Temer, agora “arrependido”, mostra que governo Dilma virou o jogo

Temer, de cabeça baixa, se prepara pra fechar acordo com governo por Rodrigo...

Temer, de cabeça baixa, se prepara pra fechar acordo com governo
Temer, de cabeça baixa, se prepara pra fechar acordo com governo

por Rodrigo Vianna

A política é feita de sinais. Quando escreveu a insólita carta para Dilma, em dezembro, Michel Temer enviava um sinal para o PSDB de São Paulo (com quem se reunira alguns dias antes): embarquei na aventura do impeachment, contem comigo.

Temer, de cabeça baixa, se prepara pra fechar acordo com governo

Ali, Temer tentou dar o bote. Mas errou o cálculo. Nos dias seguintes, as reações nas redes sociais e na sociedade transformaram o vice num personagem menor: “decorativo”, como ele mesmo escreveu na ridícula carta.

Temer se abraçou a Eduardo Cunha e a José Serra na hora errada, e agora está ameaçado de ficar sem a presidência da República e também sem a presidência do PMDB. É por isso que, neste início de 2016, Temer emite novos sinais. Fez chegar à imprensa que está “arrependido” de ter escrito a carta (clique aqui pra saber mais sobre o Temer arrependido). Trata-se de movimento calculado, numa operação de redução de danos.

Um importante parlamentar do PT, com quem conversei hoje, disse que a estratégia do governo Dilma passa por uma recomposição com Temer – mas tendo agora o vice numa posição mais fraca.

O vice “decorativo” terá que aceitar um acordo em que ele, Temer, permaneça à frente do PMDB, mas com Leonardo Picciani (PMDB-RJ) na liderança de um PMDB majoritariamente governista. Claro que a bancada do maior partido na Câmara seguirá fracionada, mas esse arranjo garantiria os votos para barrar o impeachment e, mais à frente, eleger o próprio Picciani para a presidência da Câmara – depois de um provável afastamento de Eduardo Cunha, promovido pelo STF.

Michel Temer sonhava com um salto maior. Mas errou o bote. E agora precisa se realinhar com Dilma. Até porque os dois (Temer e Dilma) terão que estar juntos na batalha que travarão no TSE, contra a pretensão golpista (do PSDB  e de Marina Silva) de cassar a chapa vencedora na eleição de 2014.

A nova composição com Temer é parte da estratégia de reorganizar o governo, para enfrentar uma conjuntura ainda difícil em 2016. A outra parte da operação, garante a este blogueiro o parlamentar do PT,  é trazer o PSB de volta à base governista.

O PSB não tem tantos votos na Câmara, mas há o aspecto simbólico: o governo, com Temer e o PSB, mostraria força pra seguir até 2018 sem maiores sobressaltos.

Esta operação está em curso neste momento.

As declarações de Temer, que agora se mostra arrependido da famosa carta, são uma prova de que o governo está ganhando a batalha no PMDB. E esse será um passo decisivo para enterrar o impeachment, ainda no primeiro semestre de 2016.

O que pode atrapalhar essa operação? A economia. O Brasil terá meses muito difíceis em abril/maio – quando milhares de trabalhadores (demitidos em 2015) deixarão de contar com o seguro-desemprego. A expectativa entre os governistas é enfrentar os sobressaltos sociais de 2016 com uma posição já mais consolidada no Parlamento.

Pra isso, é fundamental que a economia comece a reagir no fim do primeiro semestre. Pra isso, o aumento do salário mínimo, o reajuste das aposentadorias e o acordo de leniência com as empreiteiras investigadas na Lava-Jato cumprem um papel fundamental.

A impressão deste blogueiro é de que, apesar dos erros de comunicação de Dilma (que falou em nova reforma da Previdência neste início de 2016), o governo voltou a ter estratégia na política. A cabeça baixa de Michel Temer é um sinal evidente disso.

Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora e receba em seu endereço!


Join the Conversation

7 comments

  1. Emmanuel Ramos de Castro Reply

    Michel Temer, o Joaquim Silvério dos Reis do governo Dilma, é o traidor que traiu sem nunca ter traído. Não é pra rir?

  2. marcosomag Reply

    Um cara de 74 anos como o Michel Temer pagar aquele mico da “sofrência”; é para ficar de joelhos no “cantinho do pensamento” durante muito tempo. E quanto ao PSB, caso analista internacionais como Wayne Marsden (aquele jornalista estadunidense que escreveu em um site de geopolítica que a CIA derrubou o avião de Eduardo Campos para colocar no lugar “a puppet” de George Soros) estejam certos, é caso perdido. Foi comprado pelo Departamento de Estado e militantes de esquerda como Roberto Amaral estão totalmente deslocados no partido. Dilma vai ter que fazer a recomposição com o baixo clero mesmo, quando ele estiver afastado do futuro presidiário, Eduardo Cunha.

  3. Esmael Leite da Silva Reply

    Temer é temerário, aliou-se fortemente a Alckmin que é partidário de um regime de força.

  4. Claudio Freire Reply

    Bem vindo de volta, Rodrigo.

  5. Celso Junqueira Reply

    Agora sim, Temer é um vice decorativo.

  6. Fabio Reply

    O PT como sempre de quatro para o PMDB.
    Recompor o que com o Temer, esse sujeito golpista, sujo, entreguista.
    A sra Dilma e o decadente PT se fossem ou tivessem um minimo de carater, dignidade e respeito aos seus eleitores, deveria de vez isolar esse vice golpista e abrir caminho para o PMDB governista e não o PMDB que segui o golpista Temer.
    So tenho uma certeza, quem é de esquerda, está orfão, porque o PT deixa claro que se mudou para a centro direita de vez

  7. Erick Reply

    Uma vez traíra, as pessoas ficam com as barbas de molho, pois a nova trairagem ronda constantemente no desconfiômetro de cada um. Esse é o preço que se paga: confiança, nunca mais!