Violência da mídia é tema de livro que será lançado amanhã

Para professor e coordenador da coletânea de artigos, produção de um tipo ideal de humano e negação do outro pela mídia produz e intensifica violência do cotidiano, e defende controle social para trazer debate a público.

517 2

Para professor e coordenador da coletânea de artigos, produção de um tipo ideal de humano e negação do outro pela mídia produz e intensifica violência do cotidiano, e defende controle social para trazer debate a público.

Por Camila Souza Ramos 

A violência decorrente dos padrões de ser humano impostos pela mídia que representa os interesses hegemônicos é tema de uma coletânea de artigos que foi reunida no livro “Mídia, cultura e Violência – Leituras do Real e da Representação na Sociedade Midiatizada”, do Centro Latino-Americano de Comunicação e Cultura (Celacc) da ECA/USP. O livro partiu de discussões em torno dos impactos do filme “Tropa de Elite” e acabou reunindo análises interdisciplinares sobre a violência potencializada pela mídia.

O professor Dennis de Oliveira, coordenador do centro de estudos e organizador do livro, conta que os textos, além de despertarem o leitor para uma visão crítica da mídia, também pretendem apontar para “a ideia de que somente com uma ação social coletiva é possível modificá-la”.

“Tomamos alguns referenciais, como Foucault, Marx, a Teoria Crítica, Gramsci. São autores que a gente acha que estão ficando meio em desuso na academia, mas são importantes para a gente resgatar a discussão que falta na academia, principalmente nos cursos de Jornalismo e Comunicação”, critica Dennis.

Para o professor, a visão tecnicista e acrítica cada vez dominam mais a formação dos profissionais em comunicação e fazem com que o recém-formado reproduza a lógica violenta da mídia hegemônica por uma postura “cético-cínica, e não transformadora”.

Em entrevista à Fórum, Dennis ainda defende o controle social sobre as mídias audiovisuais como forma de trazer a público a questão da produção da lógica da violência pelos canais de comunicação de massa.

O livro será lançado nesta sexta-feira, 18, na Associação Cultural Cecília ((Rua Vitorino Carmilo, 449 – São Paulo), às 19h.

Leia abaixo a entrevista na íntegra.

Revista Fórum: Como você define o termo “violência midiática”?
Dennis:
A gente associa o termo violência à agressão física. A discussão da violência midiática parte do pressuposto de que a violência física que acontece no cotidiano é produto da violência simbólica, e a violência midiática é um dos elementos dela. A palavra violência significa destruir o outro, negar a existência do outro. Na medida em que a mídia parte do pressuposto de que você tem determinadas concepções de ser humano que são aceitáveis e outras não, entendo isso como uma violência midiática. Porque ela transmite para a sociedade que existe uma concepção de ser humano que é adequada e outras que ou se submetem a uma situação de subalternidade, ou tem que ser destruídas. No meu texto eu cito o caso da agressão dos meninos da Barra da Tijuca que agrediram uma empregada doméstica e argumentaram que fizeram aquilo porque acharam que ela era prostituta. Primeiro que o ato em si parte do pressuposto da legitimidade de negar a alteridade. Meninos de classe média vêem uma mulher negra, que não tem o biotipo de quem trabalha no bairro, então ela só pode ser destruída. Quando você vê o que a mídia passa, é a ideia de um padrão de tipo humano, que vai educando cada vez mais as pessoas de que a concepção de ser humano é só isso. Nas classes hegemônicas, acabam tendo comportamentos como esse caso da agressão, e nas classes subalternas, na busca desesperada por ter aquele tipo ideal, ou se tem uma violência para expressar o descontentamento, ou para ter acesso a bens de consumo que o aproximariam a esse tipo. Tanto essa violência fortuita das classes hegemônicas quanto a violência das periferias é produto da mídia ao eleger um tipo de humano e negar o outro.

A violência também acontece quanto se nega a possibilidade de negociação. Nas narrativas, sempre tem a história do herói que vai derrotar o vilão. O problema disso é que um vence e outro perde, não há uma mediação possível. Então aquele que tem as qualidades do tipo ideal que a mídia coloca se acha no direito de fazer de tudo para derrotar o outro. Esses elementos compõem a violência midiática.

Revista Fórum: Essa violência midiática é algo intrínseco à mídia ou seu domínio pelo capital é que a torna violenta?
Dennis:
Como a mídia tem uma estrutura comercial, o interesse dela é vender. O tipo físico que ela passa não tem intenção de provocar a violência. Ela tem o objetivo de eleger esses tipos físicos por interesses mercadológicos, porque é com esse perfil que você cria um tipo de consumidor desejável. Como os meios de comunicação vivem da propaganda, eles precisam fortalecer o ideário consumista e do consumidor de classe média, média alta. Assim, a mídia se sente totalmente descompromissada com a questão da violência. Qualquer dirigente de empresa de comunicação vai dizer que é tratam-se de negócios e, por isso, tem o direito de ter suas estratégias comerciais que achar adequadas. Por isso há uma resistência muito grande por parte da mídia a qualquer meio de regulamentação, como se isso fosse censura.

O problema é que a gente tem que mudar o enfoque disso. A mídia é um espaço público, as referências que nós temos para o debate público vêm dela. Além disso, a TV e o rádio são concessões públicas. Apesar de serem empresas privadas, estão usando o espaço eletromagnético, que é público. A sociedade tem que ter o direito de construir mecanismos regulatórios que tentem colocar a mídia numa perspectiva educativa, numa perspectiva pública, social, e não simplesmente mercadológica. Há uma dificuldade muito grande de fazer essa discussão. A monopolização que se intensificou no mundo todo criou um poder corporativo que impede qualquer tipo de ação e debate público. Há uma lógica mercantil que atrapalha, e há uma lógica de monopolização que intensifica esse poder corporativo.

Revista Fórum: O que é pior: ter um monopólio que domina a mídia, ou uma livre-concorrência que privilegia os interesses comerciais?
Dennis:
O monopólio é uma tendência do capitalismo. Hoje seis grupos dominam a mídia no mundo. Em função dessas tecnologias novas de comunicação, as redes e com a convergência tecnológica, há um crescimento do monopólio, cada grupo se associando a outros. Não existe uma concorrência pura e simples. O problema do monopólio é que se cria um poder não eleito que se sobrepõe aos outros poderes. Os grupos midiáticos na Venezuela acharam que tinha poder para derrubar um presidente eleito, como a Globo aqui achou que podia intervir na eleição. Não que seja melhor a concorrência, mas o monopólio é um risco à democracia. Nem falo de uma democracia popular, falo de uma democracia liberal, mesmo. Não tem como ter uma democracia liberal dessa forma.

Revista Fórum: A criação de mecanismos de controle público da mídia seria suficiente para resolver a questão da violência midiática?
Dennis:
Não foi a mídia que criou a violência, esse é um problema social. A mídia intensifica. O que queremos pensar é que a mídia pode ter um papel de contraponto a isso. Tem um valor hegemônico, que é o da violência, e a idéia é que a mídia não seja somente um instrumento de intensificar valores instituídos, mas que faça discussão. O controle público é importante porque traz essa discussão pro campo público, não é mais uma questão mercadológica.

Revista Fórum: No caso da internet, que tem abertura para tudo, como fica a questão da violência, já que eu posso negar o outro e o outro também pode me negar? É preciso controle?
Dennis:
A internet é um campo muito dúbio, porque tem a possibilidade de você construir alternativas. Como é uma mídia barata do ponto de vista da produção e circulação, surgiram vários sites, blogs alternativos, não tem fronteiras. Quando teve a questão dos dólares e do dossiê do Serra em 2006, a repercussão da posição da Globo foi tão grande na internet que até o Ali Kamel teve que sair a campo para defender a Globo, algo que nunca aconteceu. A internet permite que qualquer cidadão possa construir um espaço público de expressar sua voz. Mas lá tudo cabe, e pode servir para disseminar a violência. De qualquer forma, acho que como a internet permite essa alternativa, prefiro que por enquanto ela fique sem regulamentação. Tem a questão da violência sendo disseminada, mas tem como reagir contra isso. Ao contrário da televisão, que não tem como reagir, já que são concessões do governo.

Revista Fórum: A mídia na América Latina é mais violenta que em outras partes do mundo?
Dennis:
Na América Latina, fora do Brasil, tem um monopólio muito maior da mídia. Essa situação de monopólio mais intenso favorece atitudes mais agressivas. A atitude das TVs na Venezuela, por exemplo, é lamentável. As manipulações que acontecem lá, como no golpe contra o Chávez que aparecem no filme “A Revolução Não Será Televisionada” e as ofensas diretas contra ele não foram discutidas aqui no Brasil. Foi discutido quando o Chávez não renovou concessão à Globovision. Mas a ação dessas mídias lá, que foi uma ação anti-democrática, golpista e ilegal, não teve repercussão no Brasil. Se por um lado a mídia brasileira não tem essa postura tão agressiva quanto a mídia latino-americana, por outro ela tem uma simpatia. O governo de Santa Cruz de La Sierra afirmou que não aceitava ser governada por “esse índio e negro, Evo Morales”, e isso saiu em capa de jornal, mas nenhum jornal colocou que aquilo era um absurdo. Agora quando o Morales fala em mídia estatal, a mídia comercial fala que é um atentado à liberdade de imprensa e à democracia. Aqui no Brasil a realidade não favorece a agressividade. Por ter uma situação complexa de poderes, monopólio e interesses regionais particulares que mitigam isso, a ação é mais sutil. Em países menores, em que poucos grupos controlam toda a mídia, a situação é mais agressiva.

Revista Fórum: A mídia dá respostas para essa violência?
Dennis:
Nós vivemos uma crise na sociedade, porque é uma sociedade que a cultura hegemônica na tem respostas pras questões da humanidade. Não tem respostas pra questão ambiental, pra questão da miserabilidade. Hoje a sustentabilidade está assentada na concentração de renda, porque é um sistema que estimula o consumo, mas se todos consumir o que querem, tudo será destruído. Não tem como todo mundo consumir o padrão de consumo que se vende. A miserabilidade é a base de sustentação do sistema. A resposta que se apresenta a curto prazo é a violência, a destruição do outro. Resolve-se o problema da pobreza matando pobre.

O capitalismo chegou num ponto em que sua produtividade é garantida com o emprego pequeno de mão-de-obra por causa das tecnologias. Então tem uma grande parte de homens e mulheres que estão descartáveis, não tem necessidade para produzir e não tem como consumir. A solução que se coloca é o extermínio, porque o miserável hoje é um incômodo. O sistema não pensa em democratizar o acesso a oportunidades, que coloca a ideologia do sucesso como referência básica. Como a mídia é produto desse sistema liberal, ela também não tem resposta pra isso. Só se resolvem os dilemas de hoje com uma radical distribuição de riquezas, que significa que tem que tirar de quem tem. Isso não será discutido. Tem um sistema aí que não responde aos problemas da humanidade, e ao mesmo tempo não conseguimos construir uma alternativa.



No artigo

2 comments

  1. Valdir Estrela

    É lugar comum reconhecer a lucidez do prof., Dênnis. melhor é valorizar sua militância política e acadêmica em favor de uma mídia democrática, ética e comprometida com uma sociedade igualitária. Do jeito que está a mídia atua como um grande fator de degradação social com o grande risco de legitimar a situação de barbárie provocada por esse modelo sócio-político dominante. Parabéns pela publicação mais do que oportuna, Prof. Dênnis.

  2. Valdir Estrela

    É lugar comum reconhecer a lucidez do prof., Dênnis. melhor é valorizar sua militância política e acadêmica em favor de uma mídia democrática, ética e comprometida com uma sociedade igualitária. Do jeito que está a mídia atua como um grande fator de degradação social com o grande risco de legitimar a situação de barbárie provocada por esse modelo sócio-político dominante. Parabéns pela publicação mais do que oportuna, Prof. Dênnis.

Comments are closed.


x