Alunos da USP permanecem na reitoria e UNE promove dia de ocupações

Após assembléia geral realizada na noite da terça feira, 5, os alunos que ocupam a reitoria da Universidade de São Paulo (USP), desde o dia 3 de maio, decidiram manter a ocupação. A União...

144 0

Após assembléia geral realizada na noite da terça feira, 5, os alunos que ocupam a reitoria da Universidade de São Paulo (USP), desde o dia 3 de maio, decidiram manter a ocupação. A União Nacional dos Estudantes (UNE), promove, nesta quarta-feira, 6, mobilizações em universidades federais.

Após assembléia geral realizada na noite da terça feira, 5, os alunos que ocupam a reitoria da Universidade de São Paulo (USP), desde o dia 3 de maio, decidiram manter a ocupação. A União Nacional dos Estudantes (UNE), promove, nesta quarta-feira, 6, mobilizações em universidades federais.

Assembléia que durou mais de quatro horas decidiu manter a ocupação e aguardar nova reunião com a reitora Suely Vilela, agendada para a próxima segunda-feira, 11. Os alunos, durante a assembléia, reafirmaram as pautas reivindicatórias e pediram a revogação integral dos decretos e a ampliação do atendimento dos 18 pontos em negociação com a reitoria.

Ato pelo fim da ocupação

Nesta quarta-feira, estudantes, professores e funcionários contrários à ocupação realizarão um “Ato de Defesa da Universidade Pública” no campus da USP. Marcado para as 9h, a previsão é de passeata até a reitoria ocupada, onde será entregue documento de repúdio aos estudantes que ocupam a reitoria.

Os estudantes, professores e funcionários, em greve, da USP, que apóiam a ocupação farão ato, em solidariedade, no mesmo local e hora.

Dia de Mobilização A UNE, convocou para esta quarta, 6, o “Dia Nacional da Mobilização nas Universidades Públicas, em defesa da educação e do Brasil”. Em nota, a entidade pede que a educação seja colocada “como prioridade e bem estratégico para o desenvolvimento do país”. A pauta de reivindicações da UNE são a derrubada dos vetos ao Plano Nacional de Educação, garantindo o investimento de 7% do PIB destinado à educação. Criação de um Plano Nacional de Assistência Estudantil. Autonomia administrativa e de gestão financeira para as Universidades.

Greve dos professores Professores da USP e da Unicamp aprovaram em assembléias um indicativo pelo fim da greve da categoria na próxima segunda, 11. Eles terão uma nova rodada de negociações na tarde desta quarta com o Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas (Cruesp). Uma das reivindicações da categoria é o reajuste salarial de 3,15% de aumento mais a incorporação de R$ 200 aos salários.



No artigo

x