Pesquisa da PUC: “a Veja e o anti-jornalismo”

“Virou um verdadeiro pasquim, com matérias que se revelaram fantasiosas e recheadas de ataques e manipulações da informação”. A frase é de Fábio Jammal Makhoul, autor de uma dissertação de mestrado sobre a cobertura feita pela revista Veja, durante o primeiro mandato do presidente Lula. Confira a entrevista exclusiva com o pesquisador da PUC de São Paulo!   Read More

A obsessão da revista: derrubar Lula

Por Juliana Sada

Criada em setembro de 1968, a revista “Veja” é a publicação semanal brasileira de maior tiragem, teoricamente com cerca de um milhão e duzentos mil exemplares. Criada por Mino Carta, atualmente diretor de redação da Carta Capital, e Victor Civita – estadunidense filho de italianos, fundador do Grupo Abril – a revista foi por um longo período paradigma para o jornalismo brasileiro. Por sua redação, passaram nomes importantes da profissão; e, por suas páginas, grandes personagens da história – entre seus entrevistados estão Vinícius de Moraes, Yasser Arafat, Salvador Dalí, Tarsila do Amaral e Sérgio Buarque de Holanda.

Mas, em anos recentes, a revista tornou-se alvo de intensas críticas. Na internet, disseminam-se pequenas e grandes iniciativas de informação e contraponto ao tipo de jornalismo feito por lá. Esse mesmo Escrevinhador denunciou a entrevista que nunca existiu, mas que a revista publicou; e mostrou a história do professor que foi alvo de manipulação pelo veículo, além da peculiar análise do semanário sobre a Bolívia .

O jornalista Fábio Jammal Makhoul decidiu debruçar-se sobre a revista Veja para formular sua tese de mestrado em Ciência Política para a PUC de São Paulo. A dissertação analisou a publicação durante o primeiro mandato de Lula , de janeiro de 2003 a dezembro de 2006. Fábio constatou que houve, de modo deliberado, uma cobertura tendenciosa com o objetivo de desestabilizar o governo. Os números são impressionantes: “40,6% da cobertura de Veja sobre o primeiro governo petista noticiou os escândalos do Planalto e, conseqüentemente, Lula e o PT de forma negativa”. O governo ocupou “54 capas de Veja, das 206 publicadas no período”, destas “32 tratavam de escândalos, segundo classificação da própria Veja, ou seja, 59,3% do total”.

Segundo Fábio, esse sistemático ataque levou ao surgimento de inúmeras críticas que “abalaram a própria revista, que se sentiu na obrigação de reafirmar sua ‘imparcialidade e independência’ a todo o tempo em 2005 e 2006”.

O Escrevinhador entrevistou Fábio Jammal Makhoul para expor e debater seu estudo e o papel desempenhado pela revista. Confira a seguir.

Como surgiu a ideia de estudar a revista Veja?
O principal motivo que me levou a pesquisar a revista Veja é jornalístico. A degradação do jornalismo da revista nos últimos anos foi assustadora. Veja é a maior revista semanal de informação do Brasil, com tiragem superior a 1,2 milhão de exemplares. Um número muito maior que o das demais publicações do segmento. Veja é a quarta maior revista de informação do mundo e seu jornalismo já foi referência para toda mídia impressa brasileira. Mas, nos últimos anos, o semanário também se transformou no maior fenômeno de anti-jornalismo do país.

De 2005 para cá, a revista se perdeu completamente em reportagens baseadas em ilações e xingamentos, que ignoraram as regras mais básicas do jornalismo e rasgaram todos os códigos de ética da profissão. Virou um verdadeiro pasquim, com matérias que se revelaram fantasiosas e recheadas de ataques e manipulações da informação. Isso não quer dizer que o PT e o governo Lula sejam os bonzinhos da história e nem as vítimas da grande imprensa. Pelo contrário, houve erros gravíssimos na administração federal, que precisavam ser apurados e divulgados pela mídia.

Entretanto, o jornalismo da grande imprensa conseguiu ser mais antiético que os próprios políticos que eram acusados, com erros grosseiros que comprometeram a imagem desses veículos, principalmente a da revista Veja, que foi a mais engajada na tentativa frustrada de derrubar o presidente da República em 2005 e 2006.

Muito se fala sobre cobertura parcial da Veja. Por meio da sua pesquisa, foi possível constatar a veracidade dessas observações?
Sim, e nem precisava de uma pesquisa acadêmica ou mais aprofundada. Basta uma leitura simples da revista para constatar que Veja tem um lado quando o assunto é política. Hoje temos uma bipolarização partidária no Brasil, com PT e PSDB monopolizando a disputa eleitoral. E a revista Veja está claramente do lado do PSDB e completamente contra o PT. Se você pesquisar a revista desde o início dos anos de 1980 vai constatar que o Partido dos Trabalhadores e o próprio Lula nunca tiveram um tratamento positivo nas páginas de Veja.

Essa história de imparcialidade da imprensa não existe. Os veículos de comunicação são empresas e têm seus interesses e preferências políticas. O jornal O Estado de S. Paulo, por exemplo, sempre foi conservador e nunca escondeu isso. Assumir uma posição ideológica ou política não é ruim. É até saudável e democrático, os grandes jornais da Europa e dos Estados Unidos fazem isso. Pelo menos, o leitor sabe claramente qual é a orientação editorial da publicação. O problema é quando se abandona o jornalismo para se transformar num panfleto político-partidário. E foi o que aconteceu com Veja de 2005 para cá.

Nos dois primeiros anos do primeiro mandato de Lula, o semanário ainda fez jornalismo, mas, ao apostar que poderia derrubar o presidente da República em 2005, perdeu a aposta e a credibilidade. Com o escândalo do “mensalão”, Veja captou o antilulismo e o antipetismo da chamada classe média que lê a revista e iniciou sua campanha pelo impeachment do presidente. Só que a questão política serviu para que Veja se sentisse à vontade para cometer os abusos que quisesse. Uma coisa é a crítica política que se viu no Estadão e n’ O Globo, por exemplo. Outra coisa é partir para o xingamento, como fez Veja.

Você poderia citar capas e matérias que seguramente continham distorções, inverdades, ataques ou parcialidade?
Há muitos exemplos, principalmente em 2005 e 2006. Uma das capas que mais me chamou a atenção foi a da edição de 16 de março de 2005. A revista tentou fabricar uma crise para os petistas, com uma reportagem que prometia ser “bombástica”. A manchete da capa era: “Tentáculos das Farc no Brasil”. Em letras menores, a revista diz que “espiões da Abin gravaram representantes da narcoguerrilha colombiana anunciando doação de 5 milhões de dólares para candidatos petistas na campanha de 2002”.

A capa é chamativa, cheia de dólares ao fundo e uma foto do militante petista que teria recebido dinheiro das Farc. Embora a revista tenha considerado a reportagem forte o suficiente para ser a capa da edição, no corpo da matéria há três ressalvas de que o semanário não tinha como comprovar as acusações. O tema foi repercutido por um mês até sumir das páginas de Veja. O Ministério Público e o Congresso Nacional investigaram e não acharam nada e a revista sequer se desmentiu o publicou o final da história. Capa parecida foi a de 2 de novembro de 2005, que dizia que a campanha de Lula recebeu dólares de Cuba. A matéria é toda fantasiosa e com denúncias em off que nunca se confirmaram.

Levantamento e classificação das capas. Clique na imagem para vê-la maior.

Uma das partes da sua dissertação se intitula “O discurso político das capas”. Você poderia explicitar qual é este discurso?
Nos quatro anos do primeiro mandato de Lula, o governo e o PT foram os principais temas da capa de Veja, ocupando mais de um quarto das manchetes do período. Com 49 capas negativas, a revista lançou mão de uma estratégia discursiva que visava claramente dar a Lula o mesmo destino de Collor: o impeachment. Sem sucesso neste intento, o semanário passou a trabalhar para evitar a reeleição do petista. A revista não foinada sutil em sua estratégia, pelo contrário, foi arrogante, agressiva, preconceituosa. O preconceito, aliás, foi uma das modalizações discursivas contra o governo mais utilizadas pela publicação, principalmente na capa. Desde o primeiro ano do mandato, em 2003, a revista procurou tematizar sobre a ética no PT. O enunciador sempre deixou claro que ela não passava de discurso para chegar ao poder, mas, assim que os escândalos começaram, Veja tratou de provar que o PT era pior que os demais partidos neste quesito. Entre os muitos preconceitos despejados pelo enunciador na capa está a associação entre o PT e bandidos; de traficantes a assassinos.

A suposta falta de escolaridade e de atenção dos petistas com a educação também foram bastante exploradas, sendo que o enunciador não se intimidou para fazer alusão ao animal burro em diversas ocasiões. O esquerdismo do PT também foi apresentado negativamente e de forma preconceituosa. Veja mostrou aos leitores que a máquina pública foi tomada pelos petistas, que aparelharam o Estado como fizeram os soviéticos. Aliás, autoritarismo foi outro tema explorado, que procurou mostrar um PT stalinista e ditador.

A corrupção, entretanto, foi o tema mais explorado nas capas que retrataram o PT e o governo Lula. Com uma série de escândalos em pauta, a revista usou uma das estratégias mais controversas e criticáveis: a comparação entre Lula e Collor. Comparações são sempre complicadas, mas o enunciador de Veja, posicionado e ideológico, relacionou os dois presidentes de forma simplista e forçada.

Com esta modalização discursiva, Veja pôde finalmente trabalhar pelo impeachment de um Lula sem moral, sem ética, corrupto, chefe de quadrilha, despreparado e que fez um primeiro mandato pífio, segundo as capas do semanário. Assim, a revista ousou também decretar o fim do PT. Errou em todas as apostas. Para justificar suas derrotas, Veja encontrou uma explicação baseada e mais preconceitos. Na edição de 16 de agosto de 2006, quando as pesquisas apontavam vitória fácil de Lula na disputa pela reeleição, Veja veiculou uma capa com a foto de uma jovem negra segurando o título de eleitor. A manchete era: “Ela pode decidir a eleição”. O subtítulo explica quem é ela: “nordestina, 27 anos, educação média, 450 reais por mês, Gilmara Cerqueira retrata o eleitor que será o fiel da balança em outubro”. Ou seja, ela é o retrato do Brasil e não dos leitores da revista, que são das classes A e B. Para esses, que o enunciador de Veja aposta que sabem votar, resta a resignação, já que os negros, pobres, analfabetos e nordestinos vão decidir as eleições.

Na introdução do seu trabalho, você apresenta a revista Veja como protagonista de escândalos. Ao que você se refere ao chamar a Veja de protagonista?
Podemos dizer que praticamente toda a chamada grande imprensa aproveitou os erros e desmandos do PT na primeira gestão do Lula para denegrir a imagem do partido e impedir a reeleição do presidente. Mas a revista Veja foi protagonista porque foi a mais enfática na campanha contra os petista e a que mais cometeu erros do ponto de vista jornalístico. Além disso, suas reportagens serviram tanto para iniciar um escândalo como para mantê-lo na pauta da mídia. Em muitos momentos, principalmente durante o escândalo “mensalão”, as reportagens de Veja alimentaram os jornais diários e a própria TV.

Você afirma que “ao todo, Veja publicou 206 edições entre 1° de janeiro de 2003 e o dia 31 de dezembro de 2006. Neste período, a revista produziu 621 reportagens sobre o primeiro governo do PT. Dessas, 252 trataram dos escândalos.” Isso quer dizer que, na média, havia três matérias sobre o governo por edição e sempre uma sobre algum escândalo?
Sim, e mesmo quando a matéria não era sobre escândalos, o enfoque que era dado ao Lula e ao PT era negativo. No meu trabalho deixo claro que o Partido dos Trabalhadores, uma vez no poder, cometeu uma série de irregularidades que deveria sim ser apurada e noticiada. Mas a forma com que a grande imprensa fez a cobertura, principalmente a Veja, visava apenas derrubar o PT do poder e não denunciar as mazelas do nosso sistemas político e eleitoral brasileiro, que estão no cerne do “mensalão” e de vários outros escândalos e que continuaram intactos. Muitos desses problemas que geram toda sorte de abuso de poder são antigos e foram mostrados por diversos autores.

Talvez o melhor lugar para se buscar conhecimento sobre o funcionamento da política seja na obra de Nicolau Maquiavel. Não é à toa que sua bibliografia é chamada de realismo político. Lá se encontra a pura realidade sobre a política. Para divagar um pouco, me arrisco a fazer um paralelo entre Maquiavel e o governo Lula. O PT sempre empunhou a bandeira da ética e bradou que é possível ter “pureza” dentro do jogo político e eleitoral brasileiro. Mas, para chegar ao poder, teve de lançar mão das mesmas práticas que condenava em outros partidos, assim como fez para governar o país. Um jornalismo investigativo sério e isento poderia constatar isso e denunciar de forma séria e isenta. Assim, o PT mostraria o realismo político, que desnudaria os problemas que assolam nossos sistemas político e eleitoral.

Uma cobertura sóbria, que não fosse tendenciosa ao ponto de mostrar que o governo do PSDB sim foi puro, poderia causar uma indignação suficiente para que o Brasil finalmente fizesse uma reforma que melhorasse efetivamente os nossos sistemas político e eleitoral. Mas, ao fazer uma cobertura parcial e tendenciosa, o jornalismo chamou mais a atenção do que os escândalos que noticiava, não contribuindo em nada com o país.

As capas analisadas, de 2003 a 2006, seguiram sempre o mesmo tom ao tratar do PT? É possível delimitar períodos de maiores ofensivas ou recuos?
Veja só se manteve recuada nos ataques no primeiro ano do mandato de Lula, 2003. Em 2004, começou sua ofensiva, embora de forma meio tímida. Mas em 2005 e 2006, Lula e o PT foram os principais temas da capa. Em 2005, das 52 edições, Lula e o PT aparecem de forma negativa em 24 capas, sendo 18 delas classificadas pela própria Veja no tema escândalo. Ou seja, quase a metade das edições abordaram o presidente negativamente. Em 2006, último ano de governo, Veja publicou 15 capas sobre Lula e o PT, todas desfavoráveis em pleno ano eleitoral.

Nos quatro anos do primeiro mandato de Lula, o governo e o PT foram os principais temas da capa de Veja, ocupando mais de um quarto das manchetes do período. Foram 49 capas negativas, sendo 39 só em 2005 e 2006. Comparativamente à atuação de governos passados, o tratamento da imprensa e de Veja à gestão Lula foi muito desigual. Durante a era tucana, por exemplo, as denúncias contra o governo federal não tiveram muito destaque. Em 1997, o presidente Fernando Henrique Cardoso foi acusado de comprar votos para a aprovação da emenda que permitiu sua reeleição, havia denúncias sobre as privatizações e corrupção em vários órgãos ligados ao governo federal, como a Sudam e a Sudene. Naquele ano, apenas uma capa foi feita sobre as acusações, com a foto de Sérgio Motta, então ministro-chefe da Casa Civil, e a chamada da capa era: “Reeleição”.

Já em 2005, com Lula na presidência, forma dezoito capas sequenciais durante quatro meses de puro bombardeio. Veja chegou a defender o fim do PT e que isso seria benéfico para a política brasileira, já que até na oposição sua atuação foi prejudicial para o país. Veja nunca havia defendido o fim de nenhum partido e nem usado tantos adjetivos negativos como usou para falar sobre os petistas.

Em 2006, em pleno período eleitoral, a revista veiculou cinco capas negativas para o governo, entre 23 de agosto e 25 de outubro. Isto quer dizer que as capas de metade das edições de Veja que circularam enquanto as eleições se definiam eram ruins para Lula. Enquanto isso, Geraldo Alckmin (PSDB), seu principal adversário, não apareceu negativamente em nenhuma capa de Veja neste período. Pelo contrário, neste período o candidato do PSDB era mostrado de maneira positiva. Só no período do segundo turno das eleições, Lula foi alvo de quatro reportagens de Veja e em todas elas ele aparece de forma negativa. Já Geraldo Alckmin aparece em duas matérias neste período. Ambas com abordagens positivas para o tucano.

As manchetes veiculadas nas capas estavam de acordo com a reportagem produzida ou havia discrepâncias com o intuito de chamar a atenção do leitor?
As manchetes eram mais sensacionalistas, mas as reportagens também seguiam a mesma linha. Ainda assim, é possível perceber muitas discrepâncias, como aquela capa das Farc que eu já citei. Na capa, Veja afirma que o PT recebeu dinheiro das Farc e na matéria há três ressalvas de que o repórter não conseguiu nenhuma prova. Outra capa que chama a atenção é aquela que eu também citei sobre a nordestina, negra e pobre que iria decidir a eleição em favor de Lula. O subtítulo diz que Gilmara Cerqueira tinha 27 anos. Mas na foto é possível observar a data de seu nascimento no título de eleitor e pode-se ver que ela tinha 30 anos na época e não 27 como rebaixou Veja para enquadrá-la ao perfil do eleitor médio. Ou seja, vale até mentir a idade da moça para montar um perfil da qual ela não se enquadra totalmente.

Além das capas, você analisou também os editorais da Veja. Foi possível encontrar correspondência entre a posição oficial da revista e o conteúdo por ela produzido, que em tese é independente?
As críticas que a revista Veja recebeu durante o primeiro governo Lula, principalmente nos dois últimos anos, abalaram a própria revista, que se sentiu na obrigação de reafirmar sua “imparcialidade e independência” a todo o tempo em 2005 e 2006. Durante a crise do “mensalão”, Veja usou a maior parte dos editoriais de junho a dezembro de 2005 para justificar a matéria da semana anterior e ratificar seu compromisso com um jornalismo sério. Logo no primeiro editorial do início da crise do mensalão, em 1º de junho de 2005, Veja garante que “não escolhe suas reportagens investigativas com base em preferências partidárias ou ideológicas”. E o curioso é que todos os editoriais das edições seguintes eram para justificar suas reportagens, sempre reafirmando uma imparcialidade que não se via nas reportagens.

Você discute o paradigma da imparcialidade e neutralidade no qual é baseado o discurso dos meios de comunicação entretanto você apresenta argumentos sobre a inviabilidade destes paradigmas se concretizarem. A partir da sua pesquisa, é possível concluir se a parcialidade da revista Veja é fruto de uma política deliberada ou consequência da inviabilidade de se fazer um jornalismo imparcial?
É fruto de uma politica deliberada. É claro que é quase impossível fazer um jornalismo totalmente isento. Mas você pode pelo menos buscar a isenção, ouvindo os dois lados, dando o mesmo peso para as diferentes versões e não utilizando adjetivos, por exemplo. Veja nem tentou ser imparcial, pelo contrário. Ela tinha uma estratégia discursiva e a seguiu até o fim com um objetivo bem claro: derrubar Lula da presidência.

Ao se contrapor ao governo Lula e ao PT, a revista Veja apresentava qual projeto para o Brasil apoiava ou qual setor o representava?
A primeira edição após a reeleição de Lula, publicada em 8 de novembro de 2006, é a que mostra mais claramente a posição da revista. A matéria de capa defende que é preciso deixar para trás a “visão tacanha” de que a miséria pode ser superada pelo “princípio bolchevique” de tirar dos ricos e dar aos pobres.

Para Veja, a miséria só será superada pela produção de riqueza e para isso “o gênio humano não concebeu nada mais eficiente do que o velho e bom capitalismo, com seus mercados livres, empreendedores ambiciosos e empresas inovadoras”. Veja aconselha Lula a “aposentar para sempre a ideia de palanque de que o Brasil é como um sobrado – em que só há andar de cima e andar de baixo e, portanto, o único trabalho é fazer com que todos passem a habitar o pedaço de cima. Isso é uma interpretação tão tosca da sociedade brasileira que, na sua estupidez simplificadora, neutraliza o papel crucial e dinamizador exercido pela classe média”.

Veja diz que falta ao presidente maior clareza sobre como promover de maneira mais vigorosa as condições para que a iniciativa privada produza mais conhecimento tecnológico de ponta, inove mais e multiplique seus índices de produtividade. E acrescenta: “Para fazer o país avançar, produzir riqueza e gerar justiça, o presidente Lula tem muitos desafios para superar – e um deles começa em casa. O Partido dos Trabalhadores, que se transformou numa usina de escândalos, divulgou uma nota oficial cobrando que no novo mandato Lula faça um ‘governo de esquerda’. Ninguém sabe exatamente o que isso quer dizer, mas é certo que significa mandar às favas o equilíbrio fiscal e o controle da inflação em troca de um crescimento econômico tão duradouro quanto um voo de galinha”.

Essa é a primeira vez na cobertura do governo Lula que Veja assume com todas as letras que fala em nome das classes mais abastadas e que defende uma política e um projeto de Estado mais à direita do que voltados para o social. Sua intenção é proteger o capital como fica claro neste texto. Para a revista, é preciso esquecer a ideia de que “o único trabalho é fazer com que todos passem a habitar o pedaço de cima”. Ou seja, não interessa colocar os mais pobres no mesmo patamar dos ricos é preciso “promover de maneira mais vigorosa as condições para que a iniciativa privada produza mais conhecimento tecnológico de ponta, inove mais e multiplique seus índices de produtividade”.

===

Para ter acesso à dissertação de Fábio Jammal Makhoul, basta entrar aqui e baixar o arquivo


Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum e recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum, recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa e ganha 1 caneca personalizada da Fórum após 6 meses.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum, recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa, ganha 1 caneca personalizada da Fórum após 6 meses e 1 camiseta personalizada após 1 ano.





Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.




Join the Conversation

162 comments

  1. Luiz Responder

    Caro Escrevinhador, estou impressionado com o que li. Não por ter descoberto algo que não sabia, mas por ver que tem gente disposta a debater esse assunto. A grande imprensa brasileira perdeu a noção, se descolou da realidade e não sabe mais como se reconciliar com o povo brasileiro, isso é muito ruim para um País que está mudando e vai mudar muito mais na direção oposta do que pregam esses meios de comunicação. Espero que mudem também ou serão derrotados, irão à falência sob o manto da “liberdade de imprensa”. Parabéns….

    1. Leonardo Responder

      Leitor de Veja detected.

      “Comunistas” que piada de Olavo de Carvalho/Diogo Mainardi.

      Ok, melhor do que ARENA que de fato esteve com a DITA DURA.

    2. daniel santos oliveira Responder

      nossa ,quanta gente querendo uma boquinha nas estatais.A veja é a melhor revista do Brasil, é a única que não tem medo de denunciar todas as falcatruas do Petismo, se tudo que ela publicou é mentira porque o pt não ha leva a justiça? Se depende-se de todas as viuvas do comunismo, com certeza já não teriamos mais a Veja , nem a Folha , nem a Globo, oque teríamos seria só a folha metalurgica impressa com o dinheiro dos 40% de imposto que pagamos todo ano.

      1. Denise Responder

        A Veja é tendenciosa. É a pior revista da banca de jornal…Bem melhor a Carta Capital.

      2. Marcos de Almeida Responder

        Daniel como vc é colonizado pelo pig, que pena.

      3. Ventura Responder

        Conheço muitos assinantes de Veja, que assinam apenas para mostrar para as visitas que sabem ler. O Mobral, durante muito tempo, também ensinou pessoas apenas a assinar, mas que não aprenderam a ler.

      4. Cláudio Viana Responder

        Daniel, o motivo de não se entrar na justiça é simples…
        Dê uma lida no comentário que Janaina Azevedo Corral fez em
        31 de agosto de 2010 às 15:37.
        Ela conta como a sua história foi distorcida pela Veja (carro chefe do PIG) e como foi prejudicada pela matéria manipulada…
        Se isso acontece com uma pessoa comum, imagine com pessoas públicas…
        Vá no site da Veja e vc não vai encontrar nenhuma linha sobre as pesquisas… mas vai encontrar a frase da semana do FHC. Por que será?
        Vamos combinar uma coisa… não vamos acusar antes de pesquisar… faça vc mesmo uma pesquisa e veja quem são os paladinos da justiça… o pessoal da tucanalhada… erros, todos cometem… deliberados, só alguns.
        Abraços.

      5. josedantasbitencourt Responder

        Daniel,não é isso o qpensam osmilhares de brasileiros q
        estão deixando de ler a veja. Eu por exemplo há nove anos q não acompro mais. Na minha família de 10 casaisninguém a compracomo tambémnão a lê. Meu sonho é ve-la sofrer pressão dos anunciantes como montadoras. constsrução civil, petroquímica, construtoras deinfra essrtruturas q estão ganhando dinheiro comonucanesse país, comecem a pressioná-la para deixar de ser safada e publicar a verdade.

      6. jakson Responder

        não é que a veja mente, mas ela não é imparcial como ela diz, ela é toltalmente parcial, tome cuidado, veja e globo esconde a maior parte da verdade, principalmente sobre os comunista, mst entre outro, antes de julgar busque saber o porque eles viseram(principalmente o mst)!!!!!!!!!

    3. nilce marcondes Responder

      Rodrigo, fico aliviada em ver que existem tais estudos. Li toda entrevista, mas ainda não consegui baixar a Tese. Na realidade achei falta de um elemento significativo desse periódico: Diogo Mainardi. Existe algum capitulo para explicar esse “fenomeno jornalístico” e seu poder. Que tente explicar como esse intriguento travestido de jornalista conseguiu mexer com jornalistas autênticos do mais alto gabarito como Franklin Martins ?

      1. Rodrigo Responder

        A grande verdade é que nem a Veja apresenta o Mainardi como repórter. Ele é um cronista, ou como se costuma chamar no meio, “para-jornalista”. Alguém que não está submetido à ética da profissão.

        Obviamente esse é o álibi dele, e independente de ser jornalista ou não, já fez muito para criar boatos e arruinar reputações. É o tipo de pessoa que deveria estar pagando na justiça por tudo que fez.

    4. Marcos Responder

      Engraçado, todas as “mentiras” divulgadas pela Veja estão sendo julgadas no STF. É muita petralhice querer tampar o sol com a peneira. O legado do Lula ainda continua. SETE ministros exonerados por denúncia, da mesma revista, por corrupção. O PT usa a tática dos mensalinhos pra comprar os votos dos apedeutas e o silêncio dos movimentos sociais. Faça um mestrado analisando quantos movimentos contra o governo a UNE fez antes do Lula e depois. Ainda bem que os mafiosos que estão no poder não conseguiram censurar a imprensa.

      1. Andréa Responder

        Marcos,

        Pelo jeito vc é um fiel eleitor da Veja. Cabeça feita, ou melhor, “contaminada”. Por suas palavras percebo que sua doença é crônica. Só que com suas palavras você confirma exatamente o que foi denunciado na entrevista. Ou você acha que o STF não está sendo pressionado pela mídia para condenar a cúpula do PT, e o que é pior: sem provas. Apenas por indícios.
        Imagine você ser acusado de um crime por um bandido, e seu inimigo para lhe prejudicar aproveitar-se para espalhar na sua comunidade/bairro que você é um criminoso! e a partir daí a comunidade lhe execrar. Será que vc teria esse mesmo pensamento?
        Pense nisso. A mídia é o 4º poder neste país. Na mesma velocidade que cria um herói, também o extermina. Como foi o caso do Collor.

  2. Emília Responder

    Quando vivi em São Paulo nos anos 90 eu assinava a revista Veja, mas fali e voltei para o Ceará e deixei de lê qualquer publicação, pois estava revoltada com FHC e com a mídia que ajudou a me iludir com os tucanos. Votei em Lula mais como um voto contra Serra e, ainda bem, não me arrependi, e votei no Lula na reeleição. Como disse seu entrevistado, Rodrigo, o governo petista tem muitos erros sim, mas eu e muitos brasileiros, somos testemunhas que ele acertou muito mais do qua a maioria dos governos anteriores. Fiquei ainda mais revoltada com a mídia, pois percebia que dizia uma coisa e a realidade era outra. Hoje, informo-me na internet, nos sites, blogs, mas assino uma revista por conta do meu pai que tem 83 anos e lê jornal todos os dias e me pediu uma uma revista, procurei dentre as semanais e optei pela CartaCapital por conta do seu editor Mino Carta que eu lembrava da época da Veja, mas não confio mais cegamente na imprensa como eu confiava antes, pois ela é tão corrupta como qualquer outro segmento público ou privado. O mundo seria outro se tivéssemos um Poder Judiciário competente e um Poder Midiático menos materialista.

    1. Marcos Responder

      Você faliu e culpa o FHC? De certo seu negócio dependia de inflação. Imagino quantas famílias estão “falindo” com o endividamento que o governo estimula a todo custa. Mas isso você não vai encontrar na Carta Capital (revista oficial do governo)

  3. Julio Responder

    O que é isso, Vianna? Ultra-mega-hiper-super serviço de utilidade pública o seu. A iniciativa da entrevista é brilhante, é jornalismo… Vc está dando um show por aqui. Posso lembrar de ao menos dois posts anteriores q vc fez que considero serviço público jornalístico: as indicações para Deputado e Senador.
    E agora vc nos brinda com esta entrevista?
    É fenomenal!
    E viva a “sujeira” dos blogs como esses!
    Parabéns!!!

    1. Rodrigo Responder

      * Argumentum ad hominem (Ataque ao argumentador):

      Em vez de o argumentador provar a falsidade do enunciado, ele ataca a pessoa que fez o enunciado.[1] [2]

      Ex: “Se foi um burguês quem disse isso, certamente é engodo”.

      http://pt.wikipedia.org/wiki/Fal%C3%A1cia

    2. Teresinha Responder

      Realmente pura pieguice…tirando vantagem pra se auto-promover…que Pena! usar os meios de informação para levar vantagem. o Povo Brasileiro não lê é um pais sem leitores e portanto desinformado em sua grande maioria, usam os menos favorecidos para manipularem e maquiarem a pesquisa política e ai estão os números dos que querem continuar manipulando e comandando um povo sofrido e que nunca sairá da ignorância dos fatos por falta de conhecimento da verdade podre da política brasileira.

    3. rose Responder

      A revista Veja é de uma imbecilidade atrós. Na verdade, essa deve ter sido a tese de mestrado mais fácil do mundo.

      1. Marcos Responder

        Imbecilidade é aprovar um projeto de poder mafioso e corrupto que só visa detonar a nação e enganar os tolos. Mensalão não existiu e o STF está condenando por injustiça? 7 Ministros da era Lula exonerados no governo Dilma por causa provas falsas? Só na PETRIX!

        1. Bruno Matos Responder

          Mensalão não existiu e o STF está condenando por injustiça. Alguns Ministros da era Lula (Orlando Silva) exonerados no governo Dilma por causa provas falsas. Correto.

  4. mineiro Responder

    eu ja assinei esse lixo por volta de 1993 ,94 mais ou menos , nunca vi esse lixo de revista falar bem do pt e do lula ou qualquer outro partido de esquerda , tambem sincatos ou qualquer que seja ligado a esquerda . esse lixo é como eu trato esse orgao de imprensa defensor da elite branca. nunca essa , jamais essa revista vai fazer um elogio se quer a algum partido de esquerda muito menos o lula , a dilma e o pt , eles odeiam o lula e o pt. nao precisa esperar muita coisa desse lixo de revista , porque é o pior orgao de imprensa , pior ainda que o pig mor . pra mim é o pior de todos.

  5. antonio atihe Responder

    A Veja se escuda na liberdade de imprensa, para difundir calunias e mentiras. Em q.q. pais democratico, ela e seus colunistas escrotos, seriam no minimo condenados ao direito de resposta e pagamento de indenizações.

  6. Janaina Azevedo Corral Responder

    Bom, mesmo não sendo um indivíduo público, a “Veja” já fez de mim uma de suas vítimas. Explico: por meio de um conhecido comum, uma das reporteres da Veja ficou sabendo da minha história de ter me “vingado” do meu noivo, depois de alguns anos de abuso, violência e humilhações, para que ele se afastasse de uma vez de mim, e por causa disso a revista me contatou para fazer uma entrevista. Disseram que era para uma matéria de capa e que minha história seria a base. Expliquei minhas razões: meu antigo noivo, um PULHA, tinha feito da minha vida um inferno durante 1 ano e meio – me difamou, me agrediu (fui parar no hospital duas vezes), ameaçou me matar, me fez ser demitida de um emprego, ameaçou minha família, etc etc etc. A “Vingança” foi o único jeito de afastá-lo de mim de uma vez por todas – e por fim, dar o troco. Pois bem, embora eu tenha dado TODOS os detalhes à entrevistadora, e ela tenha se COMPROMETIDO a publicar minhas razões, a revista contou apenas o que eu fiz, não disse por que eu me vingara, me usou como exemplo de que “as mulheres comentem vinganças mais fúteis que os homens” e, ainda por cima, me colocou como matéria de capa na edição online com a frase “Janaina Azevedo: Seis meses planejando vingança contra o ex”. Fui demitida da escola onde eu dava aula, não consigo mais emprego na minha área (educação) por causa da “Veja” e de suas manipulações da informação e, a única oportunidade que tive para explicar a questão, me foi dada no programa da TV Gazeta de SP, “Mulheres”, que me deixou contar a minha história na íntegra, o que fez muita gente perceber que minha vingança, na verdade, foi um grito de desespero por que as vezes que procurei a justiça, nunca fui atendida. Somente hoje, depois de 2 anos do episódio, consegui um novo emprego formal. Tentei processar a revista e qual não foi a minha surpresa ao ouvir de vários advogados que processar a “Veja” seria uma perda de tempo, pois os processos ficam “miraculosamente” parados.

    A Matéria é esta aqui: http://veja.abril.com.br/030908/sumario.shtml

    1. José Roberto Responder

      Janaína além de estar previamente CHOCADO política e socialmente com este tablóide reacionário – a VEJA, fico agora tbém. CHOCADÍSSIMO com a sua hitória pessoal da qual vc. foi amplamente agredida pelo ex-namorado e pela respectiva revista que se aproveitou para editar uma falsa notícia (com o seu nome e experiência) como pano de fundo.
      Tragicamente só no Brasil se permite a “liberdade de Empresa” e não de Imprensa como muito se propaga pelos piores meios de comunicação do Brasil (TV Globo; Folha de SP; Estadão; TV Band; rádio Jovem Pan; etc…)

    2. Amanda Responder

      Oi Janaina,

      Se puder, envie uma mensagem para o blog coletivo http://www.boimatenews.wordpress.com pois lá a gente publica as manipulações que são feitas pela mídia. O nosso email é boimatenews@gmail.com

      Sei que é pouco, mas a melhor forma de lidar com esse tipo de “jornalismo” é denunciando na rede e desmascarando a manipulação para o maior número possível de pessoas.

      Abraços!

      Amanda

    3. Luiz Brasileiro Responder

      Janaína você é linda.

  7. carlos -fort-ce Responder

    parabéns, rodrigo, por nos brindar com um estudo acadêmico tão instigante. conhecimento científico é isso: evidências factuais e discurso histórico-narrativo.

    não se engane, amigo, o que vai ter de “case” acadêmico tratando do pig, no futuro, o cnpq não dará conta.eheheh

    abçs

  8. Beatriz Souza Responder

    Engraçado tanta gente aguentando a Veja xingar abertamente toda semana. Achei que isso era coisa de gente ignorante, né, mas afinal, parece que é pior ser analfabeto que ignorante… (Nessa última parte, quem ler a sua matéria vai perceber que joguei com a ironia da própria revista, a qual chama abertamente o Lula e o PT de um bando de ignorantes). Parabéns pela matéria, continue sempre conosco.

  9. Luiz Brasileiro Responder

    Rodrigo parabéns por nos oportunizar ler uma entrevista como esta. Parabéns também ao entrevistado por ter se dedicado a estudar de maneira metódica o descamninho em que tomou a revista Veja se embrenhou.

    Acredito que a VEJA jamais recuperará a credibilidade perdida, deu um passo sem volta pois como disse o comentarista Luiz, comentário de número 1, a grande imprensa se descolou da realidade e colide com a sociedade, com o povo e vai falir, é uma lei do mercado, sem consumidores em número suficiente nenhum negócio se firma.

    1. Marcos Responder

      A credibilidade do PT e do seu Lula que é boa né? Não entendo uma pessoa se dizer brasileira e torcer mais pra um partido corrupto que pelo bem da nação. É desanimador.

  10. Fernanda Responder

    Imparcialidade não existe, isto aprendi na Faculdade de Jornalismo. Toda a imprensa é tendenciosa, a Veja é só um exemplo. A Veja já me irritava antes mesmo do Lula entrar pra presidência. A capa da revista já estampa a sua opinião. Veja ajudou a tirar o Collor com as fotos da Casa da Dinda. De mau jornalismo, está cheio no Brasil.

  11. camarada Responder

    Camarada,

    Os tucanos no Norte e Nordeste estão ludibriando os eleitores com seu lulismo oportunista (ou encobrindo o seu anti-lulismo) e ganhando muitos votos com isso. Favor, ajude a campanha para acabar com essa farsa. Se possível, reproduza o artigo abaixo.

    http://brasilwiki.com.br/noticia.php?id_noticia=31742

  12. carlo cirenza Responder

    Muito bom. Parabéns.
    Carlo

  13. Fernando SP Responder

    O comportamento da revista é mais que conhecido, entretanto não podemos nos esquecer que uma publicação não se faz por si só. As matérias, as capas, os editoriais, as colunas são produzidas por jornalistas que se submetem à essa orientação anti-jornalistica. Ao agirem dessa forma estão de certo modo renegando os princípios de uma profissão na qual a ética representa um de seus mais importantes valores. Augusto Nunes, Reinaldo Azevedo e Diogo Mainardi são os ponta-de-lança da cavalaria anti-PT assumidamente. Mas o que dizer dos demais profissionais que lá trabalham? Estão de acordo com a orientação de seus chefes, acham que vale tudo por dinheiro ou desprezam sua própria conduta e se fecham em um círculo vicioso e viciado para manterem seus empregos?
    Atacar apenas a revista é como criticar uma entidade não questionando as pessoas que a mantem em funcionamento. A classe jornalistica como um todo deveria discutir essa questão porque o que Veja faz é praticado também por outras publicações diárias e semanais. Pode ser que em uma escala menor mas com os mesmos objetivos. Todos defendem a liberdade de imprensa mas ela não é um direito absoluto. Uma das consequencias da tolerancia desse tipo de jornalismo marrom é a perda da credibilidade dessas publicações. Ainda mais com a possibilidade da pulverização das informações através da internet em suas inúmeras formas de comunicação.

    1. Marcos Responder

      Desculpe, não sei se aqui é a área /meio ou veículo certo para este tipo de abordagem. Mas o que eu gostaria de indagar ao autor do blog e de todos os outros que classificam a publicação Veja como tendenciosa e anti-PT, é :
      – Alguma destas capas da revista Veja trouxe alguma mentira deslavada ?
      – Não houveram “escandalos” no governo petista : Mensalão, Vampiros, Sangue-sugas, Infraero ( R$ 500 milhões apurados pelo TCU!!!) ???
      – Não houve invasão do congresso pelos terroristas disfarçados de sem-teto do MST , violando uma instituição primordial a democracia ?
      – Naõ há empreguismo nas empresas estatais com contratados nos mais altos escalões, que apresentam como maior qualidade em seu “curriculum” a carteirinha e tempo de militância no PT ?
      – Não houve a violação dos sigilos bancários ( motorista do Palocci ) e fiscal (Ex primeira Dama Ruth Cardoso e Eduardo Jorge ) por parte de membros do PT nos orgãos estatais?
      Estas , caros leitores e autores de estudos de
      artigos “independentes ” são as minhas “dúvidas”…
      Grato

      1. Douglas Responder

        Meu filho! Acho que você não leu o que está escrito na entrevista.
        Ou então, situação mais provável, é um típico leitor de Veja.

      2. antonio Responder

        Suas duvidas:
        1) mentiras: Sim, em pelo menos 2 capas ( $ das farc’s e idade da moça )
        2) escandalos : sim, e o texo aponta isto ( não entendi porque vc ficou em duvuda )
        3)Invasão : ‘terrorista’ é uma afirmação sua, tão tendenciosa quanto a propria revista Veja, uma vez que nem voce nem a Veja têm provas que possam fazer a transição de ‘baderneiro’ para ‘terrorista’.
        4) empreguismo : Sim, e foi mencionado no texto. isto sempre existiu, sempre foi condenado, mas nunca gerou capa da revista nos tempos de FHC…
        5) Sigilo: Sim , é crime e não é a primeira vez que acontece. Mas só foi capa da reveista por conveniencia. isto é ser tendencioso.

        Nada contra voce ser de direita e crítico do PT. Muitos o são. Mas daí a não enxergar no que a Veja se tornou é ser o pior cego.

      3. Gilberto Responder

        É impressionante como ainda tem pessoas para comentar uma coisa dessas aqui… precisa aprender a interpretar.

      4. Hélio Muraro Responder

        Caro Marcos , faço minhas suas palavras, a revista Veja sempre mereçeu meus aplausos.

      5. rose Responder

        Houve escândalos e, num país das dimensões do Brasil, sempre haverá. Escândalos não são privilégio do governo Lula. Mas a leitura dos fatos é que é tendenciosa, maquiavélica e escamoteia a verdade. Cito como exemplo o caso dos sanguessugas. Qual era o conteúdo do dossiê e quem estava envolvido nos fatos que ele relatava? Esses fatos eram ilegais e imorais? Se eram, quem eram os responsáveis, e a quem eles estavam ligados? Foram punidos? O fato de o PT comprar um dossiê pode ser mais grave do que o conteúdo desse dossiê? Esses pormenores foram totalmente negligenciados pela imprensa.

        O problema não é informar o fato- isso todos nós queremos. O problema são as mentiras e as meias-verdades.

        1. Paula Responder

          Não importa se antes os absurdos tb eram conhecidos. Isso não isenta quem vem depois! Pelo contrário, deveria envergonhar e ser um direcionador para que isso não se repita. Melhor a VEJA falar a verdade (fatos apenas) só do PT e a Carta Capital falar do PSDB. Ai ficamos com os dois lados da moeda completos!
          Os petistas tem que parar de desculpar o PT usando argumentos tacanhos de que “sempre existiu”.

          Ah, eu votei em Lula… 2vezes!

  14. Eason Nascimento Responder

    Fui assinante desta revista desde os tempos do Mino Carta, tendo abandonado-a na década de 90 por entender que ela já não representava o que eu entendia como jornalismo sério. Durante o governo Lula, ficou patenteado que o periódico deixou de lado qualquer resquício de seriedade, para se enlamear definitivamente pelos descaminhos da desinformação baseada nos interesses escusos de seus proprietários. Esta entrevista traz à tona, o que todos comentamos insistentemente. parabéns Rodrigo e parabéns Fábio Jammal pelo estudo e pela comprovação.

  15. Paulo Nolasco Responder

    Hoje, eu coloco em dúvida essa tiragem de 1.200.000 exemplares.
    Correção, coloco em dúvida o número de leitores, não acredito nesse número.

    1. Valmont Responder

      Grande parte das contas de “leitores fantasmas” da Veia são pagas pelo Governo de São Paulo, que provavelmente deve ser o seu maior assinante.
      O demotucanato de São Paulo é a tábua de salvação dessa revista lixo que já agoniza em busca de leitores desavisados. Tomara que o Mercadante vire o jogo e mande logo esse lixo para onde ele deve ir: para a reciclagem.

  16. Eason Nascimento Responder

    Complementando, acrescento ainda que tinha feito um leve e superficial levantamento no acervo digital de Veja na era FHC e tinha encontrado algumas reportagens de capa, exatamente como retratado por Fábio Jammal. Nada que aprofundasse os temas abordados. Já na era Lula, a coisa foi truculenta.
    http://easonfn.wordpress.com

    1. Marcos Responder

      Gostaria de informar ao comentarista que truculenta é a CENSURA imposta ao jornal O ESTADO DE SÃO PAULO, há mais de 308 dias impedido de publicar que o filho do José Sarnento está até o pescoço em mais um dos vários desvios de verbas de programas de assistência aos ” pobres flagelados” no Nordeste, onde certamente a votação do PT será esmagadora nas próximas eleições !!!

      1. Giovanni Responder

        Gostaria de informar ao nobre troll-oló que a tal “censura” “imposta” ao jornal O ESTADO DE SÃO PAULO se chama SEGREDO DE JUSTIÇA. O mesmo segredo de justiça a que o referido jornal tão zelosamente recorre para justificar seu silêncio sobre o caso Pimenta Neves, seu ex-redator-chefe que assassinou a namorada. De qualquer maneira, o jornal já foi liberado de se pronunciar sobre o caso Sarney há uns dois ou três meses, mas insiste em se fazer de vítima de “perseguição política” para jogar para a sua platéia.

  17. hernan pimenta Responder

    Agora fica claro que a Veja ajudou a fundar o PSOL, o grupo que saiu do PT por causa dos “escândalos”.

  18. Rafael Responder

    A Veja é a mais honestas das revistas. Ela deixa claro sua posição. É uma revista de direita e ponto. A Carta Capital é uma revista de esquerda e apoia a Dilma deliberadamente. Este é um artigo oportunista que pensa que descobriu o ovo de colombo quando na verdade aponta para um fato óbvio.

    1. Janaina Azevedo Corral Responder

      Rafael, existe uma GRANDE diferença entre ter este ou aquele alinhamento político e “fabricar” a informação como bem lhe apetece. Acho que ninguém aqui descobriu o ovo de Colombo – ou ao menos ele não saiu deste orifício. O problema é que essa manipulação DESCARADA da notícia cria levantes de iludidos direitistas que criticam tudo e todos sem saber sequer do que estão falando. No meu caso, quando a VEJA manipulou a MINHA história, pessoas que eu nem conhecia vieram falar comigo e me disseram coisas como “Você fez isso por que não é temente a Deus” até “Você não passa de uma vadia que acabou com a vida de alguém”, por que foi assim que a Veja me retratou, com veemência e o peso do seu reconhecimento público. Se com um cidadão comum é possível que haja reações como está, imagina que tipo de monstro iludido se cria contra o Brasil (governos mudam, mas esse tipo de discursinho da VEJA, faz com que as pessoas que se norteiam por ele vivam de apenas criticar este ou aquele governo e o Brasil é sempre um país ruim, mesmo tendo sido praticamente o único, por exemplo, que sentiu apenas uma ‘marolinha’ quando o resto do mundo sofria no furacão da crise mundial.

    2. Luiz Reis Responder

      Filho, como leitor de Veja não surpreende que você não tenha entendido e entrevista. Há uma distância colossal entre jornalismo, feito de investigação e pesquisa e mentiras e confecções de fatos “que não podem ser comprovados”. A diferença básica entre a Carta e a Veja não é sua linha editorial, e na própria entrevista é deixado claro a normalidade de um órgão de imprensa “escolher um lado”, o problema é a farsa, a leviandade e a mentira, o que não combinaria com nenhuma linha jornalista, de direita ou de esquerda, penso eu. Se você ainda assim pretende continuar a ser assinante da Veja, sinto muito, gosta de ser enganado e se diverte com articulistas de 5ª categoria que não fazem outra coisa a não ser tragicomizar (nem sei se existe a palavra…) preconceitos e ilações. Doe o dinheiro que gasta na assinatura ou na compra semanal, fará um bem muito maior. E aproveite o tempo que sobrar para se informar de verdade (não vá aproveitar para ver BBB, o que no final das contas é a mesma coisa que ler veja).

    3. Angelo Frizzo Responder

      Se fosse uma revista honesta, deixaria bem clara sua posição política, como fazem até os jornais e revistas dos EEUU.
      Usar a palavra democracia estupidamente em seu “jornalismo”, como fazem, compromete até a propaganda do capitalismo a que se propõem(ou lhes impõem), provando que capitalismo e democracia não convivem no mesmo espaço.
      Defendem interesses de grupos dominantes em detrimento de 95% da população que sempre sofreu nas mãos deles.
      Aliás é tão honesta que também caminha para o fim, pois ninguém tem mais paciência para ler ou ouvir mentiras e meias-verdades.

  19. luiz claudio vieira de oliveira Responder

    Parabéns pela análise. Gostaria de saber se a tese do Fábio está disponível a analistas do discurso ou se é necessário buscá-la na Biblioteca da Puc. Aguardo informações que, desde já, agradeço.

    1. Juliana Sada Responder

      Luiz, a tese do Fábio está disponível numa biblioteca virtual. É só baixar o arquivo: http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=140540

      1. Luiz Brasileiro Responder

        Muito obrigado Juliana Sada por disponiblizar o trabalho de Fabio Jammal; vou baixar e ler.

  20. Gabriel Izatto Responder

    Primeiro parabens por essa reportagem, e parabens ao jornalista que apresentou a TESE.
    Agora, todos sabemos que a VEJA, assim como a grande midia é tendenciosa e tem lado e cor definido, so falta eles assumirem sua posicao, o que cabe a nos fazermos essa exigencia. E gracas a deus e as mudancas que estao acontecendo no Brasil, o PSDB e toda sua sujeira estao sendo mostradas, precisamos de mais pessoas como voce pra fazer uma imprensa limpa, que se apegue a verdade dos fatos, e nao em fofocas, dito pelo nao dito!
    Mais uma vez, parabens!!

  21. Júlio Responder

    Eu não vejo nenhum problema na veja ser ridícula e estúpida como ela é. A livre expressão pressupõe o direito a cretinice. Caso exceda os limites, o que acontece invariavelmente, deveria haver normas de controle social, compensação, direito de resposta, etc. Mas não é a Veja que deve pautar isso, e sim o pobre governo tão perseguido por ela e que continua financiando as mesmas grandes revistas de sempre. Pra mim uma crítica a Veja só deve ser feita no sentido dela receber dinheiro público, por qualquer via que seja, ou não. Seu conteúdo é seu conteúdo, a dita esquerda dá muita trela pra essa panfletinho, tempo que poderia ser melhor empregado viabilizando seus próprios órgãos de comunicação, ou buscando as causas políticas e econômicas que os torna tão irrelevantes.

  22. Izaias Almada Responder

    Parabéns Juliana e Rodrigo pela excelente entrevista e pela excelente matéria.
    Quem tem um mínimo de consideração pelos que “habitam o porão social” acaba a leitura sinceramente enojado com o preconceito e a arrogância desses bandidos de colarinho branco.
    É duro você ter que aguentar tanta idiotice em nome das chamadas liberdades democráticas quando, na verdade, a única liberdade que existe é a de usar uma revista semanal (pode ser o jornal diário, a rádio ou a televisão, tanto faz), portanto, o poder de seus donos e principais anunciantes para defenderem privilégios seculares a que já não fazem jus.
    Há de chegar o momento em que os pratos da balança irão se inverter. Quem vicer, verá!
    Saudações,
    Izaías Almada

  23. João Carlos Nara Júnior Responder

    É óbvio que a Veja é bastante editorializada. Fico estranhado é de que rasguem as vestes por isso. Deve haver um pouco de inveja, pois o produto é bom e vende à beça.

    Por outro lado, há fortíssimos indícios de corrupção no governo. Mais do que fazer cortina de fumaça com a anacrônica rivalidade direita-esquerda, deveria prevalecer nas discussões sobre o PT a questão da moralidade.

    1. Marcos Responder

      Ufa , Até que enfim alguem que enxerga o óbvio !!!

    2. Giovanni Responder

      “Editorializado” deve ser o Jair Bolsonaro. O problema é que, ao contrário de O ESTADO DE SÃO PAULO, por exemplo, a VEJA não assume publicamente o seu óbvio viés e se vale de todos os meios, inclusive desonestos, para espalhar a opinião de seus donos sob o disfarce da neutralidade. “Inveja” por um produto “bom”? Diria indignação por uma fábrica de calúnias e infâmias. Claro que os governos devem ser criticados por seus erros, mas a tática de VEJA é: tudo o que o governo atual faz de bom, se esconde e omite; o que faz de ruim, se aumenta e extrapola; e o que deixa de fazer de ruim, inventa-se desaforadamente. O seu apoiador aí pergunta se ela alguma vez trouxe uma capa com uma mentira deslavada. Ora, basta aquela do “grampo sem áudio” inventado para levantar a bola para o Gilmar Mendes, ou aquela chamada de capa chamando de “mito” o fato de a Bolívia ser uma nação indígena. Aliás, é pena que o pesquisador tenha terminado o seu estudo em 2006. Tivesse ele estendido até os dias atuais, garanto que a tese duplicaria de tamanho. Quem sabe ele não venha a orientar algum pós-graduando que complete o seu trabalho?

    3. luiz reis Responder

      Realmente, vende à beça, tanto que o Governo de São Paulo teve que dar uma “forcinha” ao grupo Abril viabilizando a assinatura dessa e da revista sobre “educação”(?) aos professores estaduais que, compulsoriamente, recebem as malfadadas, e essa “tiragem” entra na conta de assinantes… vende à beça! Cocaína também vende à beça! Mais um que não entendeu NADA sobre a pesquisa… também, assinante de Veja, fazer o que?

      1. Valmont Responder

        Tem razão, Luiz. Discutir com leitor de Veja é pior do que brigar com bêbado. Ambos estão fora da realidade mesmo.

  24. Eugenio 13 , OFS Responder

    Paz e bem!

    Minha modesta contribuição
    para divulgar esta pesquisa e entrevista:

    – Meu blog Discuta Política:
    4 seguidores e 36 leitores por email via feedburner.

    – Blog do CRB-10 (Conselho Regional de Biblioteconomia, 10ª Região, Rio Grande do Sul):
    72 seguidores, mas está acoplado a um grupo de email com 1455 associados.

  25. Valdir dos Santtos Responder

    O presidente Lula disse ao Kennedy Alencar, no programa É Notícia, em comemoração aos 10 anos da Rede TV!, que quando deixasse a presidência teria muito a dizer sobre as tentativas de golpe para derrubar o seu governo. Espero que seus assessores tenham acesso à pesquisa, pois já teriam boa parte do trabalho pronto. Parabéns pela oportuna entrevista e pela sensiblidade do pesquisador Fabio J. Mackhul. Rodrigo, vou espalhar esta fenomenal entrevista.

  26. Marcia Turcato Responder

    É muito bom ver um assunto estudado sob a ótica da Academia. A gente sente e sabe que há alguma coisa errada, mas não vamos lá medir ou fazer jornalismo comparado. Qdo um acadêmico faz isto, com método, ajuda a esclarecer os fatos e contribui para a história. Parabéns.

  27. Luiz Jornaleiro Responder

    A revista em questão está em fase terminal. Ao perder seu mais básico requisito (a credibilidade), nem aumentando a já generosa propaganda da sabesp e do “governo” de sp. Não fará nenhuma falta.

  28. rubem Responder

    Esta Veja há muito tempo não serve nem para embrulhar as “cacas” do meu cachorro,esta em decadência tecnica, comercial e moral, deve sobreviver com financiamento da direita brasileira, fazendo o jogo sujo da oposição à Lula, é a única explicação deste “pasquim de quinta categora”sobreviver.

  29. André Responder

    Rodrigo parabéns pela matéria.Más o pior de tudo é ver o governo Federal, através do MEC comprar livros didáticos, das editora Atica e scipione, que são braços da Abril que publica veja.

  30. antonio barbosa filho Responder

    Excelentes a entrevista e o entrevistado. Uma das capas da veja mais nojentas que vi mostrava Lula de costas com uma marca de sola de sapato nas nádegas, como se estivesse sendo chutado para longe do poder.
    Talvez a veja, que recentemente copiou a capa de uma revista norte-americana sobre Obama para fotografar e maquiar seu candidato Serra, agora plagie-se a si mesmo. O Serra vai sair do cenário político com um grande pontapé no traseiro, dado pelos brasileiros.

  31. Luis Rodrigues Responder

    Cara, parabéns.
    Com Serra, Veja podre mais.
    Viva Cristina Kirchner.

  32. Humberto Responder

    Parabens Fabio Jammal pelo desmascaramento definitivo, incontestavel, desses arautos do fascismo e do barbarismo. Parabens Juliana Sada, e parabens Rodrigo Viana pela divulgacao desse trabalho.

  33. Jiul Q' Vê Responder

    Bom, o que aprendemos é que Lula dominou a fera! O tempo a extinguirá, a realidade prevalece sempre!

  34. Marcos Responder

    Li os comentários e estou chocado. O Brasil caminha a passos largos para uma democracia fajuta e formal.

    Só digo uma coisa: mensalão tá provado, há denúncia criminal. Agora me digam que realmente acreditam que vosso Pai Guru Lula não sabia de nada????

    O impeachment só não ocorreu porque FHC vetou. Foi bom para a economia ter continuidade. Mas veo agora que pode ter sido o último respiro de democracia. Agora, vamos fazer jus às palavras do saudoso Roberto Campos: a burrice no Brasil tem um passado glorioso, e um futuro promissor

    1. Valmont Responder

      Saudoso!!!
      Aff… além de leitor da Veja, o cara é admirador de Bob Fields, o ideólogo lacaio da ditadura norte-americana no Brasil!
      Sem comentários.
      Só poderia ser um entusiasta do golpe militar…
      Volta para a tumba, fantasma da ditadura!

  35. Ivonete Responder

    Um belo trabalho, um registro histórico do quanto um veículo de informação pode se degenerar e trazer danos à sociedade. Realmente, uma imprensa assim, não faz a menor falta.

  36. Marcio Responder

    1.200 MIL EXEMPLARES?????DUVIDO!!!TA NA CARA QUE ESSA TIRAGEM E MAIS UMA DAS MENTIRAS DE VEJA!!!!E ELES TEM CADA VEZ MENOS LEITORES E ASSINANTES POIS VIVEM MANDANDO CARTAS E EMAILS IMPLORANDO PRA GENTE ASSINAR A REVISTA E GANHAR ALGUNS MESES DE GRACA!!!NEM COM ESSAS APELACOES TODAS AS PESSOAS NAO ASSINAM MAIS A REVISTA.COM CERTEZA A TIRAGEM E MUITO MAIS BAIXA QUE ISSO E ELES ESTAO COM O PE NA COVA!!!A REVISTA JA FOI BOA, MAS AGORA E TARDE PRA ELA!!!JA QUEIMOU O NOME E O FILME!!!NOVAS PUBLICACOES, BLOGS E SITES, MAIS MODERNOS E HONESTOS SURGIRAM PARA SUBSTITUIR ESSA VELHARIA PODRE! ADEUS,VEJA!!!O BRASIL PROSPERA MUITO MAIS SEM VC!!!

  37. Wilson Ribeiro Responder

    Veja: só se for para jogar no lixo. Mas, pensando bem, nem o lixo merece tanta porcaria.

  38. Remindo Sauim Responder

    É por isso que a editora Abril dá tanta revista de graça, perdeu muitos assinantes e só garante os anúncios pagando as agências de propaganda prêmios por volume de veiculação.

  39. glaisson Responder

    Veja nao e uma revista. Veja e uma …….

  40. Leandro Fortes Responder

    Rodrigo, simplesmente impressionante. Parabéns pela ótima entrevista.

    Forte abraço.

  41. Thomas Morus Responder

    Sou gaúcho e aqui a RBS merece um trabalho como este da veja. Eles ainda mantêm a mentira da IMPARCIALIDADE.

  42. Vívian C. Responder

    Parabéns pela matéria e ao pesquisador.

  43. marcyo Responder

    parabéns!!!!!!!!!!!!

    precisou uma tese de mestrado pra constatar o q a blogosfera ja sabia desde a blogosfera virou blogosfera… heheheheh

    abs

  44. Edézio Ferreira Responder

    Excelente o post Escrevinhador.

  45. Messias Franca de Macedo Responder

    ENTENDA A ESTRATÉGIA ‘PEGA LADRÃO’ DO CANDIDATO [JOSÉ] (S)erra!
    O matuto ‘bananiense’ – que escreve estas mal traçadas linhas – “é tirado” a progressista! No entanto, em certos aspectos, representa um baita conservador! “Digo eu”: lembrando o ínclito ministro do STF, Joaquim Barbosa, ao relatar – de forma acachapante – ‘O MENSALÃO DO [Eduardo] AZARedão’! No deslocamento do trabalho para a casa, costumo ouvir ’A Voz do Brasil’. Nesta noite enluarada do agreste nordestino, escutei uma reportagem que narrava a presença do ínclito presidente Lula à Comunidade de Paraisópolis, na cidade de São Paulo… Na mesma reportagem, a informação de que 55% dos investimentos resultam de recursos federais.
    Mais tarde, *refestelado à frente da ‘telinha’ – e da patroa, o mesmo matuto quase se espatifa no chão de barro ao assistir, no horário da propaganda eleitoral, o candidato (S)erra afirmar que as [merecidas] belezuras da Comunidade estão sendo materializadas através da parceria dos governos… Estadual e municipal! O estropício não mencionou o envolvimento [hegemônico] do governo federal.
    *refestelado numa cadeira de balanço do tempo em que o homem deveria ter vergonha na cara! Sobre este tópico, continuo sendo radicalmente conservador!

    DESENROSCA LOGO ESTE TRECO, MATUTO PERSCRUTADOR!

    Calma [Willian] MAUnner! Calma [Willian] Waack! Para que tanto estresse se Inês já é morta mesmo?! Cuidado com o fígado – e com as coronárias, também!
    ‘Fatinha’ Bernardes, em primeiríssima mão, para você repercutir no restante do PIG! Das duas uma! Na cidade de SUMPAULO existem as Comunidades de Paraisópolis I e II – projetos semelhantes, apenas, nos nomes! Ou, o candidato (S)erra, ele mesmo, adota a estratégia atribuída, por ele mesmo, à Dilma Rousseff! A estratégia do ‘pega ladrão’!
    Bucha de sena! Sinuca de bico! Xeque-mate! É um ‘jenio’!

    (S)erra, ‘o jenio dos jenios’!
    Que lamparina maravilhosa! Coitado do Aladim!

    E VAPT VUPT!

    República de Nós Bananas
    Bahia, Feira de Santana
    Messias Franca de Macedo

  46. Messias Franca de Macedo Responder

    O ‘RODA VIVA’ ESTÁ, DEFINITIVAMENTE, MORTO!

    Fiquei estarrecido ao assistir a primeira edição do ‘Roda Viva’ [TV Cultura – a TV que Faz Bem! Ao DEMotucanato!]. O primeiro ‘Roda Viva’ pós-decapitação do Heródoto Barbeiro, ‘MAIS’ uma do (S)erra!
    Um parasita – assassino de reputação a soldo dos fascistas Civitas – foi anunciado pela nova âncora, Marília Gabriela, como sendo um dos entrevistadores titulares da nova [nova?!] fase do programa…
    ABRE PARÊNTESES: tapei as narinas, e fui zapear as traquinagens do portal ‘Veja’! Procedimento que faço a intervalos de tempo suficientes para implantar uma linha de trem-bala ligando Feira de Santana (na Bahia) a Epitaciolândia (no Acre)!…
    … E me deparo com um ´post´ escrito pelo mesmo entrevistador titular do novo [novo?!] ‘Roda Viva’!
    O sabujo da DIREITONA ‘Cansada’, entre outras coisas, busca desqualificar Dilma Rousseff, apresentando-a como uma, digamos, ‘rasga-cartilha’… O crápula debocha, faz sarcasmos bestiais, tripudia covardemente, enfim, exerce, em ‘plena plenitude’, a tão cara liberdade de expressão dos barões da MÉRDIA nativa!
    FECHA PARÊNTESES: o entrevistado da primeira edição do novo [novo?!] ‘Roda Viva’ foi o tal de Eike Batista!
    Vocês sabem como o bilionário pronuncia a palavra novos?! ‘NÔVUS’!
    E vocês sabem o que o reles jornalista-colega dos patrões mafiosos Civitas, Augusto Nunes, deve ter pensado: “Este Eike é um ‘jenio’! Que nem o meu candidato, o (S)erra! Este Eike é “brilhante” que nem o meu ídolo, o Daniel Dantas!”
    RESCALDO: o matuto ‘bananiense’ ficou no ‘NÔVUS’ porque desliguei a merda da televisão e fui, justamente, zapear o estropício da ‘Veja’ na internete! Outras ‘disenterias orais’ do Eike e do tal Augusto Nunes passaram despercebidas em função do pouco tempo da minha audiência – e pelo fato de não ter, ainda, estabelecido a conexão do defunto ‘Roda Morta’ com as páginas amarelas [de cocô!] da Veja!
    Era uma vez uma roda que girava! Agora, jaz – no esgoto “cheiroso”!
    Chico Buarque de Hollanda deveria processar criminalmente a TV Cultura “do (S)erra” por utilização de uma das suas músicas na trilha sonora do ‘Roda Morta’!

    República de Nós Bananas
    Bahia, Feira de Santana
    Messias Franca de Macedo – mais um matuto ‘bananiense’ analfabeto no país dos “cheirosos” Dantas, Eike, Nunes, Cacciola, AZEDOvedo, ANTAnardi &(!) fiquemos por aqui, mesmo porque os DEMotucanos já quebraram o *sigilo bancário do senhor Cloaca, e para descobrirem que a conta bancária deste matuto está no vermelho(!) “é daqui pra ali!”
    *TUCANOS VIOLAM SIGILO BANCÁRIO DE BLOGUEIRO SUJO
    SEGUNDA-FEIRA, 30 DE AGOSTO DE 2010
    EM http://cloacanews.blogspot.com/

  47. Evilázio Costa Responder

    Parabéns!!!!!!!!

    Fui assinante da veja por mais de vinte anos, mas, justamente em 2005 quando percebí que a dita cuja queria derrubar o Presidente cancelei minha assintura, e até hoje recebo correspondência para renovação, fora os telefonemas. Graças a Deus essa numca mais entrará na minha casa. Ainda bem que os catastrofista já começaram a irem embora como o Mainardi, logo o Reinaldo deve levantar vôo, por que o Brasil não está bom para esse tipo intelectual.

  48. Urbano Responder

    Uma vez limpei a BUNDA com uma Veja, mas arranhei as nádegas , desde esse tempo, nunca mais quis saber desse lixo!

  49. Elton Responder

    é até estranho, mas se tratando de brasil, chega a ser engraçado …. TODO mundo elogiando o PT e suas mil maravilhas, claramente comentarios de petistas que não suportam ver o rostinho de seu deus em qualuqer capa de revista … o MEnsalão nao existiu ??? veja, istoé, globo, sbt, papai noel … TODO mundo sabe e deu noticia … mas a veja é mentirosa e tendenciosa …. tendenciosa é sim essa matéria isso sim, as vezes temos que ler cada coisa idiota pra nos tornar mias idiotas ainda …

    No Brasil temos um problema sério, é o problema do DEUS, aqui ness país, falar mal de Senna, Lula, PT entre outros é o mesmo que ser retardado ….

    como falar mala do lula ? TA MALUCO … o CARA É DEUS … assim nessa onda que leva os petista que comentaram aqui, leva o resto do país que vai no embalo e é mais facil ERRAR um voto do que tentar arrumar um país …

    O que me deixa mais puto da vida é um cara SER ELEITO prometendo mil e uma mudanças … e depois passar 8 anos seguindo a biblia deixada por FHC …

    e não venham os falsos hipocritas me falar que ele privatizou tudo nao, pois se voce esta lendo isso, é pq linha telefonica é instalada em 2 dias em sp e internet tem até em lugares que antes nem orelhao tinha …

    ahhhh … mas ficou mais caro, claro … quando se é empresa, se tem lucro, quando se é público, é só mamar na vaca ….

    ahhhh, mas agora que a vale do rio doce da lucro, quero ela de volta, antes era só cabide de emprego e ninguem queria aquela bomba … virou empresa, da lucro, queremos de volta …

    Discurso de falso moralismo, petista só enxerga o que quer e o que ta nacara que por sinal é SUJO, deixa pra la …

    como somos a minoria, eu e mais uns 3 que aqui tiveram peito para falar as verdades, podem chover de criticas, afinal, petista não suporta … pq ?

    PQ LULA E DEUS tem o mesmo sentido aqui no brasil …

  50. Edegar Belz Responder

    E esse blog? Se classifica como imparcial ou tem posição política assumida?

  51. Raphael Tsavkko Responder

    Impressionante. Meus parabéns à Juliana, uma excelente jornalista!

  52. José Aparecido Fiori Responder

    Esse escrivinhador foi pago pelo time do Lula pra escrevê isso? Foi? Evidente, por ser a maior revista, como ele diz, tem que ter maior ou menor imparcialidade, ou críticas ao status quo lulista. Ou o idiota gostaria que vc diferente?, hein? Isso faz me lembrar o case aqui, no Paraná, onde a Assembléia Corrupta, digo, a cúpula de dráculas que suga o $ público, empregando fantasmas no legislativo e por isso se locupletando…, pois bem, a cúpula, ofendida com as denúncias e críticas de um jornal daki, de Ctba, digo, o próprio presidente, dep. Justus (sim é o sobrenome dele!), se diz inocente e injustiçado. Mas as provas contra o escândalo estão aí.

    1. Luiz Reis Responder

      Calma, Jose Aparecido, vai estourar o espartilho… respira… respira… agora que está calminho, utilize argumentos, não a agressividade da titia Reinaldo Azevedo, você será mais feliz!

  53. Moema Responder

    A estratégia da Veja para inflar a tiragem é simples: distribuição gratuita para ex-assinantes (não adianta cancelar a assinatura que eles continuam enviando), venda para governos do PSDB para distribuir em órgãos públicos e “venda casada” com desconto. Em Recife, a TV local anuncia: compre o Jornal do Commercio (de propriedade do grupo Abril) aos domingos e leve a Veja, tudo por módicos R$ 9,90. Assim mesmo, tenho dúvidas se a tiragem chega a 1,2 milhão de exemplares.

  54. Marcelo Responder

    Deviamos parar de chamar certos pasquins desprezíveis de “grande imprensa”

  55. SOPHIA Responder

    eu sou o grupo editorial X e defendo posições liberais de direita , me pauto por uma linha investigativa e dou direito ao contraditório .Meus leitores comhecem minha linha editorial

    eu sou o grupo editorial Y , defendo posições de direita . Me pauto por uma linha de ataque sem sustentabilidade na realidade , minhas pseudo investigações têm o intuito de jogar merda no ventilador para gerar pânico e não dô direito ao contraditório

    QUAL DOS DOIS VOCÊ ACHA QUE REPRESENTA A VEJA ?

  56. Mozart Responder

    Ainda bem que a Veja, prega para seu público, que já é predominantemente de direita. ou seja, eles só fazem parte dos 4%. É como chover no molhado

  57. Carolina Responder

    Olá, achei boa a matéria, acho bom ler todos os lados das situações.
    Eu não assino Veja, e não acho a melhor revista do mundo.
    Mas aqui vai a minha opinião e questionamentos sobre essa reportagem:
    O Fábio falou MUITAS vezes que a Veja relatava os escândalos de forma negativa, como noticiar escândalos de forma positiva? E claro que a maioria das capas do governo do Lula foram escândalos, já que tiveram muitas insatisfações absurdas no governo dele.
    Eu acho que as capas agressivas que a Veja fez, foi pouco pro que o PT merecia. Não estou dizendo que é a melhor revista do mundo, o melhor meio de informação, mas em relação a essa agressividade com o PT, acho que foi ótima, alguém precisa demonstrar essa revolta com eles. Outra, ele reclama reclama que a Veja é agressiva e negativa com o PT, mas fala que não é errado um meio de comunicação ser parcial politicamente, então deixa ela ser parcial pro lado que decidir. Claro, que a ética deve ser mantida, se em algumas reportagens, ela usou de xingamentos inadequados pra uma revista como ela, acho errado. E sobre a nordestina que ia decidir a eleição a partir do Lula, isso é mentira? A maioria dos votos a favor do Lula e do PT são do Nordeste mesmo. E é claro que nenhuma revista colocaria em seu editorial, “OLHA SOMOS COMPLETAMENTE CONTRA O PT, FODA-SE O LULA”, isso sim seria completamente anti ético, sua parcialidade fica explícita nas reportagens oras. Ele diz que ela pode ser parcial, mas protege a teoria de ouvir os dois lados, e dar o mesmo peso pros dois, isso é IMPARCIALIDADE. Ou seja, achei meio contraditório. Outra, óbvio que nos dias de hoje só podemos viver com o Capistalismo, essa história de tirar dos ricos e dar aos pobres, sistema bolchevique, é a maior utopia do mundo, se alguém acha que é possível é um grande hipócrita.
    Eu não sou a favor do PSDB nem do PT, mas o buraco do PT é mais embaixo.
    O PT é o partido mais sujo que existe, eu acho. Porque os caras que comandam já foram desmascarados pro Brasil inteiro, como o Dirceu e continuam lá, a cara de pau vai longe. Outra, TUDO o que eles sempre julgaram podre dos outros partidos eles fizeram as mesmas coisas, pelo menos os outros partidos assumem ser mais de direita, e não ficam fazendo uma cena de trabalhador, mas quando chega no governo ao invés de continuar investindo 223,2 milhões na segurança (governo fhc) por exemplo, investe 29,6 milhões e compra um avião de 125 milhões. O PT quer pessoas ignorantes, com o menos de informação possível pra conseguirem fazer lavagem cerebral o mais rápido possível nelas, por isso a primeira coisa que o Lula fez no seu governo foi mudar o bolsa ESCOLA, para bolsa FAMÍLIA, ou seja trepem, tenham filhos, não precisa levar na escola, e ganhe dinheiro. Desculpa, podem entender como preconceito, mas não é, como um cara que fez até a oitava série, não sabe falar nem português pode governar um país?! É algo muito sério, no MÍNIMO o presidente de um país tem que ter estudos um pouco avançados, para ter o raciocínio incentivado e treinado para as coisas que vai ter que resolver. É ridículo um presidente como o Lula. E mais ridículo ainda uma presidente como a Dilma que é marionete. É tão abertamente escroto, que quando ocorreu o escândalo do mensalão, TODOS sabiam, o Dirceu, os ministros do PT, todo mundo, MENOS o Lula. COMO um presidente que diz que não sabia de nada, consegue mesmo depois de saber, continuar trabalhando com essas pessoas abertamente? E será que NÃO SABER do ocorrido não é tão grave quanto SABER? Eu não sou de direita, nem leitora da Veja, mas sou totalmente contra o PT. O PT é mais podre que os outros partidos porque ele tem outra ambição a não ser desviar dinheiro, ele quer mais o poder do que tudo, pra mim eles tem o pensamento mais ditador que existe no Brasil. São extremistas, almejam o poder, não só de dinheiro, mais do que qualquer coisa. Por isso não querem informação ao povo, eles dão o que querem para o povo, fazem essa lavagem cerebral escrota dizendo que são do povo (tão do povo, que o filho do Lula trabalhava no Zoológico e depois de pouquíssimo tempo do Lula na presidência virou um empresário milionário). Então não honram ser do povo bosta nenhuma, eles querem é controlar o povo, ter o máximo de gente do partido no poder pelo Brasil, porque não são esses canditados que vão ter o controle, e sim a CÚPULA do pt, que são poucas pessoas podres, uns até guerrilheiros comunistas extremistas, que queriam o poder só nas mãos de comunistas, uma forma de ditadura, como o Dirceu por exemplo.

    1. rose Responder

      Sugiro que assista a esta entrevista. Talvez você possa perceber a distância entre o pesnamento da jornalista da Globo e o pensameto dos entrevistados. Estes têm uma posição ponderada quanto ao assunto; a jornalista tenta de todas as formas culpar o PT.

      http://globonews.globo.com/Jornalismo/GN/0,,MUL1616997-17665-309,00.html

  58. Thiago de Souza Responder

    Artigo interessante, parabéns!

  59. Marcos Paulo de LIma Responder

    Muito boa a entrevista e eu tenho o prazer de ter como chefe este grande lider, Fabio jammal!

    Otima entrevista Rodrigo Vianna!

    Apoiem tb o #diasemglobo

  60. Pedro de Albuquerque Maranhão Responder

    Absura é a capa da veja desta semana!!!!!! Vocês perceberam a montagem que foi feita???? E a HEADLINE ” Os homens do Abismo”. Olhem só que motagem porca foi feita com o rosto do mineiro parecido com o lula e com o capacete vermelho!!! Como diz o Flávio Gomes no seu blog: SÂO UNS ESCROTOS!!!
    http://colunistas.ig.com.br/flaviogomes/2010/08/31/escrotinhos/

  61. Renato Gonzales Responder

    Caro Rodrigo, como tambéms sou jornalista, lamento profundamente os erros de apuração que foram cometidos pela Veja nos últimos anos.

    Seu blog repercutiu bem esses problemas, especialmente na postagem “a incrível entrevista que nunca existiu”.

    No entanto, acho que a atuação da revista fornece elementos para um debate mais amplo. Enxergo ao menos um mérito: o fato de decidir sistematicamente fazer oposição, não se curvando a interesses de determinado governo eleito (fosse ele de esquerda, direita, centro, etc).

    É essencial para a democracia que existam publicações dos mais variados perfis, contra ou a favor de determinado partido, a fim de gerar um debate na sociedade. Não se pode viver num país aonde todos os espaços jornalísticos sejam “cordeirinhos” do presidente.

    O que não se pode admitir é um “jornalismo partidário”, que realmente fabrique mentiras, invente provas, queira induzir erradamente o leitor a uma posição. Veja, nesse aspecto, deve ser muito criticada.

    Mas lembrem-se todos que o presidente Lula e o PT estiveram sim envolvidos em diversos casos de corrupção. Com exceção de Veja, acho que nenhuma outra publicação apostou em investigações sérias e profundas sobre isso.

    Com certeza, ela exagerou na dose. Mas pode ter errado no “conteúdo” (graves erros apontados por você mesmo, nesse blog). Ela não pode ser culpada pela “forma” (ou seja, na tentativa de desvendar muitas coisas erradas que acontecem no Brasil, e envolvem Lula e o PT). Me parece que muita gente prefere “tapar o olho” para isso, quando o mais correto seria ir atrás, mesmo que isso acarrete consequências negativas.

    Assim sendo, dá para culpar Veja por omissões jornalísticas. Mas não vamos culpá-la por recusar-se a seguir apenas aquilo que um partido e um homem acham que está certo para o país.

    1. Rodrigo Vianna Responder

      Caro Renato, gostei muito de seu comentário. Se o ambiente no Brasil não estivesse tão envenenado, acho que essa deveria ser a linha de uma discussão séria e honesta sobre o papel da imprensa. Claro que não vejo problema em jornal ou revista tomar partido, e ter posições claras. É o que procuro fazer aqui – humildemente – nesse blog. Estranho é Veja tentar vender a imagem de “isenta”, “neutra”. O que pedimos não é neutralidade, que nao existe, mas honestidade e respeito. À Veja, têm faltado os dois. Lembremos a historia das contas de Lula no exterior (foi capa, cadê as contas?), dos dólares que vieram de Cuba na caixa de whisky (cadê?), lembremos a capa com o presidente Lula levando um chute no traseiro, lembremos a comemoração de Veja após o golpe na Venezuela em 2002 (a capa trazia Chavez e a frase “Já vai tarde”), lembremos que Veja entervistou Arruda, como grande “estadista”, pouco antes do Mensalaõ do DEM, e pouco depois de Arruda comprar assinaturas da Abril para escolas do DF. É muita coisa. A Veja perdeu todos os limites. O que ocoreu foi muito mais do que “omissões jornalsticas” – como voce diz. Por outro lado, concordo quando voce afirma que é bom náo se curvar ao partido que está no poder, nem ao presidente de turno. Mas isso não inclui um “liberou geral” para a mentira e o desrespeito. A importante ressaltar – ainda – que não é honesto (nem saudavel) culpar apenas a imprensa pelos erros cometidos pelo PT, alguns muitos graves, em 2005/2006. Sobre isso, falei numa entrevista que voce pode ler aqui http://www.rodrigovianna.com.br/plenos-poderes/a-imprensa-versus-lula-o-livro.html (na segunda resposta). Obrigado por seu comentario e pels valiosas reflexoes. Abs, Rodrigo Vianna.

      1. Luiz Brasileiro Responder

        Sobre os erros do PT: dinheiro cubano em caixa de uísque; dinheiro recebido das FARC, nada está provado. E agora? Fato alegado e não provado é fato inexistente, ficção, mentira. Quanto ao “mensalão” é bom que não se esqueça que existem pessoas processadas que são de outros partidos, como Roberto Jefferson, do PTB, Valdemar Costa Neto, do PL e pessoas que não têm nenhuma filiação ou relação com partidos.

        Antonio Palocci foi execrado por VEJA e por outros veículos de comunicação que repetiram sem procurar investigar se as acusações se amparavam em provas, se tinham suporte em fatos. Palocci fez o que deveria fazer, apressou o fim da agonia em que vivia, condenado pelo PIG e pelos babacas repetidores de baboseiras sem defesa e antecipando o julgamento no Judiciário. Para isso se elegeu deputado federal deslocando a competência dos processos para o STF. Lá sequer foi processado, nenhuma das denúncias foi sequer recebida por ausência de provas mínimas.

        Será que as pessoas não aprenderam a lição? Alguém fez um juízo de retração, seja blogueiro, seja VEJA ou Folha de São Paulo ou Estadão por ter repetido tantas mentiras e cometido uma injustiça ao linchar moralmente este cidadão?

        Está previsto para 2011 o julgamento de todos os denunciados no caso do “mensalão”. E se José Dirceu for absolvido? Não li os autos do “mensalão”, nem eu nem nenhum jornalista ou internauta. Imprimi o voto do Relator Joaquim Barbosa, que recebeu a denúncia, e a própria denúncia oferecida pelo Ministério Público. Fora estas peças li textos publicados na grande imprensa de pessoas que gozam de respeitabilidade e seriedade tais como Maurício Correa, ex-Ministro do STF, que afirma ter sido a inveja o maior inimigo Zé Dirceu, e de outro, um intelectual brilhante, Wanderlei Guilherme dos Santos, aduzindo a falta de provas para a cassação do mandato de Zé Dirceu.

        Com base no que li se Zé Direceu for absolvido não será novidade. Fico pensando o que dirão os linchadores…

        Até o julgamento quem quiser fazer um juízo com base em fatos, eventos provados, terá que ler os autos, ou confiar no julgamento dos Ministros do STF, depois do julgamento.

        Já defendi pessoas inocentes e sei que raramente temos julgamentos justos no Judiciário brasileiro. Sei também que membros do Judiciário, policiais, promotores, funcionários públicos graduados não gostam de pessoas de esquerda, pois se acham privilegiados no sistema semi-escravocrata em que vivemos, daís não nutrirem simpatia por quem ousa opor argumentos à suas ordens arbitrárias. Vivemos entre o fogo e a frigideira, correndo o risco de sermos linchados pelo PIG ou perseguidos por promotores e Juízes.

        A esperança contra estas perversões está em um avanço da cidadania, que só será plena quando os cidadãos pautarem seus atos e juízos na verdade.

        Ou se julga com amparo em fatos, eventos provados ou se descamba para os “chutes” ou simples difamação, linchamento moral. Mas quem está preocupado com isto?

  62. Adriano Responder

    Desde o início do governo Lula, que já comentava com amigos, que se fosse jornalista (não sou, sou médico), faria uma tese de Doutorado comparando Veja/Estadão/O Globo/Folha nos anos Lula e nos anos FHC, para demonstrar “a imparcialidade” da dita grande imprensa. Fato este comprovado agora pelo Fábio na sua Dissertação de Mestrado.
    Observacionalmente pelas capas de Veja nesse período, fica patente a cobertura viciada que o semanário faz. Mas os números são imprescindíveis.
    Parabens ao Fébio!!!

    Adriano

  63. Cássio Responder

    Os brasileiros deveriam banir esse tipo de revista, que tal uma mobilização nacional “CALA BOCA VEJA”. Cortem as assinaturas…..

  64. joaquim de carvalho Responder

    Acredito que o grande problema, e vai continuar, é exatamente a discussão que se avizinha sobre o controle social da mídia.
    Não é só uma questão desta eleição.
    Tenho a certeza que manterão, a mídia, tensionadas as relações com o futuro governo e se possível mais ainda.
    Se puderem arrumar um “mártir” melhor ainda.
    Então se preparem. Eles se consideram a última trincheira.
    De quê é que não sei.

  65. Cássio Responder

    Os brasileiros deveriam banir esse tipo de revista, que tal uma mobilização nacional “CALA BOCA VEJA”. Vamos cortar as assinaturas.

  66. Aprilo Responder

    Durante 1 ano fui leitora da veja e cada vez que a lia me decepcionava por perceber o quanto ela era parcial e instigava uns contra os outros.
    Meu pai foi consumidor do estadão, por muitos anos e decepcionou-se e posteriormente, da folha, que também o decepcionou, consequentemente, nós os filhos, que aproveitávamos da leitura desse jornais, também percebemos o quanto eram causadores de intrigas.
    Finalmente, chegou a vez da globo: não a assistimos.
    Estamos livres da mídia que distorce o gosto pelo bem-estar da família e amor pelo Brasil, um Brasil governado conscientemente. Esperamos votar na Dilma, nossa primeira presidente!

  67. Alcameno Alves e Silva Responder

    Prezado Rodrigo

    Como outros, fui assinante de Veja por longo período. Muitas e muitas vezes enviei cartas a redação criticando a linha da revista nenhuma delas foi publicada, comprovando a parcialidade da revista. Com o decorrer do tempo percebeu-se claramente o objetivo de desancar-se o presidente Lula e o PT, um golpe, como o que estão tentando aplicar agora com os dossiês, trazendo a arena a filha do candidato elitista.
    É muita ousadia.
    Viva o Brasil! Viva a democracia!

  68. MAGNO CEZAR Responder

    Sou leitor de Veja e não me sinto enganado pela revista. Várias vezes percebi a argumentação vazia dos artigos, a busca por plantar uma ideia, um pensamento preconceituoso contra o PT. Porém, quando se lê: Chateaubriant, se descobre que a manipulação de informações existem de todos os lados da mídia. E o PT também faz uso magistral desta capacidade pois conseguiu plantar na mentalidade comum a ideia de que se tudo está bom agora é mérito da administração Lula e o que não está bom é culpa da administração FHC. Ora, várias melhoras no Brasil hoje, são fruto de governanças anteriores, desde FHC até militares e chegaremos até Getulio Vargas. A privatização, por exemplo, foi excelente para o país. Isto não quer dizer que recriar uma Telebras não vá promover a disseminação da internet e nem que não vá ser usada como cabide de empregos. Infelizmente o bem anda sempre junto do bem!

    1. Valmont Responder

      Grande parte do preconceito disseminado hoje na sociedade brasileira contra o Partido dos Trabalhadores, colocando esta agremiação política como “uma organização criminosa” é fruto de um esforço intenso da grande mídia corporativa no sentido de manipular a informação, assassinar reputações e criar uma visão distorcida dos fatos (quando não fabricam inteiramente os malditos “factóides”).
      O caso do líder do MST, João Pedro Stédile, pintado pela mídia conservadora como um verdadeiro demônio, com direito a chifres e muita tinta vermelha em capa de revista, é bastante ilustrativo do comportamento desse “jornalismo” entre aspas. Quando conheci o verdadeiro personagem, através de entrevistas no YouTube e em outros meios, fiquei estupefato. O personagem real não tem absolutamente nada a ver com aquele que criaram na matrix das editoras gloebbels e abril! Impressionante como os senhores da matrix conseguem vender ilusões tão absurdas como se fossem a mais pura verdade! E assim criam um contingente de milhões de pessoas guiadas pelas suas mentiras! Pessoas que chegam aqui e enchem o peito e derramam toda a sorte de preconceitos e mentiras.
      Quantos milhões de pessoas estão pensando e agindo como verdadeiros “zumbis” programados para defender acriticamente os interesses obscuros desses poderosos grupos econômicos que dominam os meios de comunicação? Sim, por incrível que pareça, ainda existe muita gente que acredita em rede gloebbels, revista veja e folha!
      É chocante!

  69. MAGNO CEZAR Responder

    Correção:Infelizmente o bem anda sempre junto do mal!

  70. Clarissa Granada Norenberg Responder

    Achei fantástica essa publicação!
    Lógico que não somos ingênuos o suficiente em acreditar que o governo de Lula e seu partido não cometeu grandes erros, daí tolerar os absurdos que VEJA publica semanalmente é desaforo. Classificar o PT em o pior partido político é no mínimo infantil. Acrdedito que um jornalismo sério e transparente possibilitaria eleitores mais conscientes e consequentemente uma política muito mais ética e comprometida com o povo.

  71. Eduardo Responder

    Parabéns aos alunos da PUC. Gostei muito do trabalho = )

  72. Jpsé Reinaldo Rosado Responder

    Eu acho que vc esta lendo somente a publicidade, Leia os artigos e talvez entende o porque. Quanto ao restante da baboseira, pelo amor de Deus não coloque o nome do Getulio Vargas para justificar suas neuroses. Seus afetos se pudessem não deixariam restar nem o túmulo do mesmo.

  73. Francisco Boni Responder

    Veja é o esgoto do jornalismo. É a Newscorp, a Fox News brasileira.

  74. Paulo Responder

    Assinei, deixei, é tendenciosa, atende a elite dominante, esculhamba com as pessoas e ainda se acha a “revista”.
    É uma vergonha, um lixo. Não tem embasamento, fala o que quer sem se preocupar com a veracidade dos fatos, vive de sensacionalismo barato.

  75. Maura Responder

    Excelente artigo! Deixei de assinar essa “revista” há muito tempo. Recebi uns meses de graça, mas até de graça ela não vale a pena. É uma vergonha que se faça jornalismo de forma tão suja. É preciso mostrar fatos ao leitor e não tentar influenciar as pessoas com matérias tão parciais e com capas tão tendenciosas que causam nojo. Parabéns pela pesquisa.

  76. Juliano Responder

    Lula tem o maior índice de aprovação de todos os governos, é fácil compreender o porque:

    – Quais são as maiores classes sociais do Brasil?

    Resp. Talvez “B” entre na contagem, mas no geral é C,D e E.

    – No geral no Brasil, são MUITOS com pouco; e POUCOS com muito.

    Assim fica fácil explicar porque os números indicam POUCOS INSATISFEITOS e MUITOS SATISFEITOS.

    Os “antigos” MISERÁVEIS passaram a ter um POUCO MAIS…

    ..Já os GRANDES magnatas, não perderam o que tinham, só DEIXARAM de ganhar mais, porque os MISERÁVEIS conseguiram adquirir alguma coisa..

    PS: Não sou petista, apenas procuro ser justo, falaria assim até se SARNEY fizesse o mesmo.

  77. Pedro Responder

    Esse estudo, da forma como está explanado, é tendencioso.

    Existe um viés óbvio que interfere toda a análise produzida pelo pesquisador, o mesmo só realizou sua pesquisa entre 2003 e 2006. Portanto, não importa saber se o indice de “escandalos” é de 70% ou de 20%. Não importa pq não está companrando com o mesmo índice em outros governos.

    Outro viés é a óbvia interferência das crenças do autor prévias à pesquisa realizada. Vamos falar sério, o pesquisador não gostava da tal revista e resolveu resumir seu sentimento em um trabalho. Tanto que, em um momento da entrevista o mesmo diz “o jornalismo da revista chegou a ser mais anti-ético que os próprios políticos”. Como assim? Tem mais ou menos anti-ético nessa conta? Pra mim roubar dinheiro público é TÃO anti-ético quanto mentir.

    VEJAM que não estou defendendo a revista (que por sinal não leio por completa falta de tempo e dinheiro para assinar, além da possibilidade de conseguir informações através de outros meios de comunicação). Apenas estou dizendo que o trabalho apresentado é impregnado por viéses que não estão sendo explicados no post. Tornando o post também enviesado.

    Básicamente, para novos pesquisadores: Quando forem fazer uma pesquisa, tirem conclusões DEPOIS de analisados os resultados da mesma. A pesquisa, quando feita para servir a uma ideia pré concebida, sempre trará resultados pouco confiáveis.

    Espero que a banca tenha explicado tais posições para o pesquisador.

    Abraço

    Pedro

  78. Pedro Responder

    Mais dois pontos relevantes:
    I) existe uma metodologia de classificação de intenção de capas? Na entrevista isso não fica claro. Se depender da interpretação do autor é mais um estudo enviesado e muito tempo perdido. Talvez o ideal fosse fazer uma pesquisa, ou criar um banco de dados de características positivas e negativas para utilizá-las ao avaliar as capas.

    II) o autor confunde “bom-jornalismo” e “mau-jornalismo” com posicionamento político. Segundo explicitado na entrevista, toda vez que a veja se posiciona institucionalmente contra algum fato, é “mau-jornalismo”. Na realidade, não é. É possível fazer bom jornalismo tomando posições políticas, contanto que tais posições não sejam consequência de um comprometimento com “alguem”, mas sim a pura interpretação do jornalista sobre o fato.

    1. Flavia Responder

      Concordo com o seu post anterior. Uma pesquisa menos tendenciosa abordaria o período FHC e acho que citar outros meios jornalísticos, e não só a Veja, também daria maior solidez.
      Mas não acho que ele confunde posicionamento político com a qualidade do jornalismo da revista. O autor da tese, na entrevista, também afirma que “É possível fazer bom jornalismo tomando posições políticas (…)”. A questão é que a Veja se diz imparcial quando não é, e que boa parte de seus artigos não tem embasamento, quando suas capas sensacionalistas fazem parecer que sim.
      E, por fim, ao polêmico Marcos: não adianta aprender a ler se você não consegue captar a idéia – não a sua, a do autor. O autor da tese NÃO está defendendo o Lula. A tese não é sobre o Lula. Nem sobre o FHC. Nem sobre o Serra. Sugiro que vc faça uma releitura e uma reflexão.

  79. Sandro Santos Responder

    Não dá para analisar a parcialidade de Veja com base nos anos de governo do PT. Deve-se analisar o comportamento da revista também no período de governo PSDB, para poder analisar a conduta da revista frente à situação. Do ponto de vista do artigo, no governo Lula, Veja critica a situação, defendendo a oposição. Não teria Veja a mesma conduta no período de governo FHC? Para a conclusão, é necessário expandir à tese ao comportamento da revista nesse período.

  80. Nora Di Pacce Responder

    A arquitetura da mentira montada pela grande mídia é tão descancarada, que inclusive pessoas bem intencionadas continuam falando do mensalão como se fosse provado. A existencia do mensalão nunca foi comprovada, é mais, nunca os denunciantes (aliás denunciantes sem moral) apresentaram provas do chamado “mensalão”. O que existiu foi caixa dois no PT, uma mancada ética por tratarse de um partido que criticava até então essa prática. Falta de ética e delito, são coisas bem diferenetes. O governo de FHC na minha opinião, deveria ser julgado por traição à Pátria, por ter dado de graça a Vale do Río Doce com práticas pouco trânsparentes (entendase corrupção)e por ter deixado o pais endividado e atrelado ao FMI. O Lula chegou a tempo aínda para resgatar a economía do país antes da última crise internacional, que deixo bunda para o céu a todos os países que seguem as instruções do Organismo americano, incluindo as chamadas nações do primeiro mundo, que não conseguem sair da crise sem medidas restritivas do consumo e com altos índices de demisões e desemprego (GRECIA, Espanha, Alemanha, Estados Unidos). Veja e a grande imprenssa brasileira em geral mereceríam acabar definitivamente no lixo da história (eu espero isso) O FHC e os tucanos também. Será Justiça.

  81. orion Responder

    No meu entendimento a pior revista e a veja e antidemocratica ,meu filho tinha a assinatura acabei com isso a minha filha tambem , nao ,nao podemos com-pactuar com um meios de informação distorcida como e esta revista ,ele as tem que rever os conceitos de cidadãos democráticos pra mim e NAO A VEJA

  82. Fábio Popinigis Responder

    Pessoal, alguém conseguiu baixar a monografia? A conexão cai sempre, esse site (domínio público) é um lixo! Se alguém tiver conseguido baixar e tiver a bondade de me enviar, meu email é popinigis@hotmail.com. Valeu, Brasil.

  83. charles Responder

    Eu gosto d Veja, ela não participa da espiral do silêncio que visa anestesiar o povo brasileiro para os escândalos do PT.

  84. Carlos Responder

    Se esse blog fosse imparcial, esperaria passar a eleição para divulgar e agredir a revista, colocando-a como a grande culpada das pilantragens do PT. O que esse texto da coluna tenta é exatamente fazer o que acusa tanto a Veja: fazer politicagem. Ser parcial.
    Lula e seus capangas são uma raça que deve ser extinta. E se a Veja apoiar pilantragens de algum governo do PSDB que algum dia entrar no Planalto, eu ficarei contra ela. Mas hoje ela está do lado certo: da honestidade. E esse lado não é o do PT.

  85. rose Responder

    Um por um, os jornais e revistas brasileiros foram caindo de qualidade e deixando seus leitores órfãos. Quando minha assinatura da Veja terminou, senti um imenso alívio, o mesmo que sentirei agora, quando terminar a assinatura de sua irmã siamesa Época.

    Considerando que problema idêntico infesta nosso telejornalismo, sinto-me usurpada do meu direito de acesso à informação. A mídia impressa e televisiva não me oferecem mais esse produto.

    A propósito, Carlos, fique aguardando sentado uma reportagem de capa da Veja, da Época, da Folha, do Globo e do Estadão sobre os escândalos tucanos e quebras de sigilos no RS. Ou continue usando seus óculos cor-de-rosa.

  86. Maros Kullmann Responder

    “ESGOTO”, esse é nome correto dessa revista. Também já fui assinante dela. Com o tempo percebi como era parcial. Cancelei minha assinatura e passei a desmascará-la. Depois disso, passei a perceber que somente imbecis leem a Veja. São pessoas sem opinião própria. São contra o aborto. São egoistas. Conservadores. Apoiam a pena de morte. Acham que todo pobre é malandro. Só votam em almafadinhas. São racistas. Falam mal de nordestino, etc, etc, etc.

  87. emmanuel Responder

    “Lula e seus capangas são uma raça que deve ser extinta. E se a Veja apoiar pilantragens de algum governo do PSDB que algum dia entrar no Planalto, eu ficarei contra ela”

    impagável, cômico e ao mesmo tempo perigoso pelas tendências fascistas vermos a direita desesperada LENDO OBJETIVAMENTE QUE NÃO MENOS QUE 30%, e alguns anos mais, DA REVISTA DE MAIOR CIRCULAÇÃO DO PAÍS DESTINA A DESINFORMAR E SABOTAR O GOVERNO e ao mesmo tempo acusar o blog de fazer “politicagem”. parcialidade no bumbum dos outros é refresco!

  88. Tobias Responder

    MAIS REALISTA QUE O REI.

    No tempo da escravidão, segundo historiadores, o CAPITÃO DO MATO, que tambem era negro, ao ir caçar (com ç mesmo)o negros que fugiam, era mais cruel com os fugitivos do que o senhor de engenho, dono dos escravos. Obviamente que a revista VEJA, no incio deve ter sido orientada ou até ganhado dinheiro da CIA, para ter um postura pro americana. O tempo passou e ela continua com a mesma doutrina, nem a imprensa da MECA do Capitalismo é tão tendenciosa. ISTO É SER MAIS REALISTA QUE O REI. Esta semana a capa desta revista é um POLVO para aludir ao LULA E ao PT. Muito embora já sabemos quem lê uma revista desta são queles que só o que gosta de ouvir, não o que é verdade.

    1. Mariac Responder

      As vendas dessa revista são pequenas e turbinadas pelas doações estatais e encartes. O problema é que uma minoria realmente a lê e acredita nela. São a classe média econômica e sem instrução geral. Ou seja pessoas que na média nunca leram a Constituição Federal, que nunca leram um trabalho sociológico apesar de bajular sociólogos, nunca analisaram nada além de seu campo profissional.Essa pessoas leem esse mesmo tipo de matéria na internet.E da mesma forma, sem criticas.

  89. Jose Antonio Queiroz Responder

    Escrevinhador, obrigado por dar essa oportunidade de ler algo tão serio, nem sempre encontramos por ai na grande impresa. Faz muito tempo que já não aceito o que os jornais, revistas e telejornais, tentam passar , sem antes fazer minha analise e ler os mais diversos tipos de pensamentos, mas nesse caso é notorio a tendencia da veja anti pt, parabens a vc pela publicação e ao jornalista pela tese.

  90. Jefferson Albuquerque Responder

    Fiz uma análise similar na faculdade de jornalismo em 2005 e comprovei isso também. A Veja é uma revista deprimente, nojenta e asquerosa. E falo isso por conhecimento de causa, fui assinante. Agora é bom que se fale, tirando o conteúdo político e aquelas matérias ridículas comportamentais, alguns artigos são bons, a parte de cultura e as frases da semanas são legais também, tipo revista de banheiro, se é que me entendem. E outra coisa, neguinho falar que a Veja é a melhor revista do Brasil, que é sincera, que está fazendo o seu papel de representante da classe média…não me faça rir. Não queira justificar o seu dinheiro mal gasto, por favor. Vai ler um livro que é melhor. Parabéns pela entrevista, não se trata de oportunidade eleitoral, se trata de debate, conversar sobre o assunto em alto nível. Muitos entenderam, outros não. Como sempre vai acontecer.

  91. Leandro Diniz Responder

    Prezados,

    Façam como eu, iniciem a campanha:

    NÃO LEIO A VEJA E FAREI O POSSÍVEL PARA QUE NINGUÉM LEIA.

    Como pode uma Revista tão importante chegar onde chegou? Uma grande pena, mas viva aos blogs, sites, revistas e jornais que mostram o “outro lado da moeda”.

    Abraços Brasil e Lula!

  92. anonimo000 Responder

    Pelos menos já estamos formandos jornalistas que nunca irá trabalhar para o PIG e do dinheiro do povo fazendo jornalismo imbecilóide. Afinal, quem é amigo da do governo, mesmo sendo meio gago e imbecil tem programa de TV. Mais ainda: sendo ex-PIG, basta que um dia seja comprado para dizer que só ganhou esse emprego e outras cositas do governo para derrubar Serra, que Dilma será tirada do poder

  93. Rogério Aparecido Clemente Responder

    A revista

    por Rogério Aparecido Clemente

    Paródia que bolei de A CASA de Vinícius de Morais

    Era uma casa muito engraçada… Revista Veja é muito engraçada

    Não tinha teto, não tinha nada… Tem só mentira, só palhaçada

    Ninguém podia entrar nela, não… Ninguém podia ler ela não

    Porque na casa não tinha chão… Porque é um lixo, pros sem noção

    Ninguém podia dormir na rede… Mas internauta fica na rede

    Porque na casa não tinha parede… Porque a verdade desperta sede

    Ninguém podia fazer pipi… Ninguém podia sequer abrir

    Porque penico não tinha ali… Porque verdade não tinha ali

    Mas era feita com muito esmero… Mas fala asneira e lero lero

    na rua dos bobos numero zero… Pra enganar bobo de QI zero

  94. Marinaldo Waitman Responder

    Estou cancelando assinaturas da Veja e da Folha de São Paulo.

    Imprensa golpista!

  95. Valkimar Paulino Responder

    O que Rodrigo Viana e os fanaticos petista querem; Uma imprensa subserviente e covarde, que não noticie os escandalos e robalheiras dos patifes que comandam e estão instalados nos altos escalões do governo…Uma imprensa amordaçada como a venezuelana…vcs precisam se alfabetizarem, lerem, raciocinarem, descobrirem o real sentido de DEMOCRACIA…o Brasil não é uma União Sovietica(periodo comunista), não é um Irã, não é Cuba, não é uma Venezuela…O Brasil é um país civilizado que lutou 20 anos contra uma ditadura que intimidava, cerceava e censurava o direito a liberdade de expressão…E justamente agora que temos este direito e esta garantia, surge as viúvas dos porões da tortura…insatisfeitas com quem tem coragem de denunciar as podridões da politica brasileira.

    1. Fabio Responder

      O problema não é denuciar é ser imparcial! analise a revista durante o periodo fhc e nos governos do Serra e Alckmim em são paulo ai vc verá a parcialidade desta revista, o pior burro é o que num quer vê.

  96. Fabio Responder

    Veja como são as coisas
    Veja como as coisas mudam
    Veja como a verdade prevalece
    Veja como as máscaras caem
    Veja como a oposição continum uma mesmice
    Veja a falta de honra dos perdedores
    Veja sua politicagem suja
    Veja como vale a pena acreditar e lutar por este Brasil
    Veja a vitória chegando
    Veja um brasil que pensa por sí
    Veja que não precisamos da mediocridade pensando por nós
    Veja que somos capazes
    Veja , Veja , Veja
    Olê , Olê, Olê Olá, Dilma, Dilama Lá…

  97. Rafael Legramandi do Prado Responder

    Obrigado Veja, por seus serviços

  98. Ivan Soares Responder

    Obrigado Rodrigo Viana pelos esclarecimentos!

  99. Ivan Soares Responder

    Há uma diferença essencial entre o jornalismo “investigativo” e o jornalismo “declaratório”, começou Caco.

    O investigativo é o do repórter ativo, com luz própria, que investiga antes de a informação se tornar pública.

    Que ouve os envolvidos e, a partir das declarações, começa a investigar, confrontar a declaração com os fatos que apurou.

    Declaratório é o jornalismo praticado na maioria das redações brasileiras.

    Basta uma fonte da área publica ou privada e isso, por si só, se torna uma notícia.

  100. Thiago Damásio Responder

    Apesar de ser uma publicação de agosto de 2010, é uma leitura muito atual. Sem palavras para esta matéria. Parabéns!

  101. Robot Comunist Responder

    Apesar da clareza da posição ideológica dessa porcaria, os donos dela ainda recusam o conteúdo hitleriano desse editorial.
    Não é crime ser direitista, e nem podeira ser estamos em uma democracia, (apesar de ter sido feito isso ao inverso no EUA durante a Guerra Fria), mas os caminhos e decisões tomadas pelo semanário dos donos da Casa-Grande, ou remanescentes da tábula redonda e Ordem Feudal, infringiram totalmente uma coisa chamada código de ética dos jornalista, que quando se trata dos interesses da mídia nativa é usadas pelos vassalos das Terras Tupiniquins como papel higiênico de seus escravos, digo criados, (pois teem bidê, detestam algo que lembre servos).
    E apesar das atrocidades divulgadas pelos Órgãos alternativos, as relações entre Carlos Cachoeira seus partidos protegidos fascistas, separatistas, elitistas, digo, de direita, Abril, Globo, na criação, sim criação de noticias que ajudavam o contraventor, sonegador, lavador do dinheiro da máfia, e diversos outros adjetivos grotescos, foi esquecida pelas autoridades na CPI do Cachoeira. Ora, a própria PF mostrou através de gravações a ligações entre esses órgãos de imprensa!!!
    Foi esquecido as ligações entre Policarpo Jr e Dadá? Ou mesmo e Demóstenes Torres? Que trocou informações com o objetivo de denigrir a imagem do PT, e bater nos adversários impossibilitaria a aprovação de um projeto de lei que favoreceria os negócios de Cachoeira?
    A mídia nativa se uniu por motivos corporativos e medo da as punições.
    Rupert Murdoch foi preso na Terra da Rainha, e Lord Civita, Marinho e o clãn dos Vassalos ovacionados na Terra parada no tempo.

  102. Mariac Responder

    Acho que o senhor poderia fazer uma leitura de entrelinhas, sublinhas e sobrelinhas para começar. Posso ajudar na leitura. Mande as dificuldades.

  103. Mariac Responder

    O problema Sr. Daniel não está na leitura por pessoas que têm criticas ao que lêem.Algumas pessoas que acreditam piemente no que lêem.Sem criticas.Há um trabalho bem interessante e muito antigo chamado “os teledependentes” .Que é o fenômeno de se assitir TV e receber a luz da tela como uma coisa divina. A maioria das pessoas é assim.
    O paralelo se pode aplicar ao mídiadependente.

  104. Mariac Responder

    Sobre o Mainardi ( se não me esqueci e pode ser o Noblat..) uma pessoa escreveu um artigo interessante e está na NET ” quem lhe dá a moedinha” . Vale ler.

  105. Joel Responder

    Esse lixo chega à minha casa toda semana, porque minha irmã foi assinante há muito tempo e cancelou, claro, porque viu que era só propaganda do PSDB.
    Faz quase um ano, ligaram e começaram a mandar seis meses de graça, para degustação. Já faz oito meses e as revistas chegam toda semana, de graça.
    Isso mostra o que ela faz para inflar os números de publicação.
    Mas propaganda do PSDB eu não quero nem de graça. Só recebemos para evitar que o lixo vá poluir outro lugar.

  106. Edson Responder

    Que faz anti-jornalismo é você, Rodrigo Vianna.

    Defensor do molusco canalha de 9 dedos.

    Seu caso é de esquerdopatia grave. Deve ser internado já.

    1. Shey Responder

      Parabéns. É esse tipo de comentário que evidencia bem o perfil de leitor dessa revista, tal como um ex-professor da faculdade que não se conformava do Brasil ter colocado um “analfabeto” no poder.
      Fiz bem em empregar meu dinheirim em coisa melhor.

  107. T4ty4n4 Responder

    Para quem não entendeu ainda como a Veja funciona, segue artigo no site do Terra:
    “Gravações feitas pela Polícia Federal (PF), que constam em inquérito da operação Monte Carlo, indicam que o contraventor Carlinhos Cachoeira influenciava os rumos de reportagens da revista Veja. Em conversa com o ex-diretor da empresa Delta Claudio Abreu, o bicheiro comemora a publicação de uma matéria: “Foi bom demais, hein?”. Em seguida, Abreu comenta que indicou “PJ” (Policarpo Júnior, diretor da sucursal da revista em Brasília) a continuar no “caminho” de denunciar o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT)”.