Diante da presença policial, manifestantes contra transposição aceitam deixar ocupação

Acampados em Cabrobó (PE) admitiram deixar a área pacificamente, sem ajuda da polícia para retirar objetos e pessoas Os manifestantes acampados em Cabrobó (PE) contrários à transposição de águas do rio São Francisco admitiram deixar...

186 0

Acampados em Cabrobó (PE) admitiram deixar a área pacificamente, sem ajuda da polícia para retirar objetos e pessoas

Os manifestantes acampados em Cabrobó (PE) contrários à transposição de águas do rio São Francisco admitiram deixar a área diante da presença policial. Os ocupantes tomaram a região de tomada de água do eixo norte da transposição no dia 26, onde o 2º Batalhão de Engenharia e Construção do Exército havia iniciado as obras.

Diante da ação de reintegração de posse expedida pela 20ª Vara Federal de Salgueiro (PE), agentes da polícia federal, oficial de justiça e o representante da Funai – condições exigidas pela sentença –, reforçados por policiais militares, chegaram em peso à região do acampamento na manhã desta quarta-feira, 4.

Os manifestantes concordaram com a saída pacífica, mas recusam qualquer tipo de ajuda da polícia para transportar objetos e pessoas.

Segundo a assessoria de imprensa do movimento, os policiais chegaram fortemente armados, em ônibus, helicóptero, ambulância e viaturas. “O oficial de justiça leu a intimação, entregou para os acampados e caracterizou a ação de despejo. A negociação aconteceu entre representantes do acampamento, delegado da policia federal e o agente do posto da Funai no município”, diz a nota.

O grupo aposta agora em outras ações que impeçam o projeto.

Abuso

No início da noite de terça-feira, policiais militares de Cabrobó fecharam as áreas de acesso ao acampamento. Os manifestantes dizem ter procurado os oficiais e teriam sido informados de que havia ordem do comando policial do município para impedir a entrada e saída de pessoas. Questionados pela ação e sobre a não-apresentação de qualquer documento, um dos policiais teria afirmado: “o documento somos nós”.



No artigo

x