Petróleo caminha para os 100 dólares

Os preços do petróleo voltaram a subir na semana passada na medida em que se sedimentam fatores conjunturais, com as reduções na produção da África ou do Mar do Norte, junto com os engarrafamentos em refinarias e maior demanda por gasolina devido às férias...

262 0

Por Humberto Márquez, da IPS 

Os preços do petróleo voltaram a subir na semana passada na medida em que se sedimentam fatores conjunturais, com as reduções na produção da África ou do Mar do Norte, junto com os engarrafamentos em refinarias e maior demanda por gasolina devido às férias na América do Norte. “Há muitos fatores contingentes no mercado, e todos apontam para a tendência do encarecimento relativo do petróleo”, disse à IPS Francisco Mieres, professor de pós-graduação em Economia Petroleira da Universidade Central da Venezuela.

Na Nigéria, que produz diariamente 2,5 milhões de barris de 159 litros, a produção está prejudcada em cerca de 550 mil unidades por causa da ação da Frente de Libertação do Delta do Níger, principal zona petrolífera desse país. Em Angola, por vários dias, a companhia francesa total teve de reduzir pela metade a produção no campo Dalia, onde extrai 220 mil barris por dia. Enquanto algumas refinarias nos eu completavam trabalhos de manutenção, aumentou a demanda do derivado mais popular, a gasolina, situando os estoque, em meados deste mês, em 203,3 milhões de barris, uma baixa de 2,3 milhões em uma semana.

Na sexta-feira, o petróleo West Texas Intermediate (WTI), marcador norte-americano, fechou no mercado de Nova Yorque a US$ 75,90 o barril, 33 centavos de dólar mais caro do que no dia anterior. Em Londres, o tipo Brent do Mar do Norte, referência européia, foi comercializado a US$ 77,51 por barril, queda de 16 centavos em relação à quinta-feira. As medias semanais mostraram uma alta superior a US$ 2 no WTI e de quase US$ 1 no Brent, pois foram de US$ 74,61 para o norte-americano e US$ 76,76 para o europeu. A cesta de 12 tipos utilizada pela Organização de Países Exportadores de Petróleo (Opep) teve média na semana passada de US$ 72,48, 89 centavos a mais do que na semana anterior, informou o Ministério de Energia da Venezuela, cuja cesta de petróleo era exportada a US$ 69.

“O preço do barril de petróleo caminha rumo aos US$ 100, e ninguém o pára”, disse desde Manágua, onde se encontrava, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez. Os mercados lêem outros indicadores, como o crescimento econômico da China, segundo consumidor mundial depois dos Estados Unidos, que registrou alta em seu produto de 11,9% no segundo trimestre de 2007, o maior em 11 anos. A Coréia do Sul, quarto importador de petróleo do mundo, comprou em junho 3,8% mais do que em igual período do ano passado.

Luis Giusti, ex-presidente da Petróleos da Venezuela a(PDVSA) e consultor do Centro de Estudos Estratégicos baseado em Londres, disse à IPS que “o crescimento da economia global acelera a demanda de petróleo. Um crescimento do produto bruto de 4% representa uma demanda adicional de petróleo de 2%”, explicou. As previsões da Agência Internacional de Energia, de países industrializados, mostram que o mundo consumirá 86 milhões de barris por dia ao longo deste ano, e até 88,2 milhões de barri em 2008.

O aumento da demanda chega “quando os fundamentos tradicionais do mercado mudaram, porque antes repousavam em uma capacidade de excedente cômoda, o mundo podia produzir diante de contingências entre oito e nove milhões de barris adicionais, e agora conta-se apenas com cerca de dois milhões de barris diários”, disse Giusti. Adicionalmente, este ano o mercado sentiu o golpe das reduções acertadas no final de 2006 por 10 dos 12 sócios da Opep (excluídos Angola e Iraque) e que elevam os preços ao manterem em cerca de 30 milhões de barris sua oferta total. A Opep é formada por Angola Arábia, Saudita, Argélia, Emirados Árabes Unidos, Indonésia, Irã, Iraque, Kuwait, Líbia, Nigéria, Qatar e Venezuela. Sobre essas bases e devido à robustez da economia e do consumo, o mercado se torna frágil e por isso registra a tendência de alta, explicou Giusti.

Por sua vez, Mieres afirmou que “essas são tendências já firmes e que dificilmente mudarão na medida em que avança o verão no hemisfério norte”, quando é maior a demanda por gasolina. Giusti acredita que os preços se manterão na faixa dos US$ 70 durante semanas ou meses, podendo alcançar um pico quando em agosto contingentes de veranistas se dirigirem às estradas dos Estados Unidos, mas, poderão baixar ao aproximar-se 2008 ou no começo desse ano.

Envolverde/ IPS



No artigo

x