A ordem democrática se rompe: o cerco nas ruas e nas instituições

Essa gente se engana se pensa que o golpe jurídico-midiático vai ser um passeio no parque. Não será. Todos pagarão preço alto, inclusive aqueles que hoje usam a violência simbólica (Globo/Veja et caterva) e a força jurídica para humilhar e destruir os adversários. por Rodrigo Vianna...

Essa gente se engana se pensa que o golpe jurídico-midiático vai ser um passeio no parque. Não será. Todos pagarão preço alto, inclusive aqueles que hoje usam a violência simbólica (Globo/Veja et caterva) e a força jurídica para humilhar e destruir os adversários.

por Rodrigo Vianna

PM cerca sindicatos: a esquerda está em minoria, mas PSDB teme reação até dia 18

Já não é mais possível dizer que estamos a um passo do rompimento da ordem democrática. O rompimento já aconteceu.

Há algumas semanas, escrevi aqui sobre esse “1964 em câmera lenta”. E o quadro se consolida.

PM cerca sindicatos: a esquerda está em minoria, mas PSDB teme reação até dia 18
PM cerca sindicatos: a esquerda está em minoria, mas PSDB teme reação até dia 18

Em São Paulo, capital reaça do Brasil, a PM comandada pelo governador Alckmin (PSDB) cercou sindicatos de trabalhadores desde sexta-feira. A Globo e a Veja atacam sem nenhum limite. Guerra de extermínio, para matar a esquerda e os movimentos sociais – estejam ou não alinhados a Lula. 

Ao contrário de 1964, o cerco não é comandado pelo Exército – que está quieto. Mas pela burocracia de Estado. Juízes, policiais federais, parcelas do Ministério Público Federal e das promotorias nos estados oferecem à classe média raivosa uma narrativa de “combate aos corruptos”.

1964 foi feito contra a corrupção e contra a esquerda. Nesse ponto, nada mudou. Mas os métodos são mais sofisticados.

Difícil explicar para setores mais moderados que há um golpe jurídico em curso, com apoio midiático; ou um golpe midiático, com apoio jurídico. Difícil porque surge sempre a pergunta: “mas um golpe? eles são apenas policiais e procuradores combatendo a corrupção”.

É a narrativa de que “o braço da lei não perdoa ninguém” (essa ideia devo à jornalista Laura Capriglione, formulada durante uma conversa angustiada sobre os rumos do país).

Claro que os setores organizados de esquerda e quem conhece a história do Brasil sabem bem do que se trata: combate à corrupção? Com Aécio (o senador do “terço de Furnas” e das 5 delações) e Alckmin (merendão e trensalão) comandando as massas de classe média?

Mas o fato é que essa narrativa de “braço da lei contra o partido dos corruptos” vem avançando, e atinge o ápice nesse fim-de-semana com a marcha de 13 de março.

As revistas semanais, a Globo e outras tvs servem a esse discurso, tornando “natural” que o combate à corrupção se faça apenas contra um partido e um setor da sociedade. A esquerda psolista e marineira não percebeu isso antes. Espero que agora perceba: não é o PT apenas que eles querem destruir…

Mas é evidente também que a aposta do governo Dilma, ao romper com a base popular que poderia fazer sua defesa, cria uma situação dramática.

Dilma apostou tudo na governabilidade “institucional”, digamos assim. E nos afagos ao “mercado”. Ficou sem apoio nas ruas, e não ganhou nada nos mercados e instituições.

Dilma entregou poder a Renan/PMDB do Rio, para enfrentar a ala do PMDB que desejava impeachment já em 2015. Pois agora é Renan, empoderado por Dilma na negociação do Pré-Sal, quem acerta os detalhes para o desfecho do golpe.

A PM cerca os sindicatos em São Paulo, a classe média vai pra rua, e o PMDB dá um prazo de 30 dias pra decidir a saída do governo. São 30 dias para acertar os ponteiros com os tucanos.

Em 1964, Jango caiu quando o PSD abandonou o governo e se uniu à UDN, isolando os trabalhistas. É exatamente o movimento que se repete: a UDN (tucanos) atrai o PSD (temer e seus garotos) para o ataque final.

Eles estão com pressa. Precisam derrubar Dilma e parar a Lava-Jato antes que a investigação (via STF) chegue (já chegou) a Aécio, Renan e Temer.

A essa altura, há quatro fatores que podem interromper o cerco e frear a escalada golpista:

  • Lula, no governo ou nas ruas, comandar a resistência e reagrupar o que resta de movimentos organizados dispostos ao combate (a direita faz cálculos pra saber se é melhor mantê-lo livre ou preso, qual situação seria menos danosa ao golpe);
  • a Lava-Jato, via STF, trazer novas revelações que podem desmoralizar os golpistas (Moro não o fará, porque ele integra a inteligência do golpe institucional; mas Teori mostra que não pretende poupar tucanos e peemedebistas)
  • a esquerda ir pras ruas e mostrar de forma decidida que não aceitará a colombianização do Brasil (na Colômbia, há uma combinação de autoritarismo, exclusão das esquerdas do jogo político e ataque aos direitos – tudo disfarçado sob o manto da “normalidade” institucional) ;
  • a direita cometer novos “erros” que comprometam seu avanço.

Esse último ponto é o que chamo de “o imponderável de Almeida”.

A ação do MP de São Paulo foi claramente um erro do lado de lá. A petição dos 3 patetas – inepta, absurda – escancara a escalada autoritária travestida de legalidade.

A direita erra, por sua arrogância.

Temer errou com sua carta chorosa, Moro errou na condução coercitiva de Lula, o MP-SP errou esta semana com a petição dos 3 patetas. Alckmin erra usando a truculência da PM.  Erram porque acreditam na miragem de que haja “um país inteiro a favor de derrubar o PT, seja de que jeito for”.

A realidade não é bem essa.

Há maioria do povo, sim, inconformada por Dilma ter abandonado o programa vitorioso em 2014. E há a direita de classe média, insuflada pela mídia e por Moro.

O segundo grupo fará qualquer coisa pra derrubar o governo e prender Lula. Acha que está liberado para o vale-tudo. Mas o primeiro grupo, ao ver o abuso do segundo, pode compreender o que há em jogo.

Contemos com a capacidade da direita de escancarar seus métodos.

A direita – que cerca sindicatos e persegue (com PF e procuradores) um ex-presidente e todos aqueles que estão com ele – vai mostrar sua cara nos próximos 30 dias. Vamos ajudar a expor esse rosto sombrio.

Eles entraram numa guerra total. Estão mais fortes. Mas em posição de força muitos exércitos cometem erros. É com isso também que podemos contar, na defesa da democracia.

Mas não sejamos ingênuos. A situação é muito favorável a um golpe institucional, pela direita.

O que nos anima é que a história dá voltas. Um ataque truculento agora, ainda que amparada pela legalidade, deve ser enfrentado de forma firme.

Os movimentos sociais e a esquerda podem até perder essa batalha agora. Mas travá-la é fundamental, porque logo adiante esse governo de direita que pretende se implantar no Brasil vai mostrar seus limites.

Essa gente se engana se pensa que o golpe jurídico-midiático vai ser um passeio no parque. Não será.

Todos pagarão preço alto, inclusive aqueles que hoje usam a violência simbólica (Globo/Veja et caterva) e a força jurídica para humilhar e destruir os adversários.

A resistência será longa, devemos olhar para longe. Lutar agora – mesmo em minoria – significa mostrar que estamos vivos e que não aceitamos o desmonte do Brasil, dos direitos sociais, do Estado nacional.

Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora e receba em seu endereço!


Join the Conversation

7 comments

  1. Marcos Reply

    Assim como na luta contra o apartheid , em Soweto, é preciso repetir bem alto : Don’t mourn, mobilize ! Não lamente, mobilize ! Vamos à luta !

  2. tiao Reply

    já passou da hora da onça beber água.Vamos pra cima desta putada.

  3. Messias Franca de Macedo Reply

    [Da série “Mais um amigão do Alckmin, do FHC, do (S)erra do ‘Aécio Furnas’ et caterva blindado para ‘o vazamento do esquecimento’ da (mega)corrupção”!]

    ENTENDA MAIS UM EXEMPLO DE ESTRATÉGIA DO ‘MODUS OPERANDI’ MAFIOSO DO *PIMG

    *PIMG (Partido da Imprensa Mafiosa &$ Golpista)

    Desde sempre o segmento superior da página principal do portal uol/folha costuma trazer manchetes espalhafatosas atacando o governo da presidente Dilma Rousseff, o [eterno] presidente Lula e o PT.
    No meio da mesma página os assuntos reservados dizem respeito a esporte, entretenimento [notas relacionadas às novelas chinfrins e ao BBB ambos do Projac, ‘barracos’ e frivolidades envolvendo celebridades, gastronomia, turismo e etcétera do gênero]…
    Dileto(a) (e)leitor(a), agora, pasme:
    ninguém de sã consciência imaginaria que na atual quadra de denúncias acerca do tema corrupção fosse encontrada a seguinte notícia cuja manchete foi ‘vazada’ quase que para o rodapé da referida página principal do nebuloso portal uol/folha – e postado de madrugada [provavelmente, a manchete não irá resistir a 24 horas até ser “incinerada no Inferno do Esquecimento”]…

    ***

    Ex-ministro de FHC vira réu por lavagem de dinheiro em processo desmembrado do mensalão

    Carlos Eduardo Cherem
    Colaboração para o UOL, em Belo Horizonte 12/03/201600h10

    O ex-ministro das Comunicações no primeiro mandato do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e candidato derrotado ao governo de Minas Gerais nas eleições de 2014, Pimenta da Veiga, virou réu em processo pelo crime de lavagem de dinheiro em processo desmembrado da Ação Penal 470, o mensalão do PT. Se condenado, Pimenta da Veiga estará sujeito a uma pena que pode ir de 3 até 10 anos de prisão.
    Um dos fundadores do PSDB em 1988…
    (…)

    FONTE: http://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2016/03/12/ex-ministro-de-fhc-vira-reu-por-lavagem-de-dinheiro-em-processo-desmembrado-do-mensalao.htm

  4. Messias Franca de Macedo Reply

    ENSAIO SOBRE A DEPRESSÃO

    Inacreditável:
    a profundidade da sordidez abjeta e a covardia deste títere (ir)responsável pela festiva (sic) ‘Guantánamo do Paraná’!
    Criminalizar os presentes que o [eterno] presidente Lula recebeu durante os oito anos de mandato.
    Mandato conferido democraticamente pelo verdadeiro, sapiente, impávido e honesto povo trabalhador brasileiro!
    Mais uma molecagem surreal!
    Psicopatia militante!
    E a patacoada criminosa perpetrada em seguida ao momento em que “o juiz do ‘braZ$&l’” [somente rindo!] se avistou com o almofadinha “cheiroso” DEMoTucano [mega]corrupto João Dória Jr. “do ‘Picolé de Chuchu’ do MERENDÃO” em evento realizado no antro da LIDE…

    RESCALDO:
    aprofunda-nos um sentimento repulsivo de depressão crônica!
    Quiçá, um atalho para a corja fascista, definitivamente, assaltar o poder tão cobiçado!…

    Vade retro Satanás!

    Perdão ao Satanás!

  5. Messias Franca de Macedo Reply

    A vergonha meganho-midiática: acervo de FHC é “cultura”, o de Lula é “mão grande”

    Por conspícuo e impávido jornalista Fernando Brito
    12/03/2016

    O cinismo no Brasil passou de todos os limites.
    O acervo presidencial de Lula, que não tem coisa alguma a ver com a Lava Jato, está sendo objeto de investigação dos meganhas de Sérgio Moro.
    Que vazam para a imprensa as imagens de prêmios, comendas e presentes recebidos por ele como se tivessem sido “afanados” do Palácio.
    Porque será que os editores dos jornais não se interessam em fazer o óbvio, indagar se isso é uma regra, normal, ex-presidente ficarem com objetos ganhos, exceto aqueles recebidos em cerimônia de troca de presentes, como diz a lei?
    Não precisa muito. É só ir no site do Instituto Fernando Henrique Cardoso e ler, no final da página:
    “Aproximadamente 1.500 objetos preciosos ou curiosos testemunham as homenagens que lhe foram prestadas por populares e autoridades nacionais e estrangeiras. E cerca de 100 condecorações e 17 prêmios contam a história das honrarias a ele concedidas dentro e fora do país.
    (…)
    Então, adota-se a odiosa máxima: “branco correndo é atleta, preto correndo é ladrão”.
    O acervo de FHC é cultura, o de Lula é “mão grande”.
    Não, senhores, quem é desonesto é quem produz uma manipulação destas: na polícia, na Justiça e na imprensa.

    FONTE [LÍMPIDA!]: http://tijolaco.com.br/blog/vergonha-meganho-midiatica-acervo-de-fhc-e-cultura-o-de-lula-e-mao-grande/comment-page-1/#comment-262171

  6. Messias Franca de Macedo Reply

    … E a [mega]soNEGAção fiscal da Natura® da *’Fadinha vestal da floresta do pau oco’ é, digamos, “contribuição metafísica ao ambientalismo sustentável”!
    *Sim, a Blábláblárina também do ItaÚÚÚúúúúúú…
    Silva?!
    Companheira?!
    Crente?!
    Natureza ou Natura®?!

    $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

    Natura é condenada a pagar R$546 milhões por sonegação fiscal

    12/03/16 às 12:30

    (…)

    FONTE: http://www.bomdiafeira.com.br/noticias/8010/natura-e-condenada-a-pagar-rs546-milhoes-por-sonegacao-fiscal.html

  7. Messias Franca de Macedo Reply

    UM MÍSSIL NO COLO DO “juiz” ‘mor(T)o’!

    O centenário Banco do Brasil tem a obrigação e o dever institucional de processar criminalmente o DEMoTucano “juiz” (ir)responsável pela ‘Guantánamo do Paraná’ – &$ o restante dos integrantes da ‘PORCA-tarefa’ da midiática, nazifasciterrorista &$ golpista Operação ‘Lava [DEMoTucano a] Jato’, inclua-se o PIMG (Partido da Imprensa Mafiosa &$ Golpista).
    Os crimes que foram imputados ao Banco do Brasil:
    ocultação de patrimônio, lavagem de dinheiro, estelionato, peculato, entre outros.

    Com a palavra cívica, pedagógica, histórica e Legal o Banco do Brasil!

    NOTA:
    se a diretoria do Banco do Brasil assim não proceder, os homens e as mulheres de bem do Brasil deverão processar a referida instituição financeira pública.