PT fecha questão sobre voto em lista, mas projeto de reforma política corre risco

O projeto de reforma política que apresenta o voto em lista para eleições legislativas e financiamento público de campanha deve ir a votação nesta semana. PT não liberou a bancada e exige apoio a...

182 0

O projeto de reforma política que apresenta o voto em lista para eleições legislativas e financiamento público de campanha deve ir a votação nesta semana. PT não liberou a bancada e exige apoio a ambas, apesar de haver divergências internas

Em reunião na noite de segunda-feira, 11, a Executiva Nacional do PT decidiu fechar questão sobre o apoio ao projeto de lei 1210/07 que institui o voto em lista fechado para eleições legislativas, financiamento público de campanha e fidelidade partidária. A primeira questão é mais polêmica mesmo dentro do partido. As demais legendas também não apresentam consenso.

A decisão do PT não incluiu definição de punição para parlamentares que, eventualmente, não votem como definiu a executiva. O líder do PT na Câmara, deputado Luiz Sérgio (RJ), declarou que a estratégia é a de trabalhar no convencimento para diminuir a tensão. Outra reunião da direção nacional do partido está marcada para quinta-feira.

A atenção da imprensa a respeito de punições deve-se ao fato de que, em 2003, dois deputados federais e uma senadora votaram contra a posição do partido na Reforma da Previdência, o que acarretou na expulsão dos parlamentares do partido. Luciana Genro (RS), Babá (à época no PA) e João Fontes (SE) passaram a integrar o PSoL.

O novo projeto da reforma política é o primeiro item da pauta desta terça-feira, logo após duas Medidas Provisórias. Relatado por Ronaldo Caiado (DEM-GO), que teve o mesmo papel na Comissão Especial da Reforma Política na legislatura passada, a matéria é resultado de um acordo entre os líderes partidários que garantiu a rejeição, no fim de maio, do Projeto de Lei 8039/86, do Senado, e de outras 100 propostas sobre o assunto que tramitavam em conjunto nas casas. O acordo ainda aprovou regime de urgência para a nova proposta.

Para Caiado, o voto em lista deve ser submetido a voto primeiro e, a partir do resultado, se define se o financiamento público vai a votação ou não. “Se não tiver lista, não tem como distribuir o dinheiro para os partidos”, disse em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo. “Aí, por que criar federação de partidos? Também não tem sentido. Aí são remendos que não alteram em nada o problema que está levando a crise ao Congresso Nacional”, questiona o parlamentar da bancada ruralista.

O líder do PSDB, Antonio Carlos Pannunzio (SP), disse à Agência Câmara, que a bancada de seu partido tem 50% de apoio às medidas.

Já o deputado Ciro Gomes (PSB-CE), considera que a medida não deve passar na Câmara pelo nível em que o debate é colocado, porque a lista fechada é vista como o fim do voto direto e o financiamento público uma forma de gastar mal o dinheiro público. “Os críticos dirão assim: no País que falta dinheiro até para comprar esparadrapo para os hospitais vai agora gastar dinheiro com foguete para político fazer zoada em comício?” Ele afirma ser favorável ao financimento público.



No artigo

x