Bispo lança manifesto contra Projeto de Lei 578/2007

Dom José Maria Saracho, da CPT de São Paulo, projeto que tramita em caráter de urgência legitimará a grilagem no Pontal do Paranapanema

217 1

Dom José Maria Saracho, da CPT de São Paulo, projeto que tramita em caráter de urgência legitimará a grilagem no Pontal do Paranapanema

Por Redação

O bispo da Diocese de Presidente Prudente e responsável pela Comissão Pastoral da Terra (CPT) de São Paulo, Dom José Maria Saracho, lançou um manifesto contra o Projeto de Lei 578/2007, enviado pelo governador José Serra (PSDB) a Assembléia Legislativa do estado. Para Saracho, “o estado não pode promover políticas que mantêm e expandem modelos comprovadamente causadores desse aumento trágico de miséria.”

O Projeto propõe mecanismo para regularização de terras do Pontal do Paranapanema com mais de 500 hectares. O projeto, que tramita em caráter de urgência, na Assembléia Legislativa de São Paulo, é apontado como ferramenta que legitimará a grilagem na região, por entidades ligadas a reforma agrária.

Leia o manifesto

Manifesto contra a legalização da grilagem no Pontal (PL 578/2007)
Os problemas enfrentados pelos (as) camponeses(as), trabalhadores(as) do campo brasileiro, notadamente pelos pequenos produtores rurais, sem-terra, acampados, assentados, assalariados rurais e pelas diversas e diferentes comunidades ribeirinhas, fazem parte das preocupações da Diocese de Presidente Prudente e conseqüentemente da CPT (Comissão Pastoral da Terra).

É com preocupação que olhamos o presente e o futuro do povo no Pontal do Paranapanema, que vive do trabalho na terra. A política oficial do país subordina-se às ordens de um sistema neoliberal, apoiando e estimulando abertamente o agronegócio intensivo e extensivo, que está estrangulando nossos pequenos agricultores e os trabalhadores em geral, tanto da cidade, quanto do campo, inviabilizando sua sobrevivência.

Sabemos que em nossa região – Pontal do Paranapanema – o governo vem favorecendo este processo, com o incentivo à monocultura da cana-de-açucar. Chama a atenção a ação do Estado que, não têm tomado medidas suficientes para cumprir a Constituição no sentido de reaver as terras públicas griladas e de destiná-las para reforma agrária.

O velho problema fundiário brasileiro, a grilagem, foi a responsável pela devastação ambiental de grandes áreas, pela violência contra comunidades autóctones e pela invasão de territórios indígenas na região do Pontal. As dívidas sociais que o Estado tem para com o povo desta região são grandes e devem ser resgatadas primeiro. Isso vale, sobremaneira, em relação aos povos da terra e das águas, que continuam obrigados a viver em condições sempre mais precárias, pela quase total falta de vontade política. O Estado não pode promover políticas que mantêm e expandem modelos comprovadamente causadores desse aumento trágico de miséria.

Historicamente as terras e as águas sempre foram controladas pelos mais fortes e colocadas a serviço de interesses de poucos, às custas da opressão do povo do campo, contando com a omissão do Estado. Creio que esta realidade ainda não mudou e o Projeto de Lei nº 578/07 sobre regularização de terras acima de 500 ha, apresentado pelo governo do Estado – perpetua em nossa região a concentração da propriedade da terra e do latifúndio. As políticas agrícolas e agrárias estão se submetendo aos interesses do agronegócio (expansão da cana-de-açucar).

Este projeto de Lei que quer regularizar as Terras do Pontal do Paranapanema é um retrocesso, pois vai contra os anseios de centenas de famílias que lutam pela reforma agrária, por vida digna. É um desrespeito à luta popular. O objetivo de qualquer lei deve ser para criar a possibilidade de agilizar a arrecadação de terras para a implantação de assentamentos de trabalhadores rurais. O que está em discussão na justiça, segundo dados da Procuradoria Geral do Estado, são aproximadamente 325.000 mil hectares (área em discriminação) e 11.223 hectares (áreas em reivindicação) de terras no Pontal do Paranapanema. Dá para assentar mais de 15 mil famílias. Isto significaria quase quadruplicar o número de famílias já assentadas na região.

A terra não pode ser transformada em simples mercadoria para produzir lucros, através da especulação ou da exploração do trabalho. A concentração de terras devolutas que deixa milhões de famílias sem terra e sem trabalho é uma afronta aos mais elementares direitos da pessoa humana, uma agressão à razão humana e uma usurpação ilegítima do bem comum.

As terras já estão sendo discutidas na justiça. Temos que esperar por decisões judiciais, mesmo que lentas, pois está em jogo o sonho de milhares de trabalhadores que querem viver dignamente no campo, pois sacramentar a usurpação, dignificar a grilagem é imoral, é crime, é pecado. Reafirmamos que a terra deve sempre ser “terra de trabalho”, lugar de viver, e não deve se tornar “terra de negócio”.

DIGA NÃO AO PROJETO DE LEI n. 578/2007 QUE REGULARIZA TERRAS DEVOLUTAS ACIMA DE 500 ha, NO PONTAL

Dom José Maria L. C. Saracho Bispo da Diocese de Presidente Prudente
Bispo Responsável pela CPT São Paulo



No artigo

1 comment

  1. sergio domingos viei

    Concordo inteiramente com a posição do bispo de Presidente Prudente. Não é possível que um governador do Estado regularize terras griladas, doando-as gratuitamente para um bando de assassinos, aglutinados na UDR, em prejuízo de milhares de trabalhadores Sem-Terra. Todos devem se unir contra esta medida.

Comments are closed.


x