meneses Reply

    Lembrando a famosa frase de Mao ” Ousar lutar, ousar vencer” que serve para o momento e para nós que lutamos pela democracia,