Cinegnose

por Wilson Ferreira

20 de outubro de 2016, 16h16

Netflix, Operação Lava Jato e o “Smart Power”

O Netflix anunciou para o ano que vem uma série baseada na atual Operação Lava Jato, em cartaz na grande mídia desde 2014, estrelada pelo protagonista Sergio Moro. Curioso sincronismo entre uma operação, cujas ações sempre foram pautadas por simbolismos e timing midiático, e uma série ficcional inspirada em evento real ainda em evolução. Desde “House of Cards”, o Netflix vem protagonizando recorrentes “coincidências significativas” – parece que suas produções pontuam e até interveem na atual crise política brasileira. Coincidência? Ou estamos testemunhando a nova política externa da chamada “Smart Power” (Hard Power + Soft Power) implementada por Hilary Clinton no Departamento de Estado dos EUA em 2009? Armas e bombas + indústria do entretenimento, produções midiáticas que estariam além da mera imposição ideológica. Agora, sofisticada engenharia de opinião pública onde eventos reais dialogam com narrativas ficcionais, até que paradoxalmente a realidade se torne verossímil por meio da ficção: se virou série, então é verdade!

Durante as audiências de confirmação no senado para se tornar Secretária de Estado do Governo Barack Obama em 2009, Hillary Clinton disse: “A América não pode resolver sozinha os problemas mais prementes, e o mundo não pode resolve-los sem os Estados Unidos. Devemos usar o que tem sido chamado de ‘Smart Power’, a gama completa de ferramentas à nossa disposição”.

A Netflix confirmou que está iniciando a produção uma nova série idealizada pelo cineasta José Padilha (Tropa de Elite, Robocop e Narcos) baseada na Operação Lava Jato, em cartaz ininterrupto na mídia nacional nos últimos dois anos  e estrelada pelo juiz de primeira instância de Curitiba Sérgio Moro – e até agora, dois atores sondados (Wagner Moro e Rodrigo Lombardi) para representar o protagonista na série recusaram o convite de Padilha. 

Qual as relações entre o conceito de estratégia de política internacional Smart Power criada pelo Center of Strategic and International Studies (CSIS), colocado em ação por Hillary Clinton como Secretária de Estado, e as produções do canal de streaming Netflix?

Como os leitores do Cinegnose já devem ter percebido, esse humilde blogueiro acredita que entre a ficção e a realidade há diversas conexões, sejam elas sincromísticas (coincidências significativas), por imitação (efeito copycat), intencionais (engenharia de opinião) ou  simulação (a hipótese gnóstica da Matrix) .

Temer e Frank Underwood: crise política brasileira é uma versão canastrona de “House of Cards”?

Coincidências significativas

Há recorrentes “coincidências significativas” entre produções Netflix e eventos políticos brasileiros recentes, tão recorrentes que começamos a suspeitar em uma sofisticada estratégia de engenharia de opinião dentro da política internacional ampla e ambiciosa do Smart Power – a combinação entre Hard Power (a força militar e bélica) e Soft Power (mídia e indústria do entretenimento) capaz de costurar alianças e parcerias com instituições de todos os níveis para expandir a influência norte-americana e legitimar suas ações.

Para começar, a série House of Cards que narra a trajetória do líder Democrata no Congresso que articula, com ardil, traições e mentiras, sua chegada ao centro do Poder no Salão Oval da presidência. Lançada em 2013, em plena campanha eleitoral brasileira à presidência, tornou-se cultuada no Brasil ao surfar na ascensão neoconservadora da rejeição à política – como em Brasília, na série um vice-presidente articula o impeachment presidencial para chegar ao Poder. 

Ao explorar os tradicionais clichês hollywoodianos (o mito do Mr. President, o mito do Príncipe Maquiavélico, o mito do “Estado Sou Eu!” e o retrato dos jornalistas como um bando de patifes sem esperanças – sobre os mitos da série clique aqui) a série caiu como uma luva na opinião pública brasileira – a rejeição in totum dos políticos, cujo reflexo podemos acompanhar nas últimas eleições com número recorde de abstenções e votos nulos. 

Mais tarde, a mesma série envolveu-se em outro sincronismo: às cinco horas da manhã de uma sexta-feira de março desse ano a Netflix liberava no Brasil a quarta temporada de House of Cards. Uma hora depois, a TV Globo transmitia ao vivo a condução coercitiva de Lula por 200 homens da Polícia Federal dentro de mais uma etapa da Operação Lava Jato.

Além dos aspectos jurídicos, investigativos e policiais, sabemos que a Operação Lava Jato possui um apurado senso para explorar temas simbólicos e midiáticos nas buscas, prisões, delações e vazamentos – etapas como nomes insólitos, policiais federais com ostentação fetichista de armas e uniformes negros de snipers, vazamentos acompanhando o timing das redações etc.

Convergências oportunas

Por isso, não é de espantar que a Operação Lava Jato, a crise política e a série Netflix House of Cards tiveram convergências oportunas:

(a) Em 2015 a grande mídia enchia a bola do vice Michel Temer atribuindo a ele a esperança de uma solução para a crise política quando assumisse o lugar da presidenta Dilma. Parecia o roteiro das primeiras temporadas de House Of Cards.

(b) No final do ano passado, numa entrevista dada à BBC Brasil, o ministro do STF Gilmar Mendes (notório inimigo político do PT) disse que “a corrupção e a disputa pelo poder a qualquer custo exibidas na série House of Cards se repetem em Brasília” – sobre isso clique aqui

E agora nesse ano, em pleno momento crucial da crise política (impeachment e a eminente prisão de Lula pela Lava Jato – a prisão de Eduardo Cunha é apenas um simbolismo para demonstrar a suposta imparcialidade de Moro), a Netflix anuncia a produção de série baseada nas investigações da Lava Jato. 

Tanto Erick Barmack (vice-presidente de produções originais da Netflix) como o cineasta José Padilha se apressaram em declarações carregadas de juízo de valor: “O Netflix reconhece o talento de Padilha para documentar esse momento importante na história do Brasil”, disse Barmack.

“Esse projeto vai narrar a operação policial em si e mostrar detalhes do maior esquema de corrupção já visto no Brasil”, afirmou Padilha.

Diferente de outras produções históricas e políticas do gênero (produções a posteriori dos acontecimentos, resultantes de pesquisas e depoimentos de pontos de vista diversos), a Netflix parece se notabilizar por séries ou filmes sobre eventos ainda em constante evolução, quase como uma intervenção ficcional em um evento real em desenvolvimento.

Podemos estabelecer uma triangulação cujos vértices seriam Operação Lava Jato, Netflix e Departamento de Estado dos EUA? Qual a motivação e contexto? Muito menos o combate à corrupção (que, como veremos, marotamente a política de Smart Power associa com o combate ao terrorismo internacional) e muito mais o controle da geopolítica do petróleo, ameaçada pelas jazidas do Pré-sal brasileiro.

Alguns fatos para considerar:

(a) O caso do telegrama “Moro-Wikileaks”

Um relatório da Embaixada dos EUA em Brasília para o Secretário de Estado daquele País sobre a Conferência realizada no Rio “Crimes Financeiros Ilícitos” em 2009. Curso financiado pelo Departamento de Estado norte-americano onde Sérgio Moro é apresentado como “Juiz Federal de Lavagem de Dinheiro” – cargo fictício inventado para destaca-lo entre os 2.089 juízes federais que tratam o tema diariamente).

Moro foi um dos instrutores do curso. A proposta era convencer as autoridades do judiciário brasileiro a “passarem a colaborar” com autoridades e membros da Inteligência policial e militar de outro país. 

O mais importante é que o Curso pretendia aproximar a questão da corrupção (“finanças ilícitas) com o combate ao terrorismo internacional – lavagem de dinheiro como forma de financiar grupos terroristas.

>>>>>Continue lendo no Cinegnose>>>>>>>

Veja também:  Mais uma vez a mídia dominante entende errado a Venezuela

 

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum